Publicidade

Estado de Minas FUTEBOL MINEIRO

Deivid vê volta ao Cruzeiro como uma 'convocação'

Ex-jogador celeste, que será diretor técnico, prevê trabalho harmônico com Drubscky e diz que uma de suas missões será ajudar a reconstruir perfil que deu glórias à Raposa


postado em 25/05/2020 04:00

Primeiro dirigente anunciado por Sérgio Rodrigues, Deivid estabelece meta: %u201CLevar o Cruzeiro ao seu devido lugar, disputando títulos%u201D(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press %u2013 24/4/16 )
Primeiro dirigente anunciado por Sérgio Rodrigues, Deivid estabelece meta: %u201CLevar o Cruzeiro ao seu devido lugar, disputando títulos%u201D (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press %u2013 24/4/16 )
O desafio de ajudar na reconstrução do Cruzeiro foi visto como uma 'convocação' pelo ex-jogador e treinador da equipe celeste Deivid, que assumirá agora o cargo de diretor técnico de Futebol. O nome dele foi formalizado no sábado pelo presidente eleito, Sérgio Santos Rodrigues. A perspectiva é de que desembarque hoje mesmo em Belo Horizonte para começar os trabalhos na Toca II.

Apesar da chegada dele, Ricardo Drubscky continua como diretor de Futebol do Cruzeiro, de acordo com promessa de Rodrigues. Uma de suas maiores missões será auxiliar na configuração do time para a disputa da Série B, numa temporada em que há grave crise financeira (dívidas acumuladas de R$ 803 milhões e prejuízo de R$ 394 milhões em 2019).

“Vi a oportunidade de voltar ao Cruzeiro não como um convite, mas como uma convocação. Me identifiquei muito com o clube desde que cheguei pela primeira vez e pude construir uma história vitoriosa. Por tudo o que aconteceu com o clube nos últimos anos, é uma grande responsabilidade, mas também uma grande honra poder contribuir com meu trabalho para levar o Cruzeiro ao seu devido lugar, que é disputando títulos e sendo uma referência positiva de administração”, declarou.

Ele atuou pela Raposa em parte da vitoriosa campanha da Tríplice Coroa de 2003 (conquista do Mineiro, Copa do Brasil e Brasileiro), tendo sigo negociado em junho daquele ano. Voltou em 2015, como assistente de Vanderlei Luxemburgo, foi mantido na queda do treinador e efetivado pela gestão de Gilvan de Pinho Tavares como membro fixo da comissão técnica. Com a saída de Mano Menezes, assumiu o cargo de técnico, mas teve pouco sucesso: comandou o time em 18 jogos, com 11 vitórias, cinco empates e duas derrotas entre janeiro e abril de 2016. Eliminação para o América na semifinal do Campeonato Mineiro, deixou o clube.

CONEXÃO Um dos primeiros reforços do presidente Sérgio Rodrigues, cujo mandato será de 1º de junho a 31 dezembro de 2020, Deivid terá a função de ser a ligação entre o departamento de futebol e a diretoria do clube estrelado. “Venho para contribuir com o futebol do Cruzeiro. Com o Ricardo Drubskcy, atuarei na gestão do departamento. Serei responsável por fazer a conexão entre os atletas, comissão técnica e a diretoria, acompanhar o trabalho da análise de desempenho e aprimorar a transição dos atletas das categorias de base para o time principal. A intenção é fortalecer a equipe com as características de jogo que fizeram o Cruzeiro ter suas glórias e tradição”, explicou.

Em 2015, Sérgio Rodrigues e Deivid trabalharam juntos pela primeira vez no Cruzeiro. À época, o atual presidente era superintendente de Futebol, enquanto o ex-atacante exercia a função de auxiliar técnico e, algum tempo depois, a de treinador.

Daqui para o futuro...

Na Justiça
O candidato Giovanni Baroni, da chapa Transparência e Reconstrução, mudou de ideia e confirmou ontem, por meio do Twitter, que tentará impugnar a vitória de Paulo César Pedrosa na eleição do Conselho Deliberativo do Cruzeiro, realizada na quinta-feira. Segundo colocado, com dez votos a menos (112 a 102), Baroni qualifica o pleito como “imoral” devido à participação de 29 conselheiros que haviam sido expulsos por descumprir o Estatuto durante a gestão de Wagner Pires de Sá, em 2018 e 2019. Eles conseguiram votar graças a liminares obtidas na Justiça.

Nathan, Marquinhos, Tardelli e Otero na Cidade do Galo: venezuelano projeta Atlético 'no ataque'(foto: PEDRO SOUZA/ATLÉTICO )
Nathan, Marquinhos, Tardelli e Otero na Cidade do Galo: venezuelano projeta Atlético 'no ataque' (foto: PEDRO SOUZA/ATLÉTICO )

No galo, certeza de futebol ofensivo

A temporada de futebol ainda não tem data para recomeçar, mas quando for autorizada a retomada, o meia venezuelano Otero tem uma certeza sobre a característica principal do perfil tático do Atlético: ofensividade. O jogador afirmou que espera aproveitar ao máximo a qualidade do técnico Jorge Sampaoli. “A gente treinou só uma semana antes de começar a pandemia e ele fala a mesma coisa: jogar para a frente, coletivamente. Os treinamentos são bastante intensos e a gente está aproveitando muito bem. É uma comissão muito boa, um treinador muito bom, e temos que aproveitar isso”.

O Atlético retornou aos treinos na Cidade do Galo na segunda-feira passada, após os testes para a COVID-19. Depois de 62 dias, desde a paralisação das atividades por causa da pandemia do novo coronavírus, os jogadores foram divididos em grupos, com horários alternados, e fizeram trabalho físico em campo, observados por Sampaoli, os auxiliares, médicos e preparadores físicos.

Otero afirmou que sentiu falta do ambiente e comentou a rotina adaptada aos novos padrões sanitários em função da pandemia. “Não só eu, mas acho que todos os jogadores sentiram saudade de estar em campo novamente. Agora, a gente voltou aos treinos e é uma felicidade muito grande voltar, voltar a estar com a bola. A tristeza é não poder estar com o grupo inteiro, mas pouco a pouco a gente vai voltando e vamos estar juntos novamente”, disse.

Antes do retorno, os atletas alvinegros treinavam em suas residências para manter a boa forma física. Entretanto, para o venezuelano, os treinos longe da Cidade do Galo e dos colegas de equipe não são os mesmos. “Procurei me manter treinando em casa, mas não é a mesma coisa que treinar aqui, com os companheiros. Nesses dois meses, procurei treinar o máximo possível para me manter em forma porque sabia que, voltando os treinos, seria muito forte”, comentou.

Os jogadores estão vivendo uma nova realidade no dia a dia do clube. Os atletas treinam em pequenos grupos e não utilizam as áreas fechadas como academia, restaurante e cantina. Antes e depois de entrar no gramado, é obrigatório o uso de máscaras. Seguindo o protocolo, eles já chegaram ao CT uniformizados, sem a necessidade de usar vestiário e outros locais fechados, para minimizar o risco de infecção.

PROTOCOLO Além disso, como medida de prevenção, eles pararam de ser avaliados individualmente para evitar contato físico entre jogadores e membros do departamento médico, tornando o atendimento informal e a distância. O retorno foi cercado de um protocolo de segurança para tornar menor a possibilidade de contágio da COVID-19. Além de testes diários, os jogadores são submetidos a questionário com perguntas sobre eventuais sintomas da doença, assim como os funcionários. Sampaoli e o restante da comissão técnica também têm ido a campo usando máscaras.

Enquanto isso...
... América, enfim, retorna

Com alguns exames para COVID-19 inconclusivos, o América vai manter parte de seus jogadores em isolamento e retomará os treinamentos a partir de hoje, no CT Lanna Drumond. Os testes para os quais os resultados foram indefinidos serão feitos nos próximos dias. Os nomes dos profissionais não foram revelados. Com grupos de, no máximo, oito pessoas, o elenco treinará em horários diferentes, para evitar a propagação do novo coronavírus. Os atletas chegarão ao CT usando máscaras, já uniformizados e com roupas de treino. Em seguida, farão higienização com álcool em gel e aferimento da pressão arterial e temperatura, além de responderem ao questionário de sintomas.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade