Publicidade

Estado de Minas OLIMPíADA

COI reafirma risco sobre os Jogos em 2021


postado em 23/05/2020 04:00

Um dia depois de o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, admitir o risco de suspensão definitiva dos Jogos de Tóquio, o comitê organizador reconheceu que está passando por problemas para deixar tudo em ordem para que a competição seja realizada. Quem admitiu isso foi John Coates, presidente do Comitê Olímpico Australiano (AOC, na sigla em inglês) e membro do COI. Por causa da pandemia de coronavírus, as competições foram adiadas para 2021.

"Enfrentamos problemas reais, temos muita gente envolvida: 11 mil atletas de 206 países, 5 mil técnicos e oficiais, 20 mil jornalistas, 4 mil pessoas na organização e 60 mil voluntários", afirmou Coates ontem, em uma conferência organizada pelo grupo de comunicação News Corp.

Coates, que já ocupou o cargo de vice-presidente do COI, fez questão de ressaltar que não há a possibilidade de adiar a competição para depois do verão, no hemisfério Norte, de 2021. "Não podemos adiar mais a competição e devemos partir do princípio de que não haverá uma vacina contra o novo coronavírus Ou caso exista, não estará disponível para todos", disse o dirigente, que preside ao Comitê de Coordenação do COI para os Jogos de Tóquio'2020.

A opinião de Coates bate com a do alemão Bach, que acenou com a hipótese de os Jogos Olímpicos serem cancelados caso a pandemia da COVID-19 não seja controlada até o meio do ano que vem. O evento está marcado para ocorrer de 23 de julho a 8 de agosto. A ideia dos dirigentes é realizar em outubro encontros para definir políticas sanitárias para a Olimpíada.

Já o diretor-executivo do Comitê Organizador Local, Toshiro Muro, afirmou que, por enquanto, nem esse órgão nem mesmo o governo japonês disseram em algum momento que 2021 era a "última opção" para que se realizassem os Jogos.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade