Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas OLIMPÍADA 2020

Brasil em busca de mais vagas nos Jogos Olímpicos de Tóquio

A oito meses da abertura do evento, país tem 152 atletas garantidos, mas ainda vai atrás da classificação em esportes tradicionais como basquete e futebol


postado em 03/11/2019 04:00 / atualizado em 02/11/2019 22:51



A 264 dias dos Jogos Olímpicos de Tóquio'2020, o Brasil tem 152 vagas garantidas, mas, desse total, apenas 15 atletas estão confirmados. Os demais dependerão de convocações de treinadores nos esportes coletivos, e de disputas em seletivas nos individuais. O Brasil, que esteve fora apenas de apenas seis edições (Atenas'1894, Paris'1900, Saint Louis'1904, Londres'1908, Estocolmo'1912 e Amsterdã'1928), tenta bater o recorde de participantes.

Os Jogos do Rio ficaram marcados como os de maior presença brasileira, com 465 atletas – o que se explica pelo fato de o país-sede ter direito a vagas em todas as modalidades. No exterior, o maior número foi em Pequim'2008, com 277 (145 homens e 132 mulheres). Na história olímpica, o Brasil já competiu em 40 modalidades, mas só conquistou medalhas em 15 delas.

Ainda há possibilidade de vaga em esportes em que o país tem tradição de conquistas, como no que mais medalhas trouxe, o judô: 22 no total. É que o critério de classificação será o ranking mundial de 25 de maio. Os 16 melhores se garantem. Hoje, os judocas brasileiros estariam classificados para 11 das 14 categorias.

No futebol, que sempre alimenta esperança de pódio, a Seleção masculina terá de disputar vaga no Pré-Olímpico, de 15 de janeiro a 2 de fevereiro, na Colômbia. Duas vagas estarão em jogo.

Outra modalidade em que o Brasil tem lastro olímpico e ainda busca a vaga é o basquete. O masculino já conquistou três bronzes e o feminino tem uma prata e um bronze. Hoje, é apenas o 11º do ranking entre os homens e nono entre as mulheres. Para o torneio masculino, em Tóquio, restam quatro vagas, que serão definidas em quatro Pré-olímpicos, no ano que vem. Os maiores adversários da Seleção Brasileira serão Sérvia (atual vice-campeã olímpica e mundial), Lituânia (dona de três bronzes olímpicos, em 1992, 1996 e 2000) e Grécia (prata no Mundial de 2006). Além desses, a Itália e o Canadá são candidatos às vagas.
 
No feminino, 10 seleções serão conhecidas em quatro pré-olímpicos intercontinentais de 2020. Serão 16 participantes: dois da África, quatro das Américas, quatro da Ásia/Oceania e seis da Europa. O Brasil jogará o Pré-Olímpico das Américas, que classificará os dois primeiros para os Jogos.

Nos esportes coletivos, ainda tem chance o handebol masculino. A Seleção Brasileira desperdiçou a oportunidade de garantir sua  vaga via Jogos Pan-Americanos Lima'2018, ao ficar fora da final. Agora, tentará ir pelo Pré-Olímpico, que será disputado em abril de 2020.


Quem já tem lugar assegurado no japão

Total de 152 vagas
 

Atletismo (23 vagas)

(foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)
(foto: Kirill Kudryavtsev/AFP)
 
A definição da equipe será pelo ranking da Federação Internacional de Atletismo ou por índices técnicos. Quatorze brasileiros já têm índices para Tóquio, incluindo o campeão olímpico do salto com vara, Thiago Braz (foto). Eles, no entanto, aguardarão a convocação da Confederação Brasileira de Atletismo.

Canoagem slalom (3 vagas)

A mineira Ana Sátila conseguiu as vagas no C1 e K1 (canoa e caiaque individual). No entanto, terá de disputar uma seletiva nacional, ainda sem data. Da mesma forma, Pedro Gonçalves, o Pepê, campeão pan-americano em Lima.

Canoagem velocidade (2 vagas)

Graças à conquista da vaga no Mundial de Szeged, na Hungria, Isaquias Queiroz e Erlon de Souza estão assegurados em Tóquio, na prova C2 1.000m.

Futebol (18 vagas)

A Seleção Brasileira feminina garantiu lugar com o título da Copa América'2018. Também estão garantidos Japão, Nova Zelândia, Grã-Bretanha, Holanda e Suécia.
 
(foto: LUIS ROBAYO/AFP - 29/7/19)
(foto: LUIS ROBAYO/AFP - 29/7/19)
 

Ginástica artística (5 vagas)

Flávia Saraiva (foto ao lado) estará na disputa individual. No masculino, o Brasil classificou a equipe. As vagas foram obtidas no Mundial de Stuttgart.

Handebol (14 vagas)

A Seleção Brasileira feminina conquistou a vaga ao ganhar o ouro no Pan-Americano de Lima'2019.

Hipismo (9 vagas)

No Pan de Lima'2019, o Brasil garantiu equipes no adestramento, no CCE e nos saltos. A vaga não pertence ao conjunto (cavaleiro e montaria), e sim ao país. A definição será da Confederação Brasileira de Hipismo, que usa o ranking da Federação Equestre Internacional, medido entre 1º de janeiro de 2019 e 1º de junho de 2020.

Maratonas aquáticas (1 vaga)

Ana Marcela Cunha garantiu a classificação olímpica ao terminar em quinto lugar nos 10km do Mundial de Natação, em Gwangju, na Coreia do Sul

Natação (12 vagas)

Todas as vagas brasileiras são em revezamentos: 4x100m livre masculino, 4x200m livre masculino e 4x100m medley masculino. A definição da equipe se dará no Troféu Brasil de Natação'2020, ainda sem data. Estará classificado quem alcançar o índice técnico determinado pela Federação Internacional de Natação.

Pentatlo moderno (1 vaga)

Ieda Guimarães obteve a vaga ao terminar na quarta colocação no Pan de Lima'2019.

Rugby sevens (12 vagas)

A Seleção Brasileira feminina assegurou a classificação ao conquistar o Pré-Olímpico em Lima, no Peru, quando derrotou a Colômbia, na final, por 28 a 15.

Surfe (1 vaga)

Tatiana Weston-Webb garantiu a vaga ao chegar às quartas de final da etapa de Portugal, do WSL, uma das seletivas olímpicas.
 
(foto: LUIS ROBAYO/AFP - 3/8/19)
(foto: LUIS ROBAYO/AFP - 3/8/19)
 

Tênis (1 vaga)

O mineiro João Menezes (foto ao lado), de Uberaba, conquistou o direito de estar em Tóquio com o ouro no Pan de Lima'2019. Mas terá de estar entre os 300 do ranking mundial em 8 de junho do ano que vem.

Tênis de mesa (6 vagas)

São três vagas no feminino e três no masculino, obtidas no Pré-Olímpico Latino de Equipes, em Lima. Ao vencer todas as partidas entre os homens, Hugo Calderano garantiu seu lugar.

Tiro com arco (1 vaga)

A classificação veio com a medalha de prata do arqueiro Marcus D'Almeida no Pan de Lima'2019.

Vela (11 vagas)

No Mundial de classes olímpicas de 2018, se garantiram Martine Grael e Kahena Kunze, na 49erFX; João Pedro Souto de Oliveira, na Laser; e Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino, na Nacra 17. No Europeu, na Classe Finn, com Jorge Zarif. Aos 46 anos, Robert Scheidt se tornou o titular da vaga do Brasil na Laser ao terminar o Mundial da classe em 12º. Disputará sua sétima olimpíada. Na 470, Ana Luíza Barbachan e Fernanda Oliveira garantiram a vaga no Mundial do Japão. No Pan de Lima, Marco Grael e Gabriel Borges levaram o ouro na 49er. No Mundial da classe RS:X, a classificada foi Patrícia Freitas.

Vôlei (24 vagas)

A Seleção Brasileira feminina se garantiu ao vencer o Pré-Olímpico em Uberlândia. Já a masculina conseguiu a classificação em Varna, na Bulgária, com vitória de virada (3 a 2) sobre os donos da casa

Vôlei de praia (8 vagas)

A uma etapa do fim da corrida olímpica, estão definidas as quatro duplas brasileiras em Tóquio, pois não podem ser ultrapassadas pelos concorrentes: Ágatha/Duda e Ana Patrícia/Rebecca, no feminino, e Alison/Álvaro Filho e Bruno Schmidt/Evandro, no masculino.


Publicidade