Publicidade

Estado de Minas COVID-19

Estudo recomenda distância maior ao praticar esportes durante pandemia

Universidades da Bélgica e da Holanda alertam para risco de contaminação por COVID-19 em caminhadas, corridas e pedaladas


postado em 11/04/2020 04:00

Pesquisa internacional mostra que é preciso evitar proximidade ao praticar esportes na rua durante a pandemia de COVID-19(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Pesquisa internacional mostra que é preciso evitar proximidade ao praticar esportes na rua durante a pandemia de COVID-19 (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)


Apesar das recomendações das autoridades sanitárias para que as pessoas evitem sair de casa como forma de diminuir o risco de ser contaminado pelo novo coronavírus, muitas pessoas têm ido às ruas e avenidas para correr, pedalar ou caminhar, buscando manter a forma. Mas, se em circunstâncias normais é preciso manter distância de um a dois metros para qualquer pessoa, praticando esporte isso deve ser ampliado em quatro vezes.

Segundo estudo realizado por cientistas da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e da Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, é preciso levar em conta o tipo de atividade física e até a velocidade do vento para garantir segurança. Usando simulações em computador, concluíram que as gotículas de saliva e outros fluidos emitidos pelas pessoas durante exercícios ficam no ar, formando uma “nuvem” que será “atravessada” por quem está atrás ou em sentido contrário, se estiver muito perto.

Eles estudaram os movimentos que se faz andando, correndo e pedalando, e também diferentes posições: próximas umas das outras, na diagonal atrás uma da outra e diretamente atrás uma da outra. Normalmente, esse tipo de modelagem é usado para melhorar o nível de desempenho dos atletas, pois, permanecer no “vácuo” de concorrente pode ser muito eficaz. Mas, ao olhar para a COVID-19, a recomendação é ficar fora do fluxo, de acordo com a pesquisa.


NUVEM DE GOTÍCULAS

Os resultados do teste aparecem como nuvens de gotículas deixadas para trás por uma pessoa. “As pessoas que espirram ou tossem espalham gotas com uma força maior, mas também as que respiram deixam partículas para trás”, diz o estudo. O resultado da pesquisa mostra que essas nuvens criam a maior chance de contaminação, mas também caem mais rapidamente. “Mas, ao atravessar essa nuvem, eles ainda podem pousar em sua roupa”, de acordo com o professor Bert Blocken.

Pelo estudo, o melhor é ficar na diagonal e a pelo menos quatro ou cinco metros da pessoa que está à frente. Os cientistas também aconselham que no caso de ciclistas em velocidade mais alta, a distância deve subir para 20 metros.

AVISO SEMELHANTE EM BH

A situação já havia sido alertada pelo infectologista e integrante do Comitê de Combate à Pandemia de Coronavírus da Prefeitura de Belo Horizonte, Carlos Starling. Segundo ele, o melhor é ficar em casa e, no caso de sair, tomar o máximo de cuidado.

“Nós estamos vendo uma pressão das pessoas querendo usar as praças, para correr, pedalar etc. Tem trabalhos científicos sobre isso, que mostram que pessoas correndo em um determinado espaço, em uma praça por exemplo, se elas ficam em um distanciamento social de dois metros, que nós usamos no nosso convívio, não é suficiente pra quem está correndo. Tosse, espirra, elimina suor, respira de forma ofegante, você elimina muito mais perdigoto (gotículas contaminadas) para quem está atrás de você ou do seu lado”, explicou ao destacar a impossibilidade de manter a distância necessária se os locais estiverem cheios.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade