Publicidade

Estado de Minas ATLÉTICO

Hora de escolher os "sparrings"

Seguindo método de trabalho realizado em outros times, Sampaoli utilizará os melhores da base para treinar com o profissional. Quem se destacar pode até atuar no time principal


postado em 11/03/2020 04:00

Os garotos do Sub-20 que disputaram a Copa São Paulo, em janeiro, poderão estar entre os eleitos do técnico argentino para as atividades (foto: Pedro Souza/Atlético %u2013 11/1/20)
Os garotos do Sub-20 que disputaram a Copa São Paulo, em janeiro, poderão estar entre os eleitos do técnico argentino para as atividades (foto: Pedro Souza/Atlético %u2013 11/1/20)


Nos clubes por onde passa, o técnico Jorge Sampaoli tem um método de trabalho diferente para os jovens jogadores. O argentino chama os garotos da base para serem sparrings dos profissionais durante os treinos. No Atlético, a estratégia será mantida e o treinador pretende contratar uma pessoa específica para ajudá-lo nesse processo.

Os sparrings de Sampaoli funcionam da seguinte forma. O responsável – que ainda será escolhido pelo argentino – seleciona os melhores jogadores das categorias de base do clube para montar uma equipe e utilizá-la nos treinos. No Galo, serão atletas do time de transição, do Sub-20 e do Sub-17. Os garotos fazem a atividade antes dos profissionais e depois mostram ao grupo principal a forma que o técnico quer que eles joguem.

Em um segundo momento do treino, os garotos vão para marcações no campo – uma espécie de posicionamento de acordo com o adversário –, ou deixam o gramado.

Durante a entrevista de apresentação no Atlético, na segunda-feira, Sampaoli afirmou que pretende trazer uma pessoa que fique responsável para avaliar os jovens e montar as atividades.

“Com respeito às categorias de base, nós temos uma ideia de trazer uma pessoa também que fique responsável por um grupo seletivo de sparring, que são os melhores jogadores de cada categoria, que teriam que ser aqueles jogadores que, de repente, podem ter a possibilidade de jogar no curto e no médio prazo no primeiro time [principal]”, explicou o treinador.

Segundo Sampaoli, caso os jovens da base se destaquem nas atividades, poderão ser aproveitados na equipe principal. “Então, nós trabalhamos sempre com esse grupo conjuntamente com os jogadores da primeira divisão e aí temos um contato direto com os jovens mais destacados para ver se algum está preparado para jogar”.

Atualmente, o time de transição do Atlético é comandado por Leandro Zago, ex-técnico da equipe Sub-20. O coordenador do projeto é o ex-zagueiro Leonardo Silva. A comissão técnica ainda conta com o treinador de goleiros Jorcey Anísio, o preparador físico Marcelo Luchesi, o massagista Aluízio Santos e o roupeiro Anderson Pacheco (Juninho).

Desfalques Para realizar esta atividade, os garotos são obrigados a desfalcar os treinos de suas respectivas categorias. Os jovens ficam até mesmo fora de viagens e jogos. Tudo para servir ao time principal.

Em 2019, no entanto, a estratégia não era vista com bons olhos no Santos, principalmente pelo fato de os times de base serem prejudicados com as ausências constantemente. Mesmo assim, Sampaoli manteve o plano de trabalho no Peixe.

Na equipe paulista, o argentino utilizou a metodologia do sparring durante a temporada 2019, mas deu chances a poucos jovens: o zagueiro Wagner Leonardo (20 anos e um jogo), o meia Sandry Roberto (17 anos e três jogos) e os atacantes Felippe Cardoso (20 anos e sete jogos), Tailson (20 anos e 11 jogos), Kaio Jorge (18 anos e sete jogos), Arthur Gomes (20 anos e três jogos) e Yuri Alberto (18 anos e dois jogos).

Coordenador das categorias de base do Atlético, Júnior Chávare ainda não conversou com Jorge Sampaoli sobre o aproveitamento dos jovens. Criador do projeto do time de transição ao lado de Rui Costa, ex-diretor de futebol do clube, ele não sabe qual será o futuro da equipe. A tendência é que os atletas continuem sendo aproveitados no grupo principal sempre que for necessário.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade