Publicidade

Estado de Minas

Adilson fora do Galo em 2020


postado em 06/01/2020 04:00

Adilson (E) passou a integrar a comissão técnica fixa do Galo em julho, após ser diagnosticado com problema cardíaco. Ele vivia a expectativa de ficar pelo menos até dezembro(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press %u2013 15/7/19)
Adilson (E) passou a integrar a comissão técnica fixa do Galo em julho, após ser diagnosticado com problema cardíaco. Ele vivia a expectativa de ficar pelo menos até dezembro (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press %u2013 15/7/19)

A dois dias do retorno dos jogadores aos treinos na Cidade do Galo, o Atlético já passa por mudanças importantes em sua comissão técnica, que a partir de hoje será liderada pelo treinador venezuelano Rafael Dudamel. A saída mais surpreendente é a do ex-volante e agora auxiliar Adilson, de 32 anos, que abandonou os gramados no ano passado em virtude de sério problema no coração. Outro que se despediu ontem foi o coordenador de preparação física Daniel Félix.

Ex-goleiro, Dudamel trabalhará com quatro profissionais que estiveram com ele na Seleção Venezuelana nos últimos anos: o auxiliar Marcos Mathías, o preparador físico Joseph Ali Cañas, o analista de desempenho Rodrigo Piñón e o coach motivacional Jeremías Álvarez. A chegada do quinteto está prevista para esta manhã, em Confins. À tarde, todos se reunirão com a diretoria alvinegra para definição das etapas da pré-temporada.

A saída de Adilson foi confirmada ontem à tarde pelo empresário do ex-jogador, Cristiano Manica. “Foi uma surpresa para ele. O Rui Costa comunicou que ele não faz mais parte da comissão técnica. Disse que estão chegando pessoas novas com o Dudamel e ele não ficará. O Adilson está muito chateado. O Sette Câmara (presidente) prometeu que ele ficaria até o fim do contrato, no fim de 2020. A notícia pegou o Adilson de surpresa, pois ele estava se preparando para a nova temporada”, disse o agente.

Contratado em 2017, Adilson ganhou um cargo na comissão técnica depois de ser diagnosticado com uma cardiomiopatia que o obrigou a encerrar prematuramente a carreira dentro das quatro linhas. Na época, a diretoria do Galo prometeu respeitar o vínculo estabelecido com o jogador, que expira somente em dezembro de 2021. “A questão contratual do Adilson é secundária. A determinação do presidente Sérgio Sette Câmara é que o cuidado seja com o lado pessoal. Não nos preocupam valores. Ele vai estar conosco por opção dele e por pedido nosso”, afirmou o diretor de futebol Rui Costa em julho, quando foi anunciada a aposentadoria de Adilson.

A princípio, os demais auxiliares vão se apresentar na quarta-feira. Ex-assistente de Mano Menezes no Cruzeiro, James Freitas foi contratado há três meses pelo Atlético, sendo o último a chegar. Antes analista de desempenho, Lucas Gonçalves – filho de Otacílio Gonçalves, que foi técnico alvinegro em 1993/1994 – passou a ser auxiliar no ano passado, trabalhando com Rodrigo Santana. E o ex-ponta-esquerda Éder Aleixo foi contratado em 2018 por Sette Câmara.

Por indicação de Rui Costa, o coordenador de preparação física Daniel Félix chegou em julho, depois de trabalhar com Abel Braga no Flamengo. Ele teve passagens por Tianjin Quanjian, da China – com a comissão técnica de Vanderlei Luxemburgo –, Criciúma e Botafogo. Diferentemente de Félix, os também preparadores Luís Otávio Kalil e Ricardo Seguins devem seguir em suas funções. O mesmo não se pode dizer dos analistas de desempenho Fillipe Rayol e Fred Fortes, que terão suas situações analisadas pela diretoria.


CHIQUINHO CONTINUA

Mesmo com o contrato encerrado no fim de 2019, o preparador de goleiros Chiquinho Cersósimo vai se apresentar com o restante do grupo. Ele trabalha no Galo desde 2012, quando foi contratado pelo então presidente Alexandre Kalil, hoje prefeito de Belo Horizonte. Desde então, o Galo viveu constantes trocas de treinadores, mas o profissional seguiu no cargo. “Minha apresentação está confirmada para quarta-feira. Meu contrato era até o fim do ano passado, mas falei com o Rui (Costa, diretor de futebol) ontem (sábado). Ele disse que haveria continuidade”, disse o profissional.

Na temporada passada, o preparador de goleiros conviveu com críticas na queda técnica do titular Victor, que viveu fase irregular no primeiro semestre e depois se ausentou dos gramados em virtude de tendinite no joelho esquerdo. Cleiton assumiu a posição e ganhou elogios, sendo convocado para disputar o Pré-Olímpico na Colômbia com a Seleção Brasileira Sub-23.

“Estou há sete anos no clube, já ajudei o Atlético a levar um goleiro para uma Copa do Mundo (Victor, em 2014) e outro para uma Olimpíada (Uilson, em 2016). O Victor foi eleito o melhor goleiro de uma Libertadores, o melhor da Copa do Brasil por duas vezes. Neste ano, pegou três pênaltis num só jogo (contra o Unión La Calera-CHI, pela Copa Sul-Americana). Agora, o Cleiton está sendo convocado com frequência para a Seleção Sub-23. Fico chateado que tem muita gente que não conhece meu trabalho. Mas o importante é a gente trabalhar sempre com seriedade e responsabilidade”, afirmou.


Publicidade