Publicidade

Estado de Minas FUTEBOL ESTRANGEIRO

Rei com dupla coroa

Depois da conquista da Liga dos Campeões, Liverpool confirma o título da Supercopa da Europa ao vencer o Chelsea nos pênaltis. Brasileiros têm papel fundamental no resultado


postado em 15/08/2019 04:00 / atualizado em 14/08/2019 21:58

Jogadores do Liverpool, do técnico Jurgen Klopp, festejam os 5 a 4 nas penalidades, em partida disputada na Turquia (foto: OZAN KOSE/AFP)
Jogadores do Liverpool, do técnico Jurgen Klopp, festejam os 5 a 4 nas penalidades, em partida disputada na Turquia (foto: OZAN KOSE/AFP)
Na inédita decisão entre dois times ingleses que valeu o título da Supercopa da Europa, o Liverpool levou a melhor ao vencer o Chelsea nos pênaltis (5 a 4), depois de empate por 2 a 2 (1 a 1 no tempo normal e também na prorrogação), em Istambul, na Turquia, onde ganhou pela quarta vez o troféu deste torneio.

O Liverpool não conquistava desde 2005 a taça desta competição, que reúne os atuais campeões europeus e da Liga da Europa. Antes disso, triunfou em decisões em 1977 e 2001, e foi vice em 1978 e 1984. Já o clube de Londres desperdiçou a oportunidade de ganhar sua segunda Supercopa, que a equipe só conseguiu alcançar em 1998, ficando em segundo também nas finais de 2012 e 2013.

Nestas duas últimas ocasiões, o ídolo Frank Lampard, hoje treinador do Chelsea, atuou como capitão do time. E essa foi a segunda decepção consecutiva amargada pelo ex-meio-campista em apenas quatro dias, goleado no domingo por 4 a 0 pelo Manchester United, na estreia pelo Campeonato Inglês.

Já a equipe comandada pelo alemão Jürgen Klopp comemorou o seu primeiro título nesta temporada 2019/2020, na qual deixou escapar, justamente em uma disputa por pênaltis, o troféu da Supercopa da Inglaterra no dia 4, diante do Manchester City.

No confronto realizado no Vodafone Park, estádio do Besiktas, o Liverpool contou com o apoio de grande maioria de torcedores nas arquibancadas e começou com um volume de jogo muito maior, sendo dominante nos primeiros 15 minutos, pressionando o Chelsea em seu campo. Como na bicicleta de Mané cuja bola bateu na mão de Christensen, numa possível penalidade, em cabeceio de Kepa, em finalização do brasileiro Fabinho e em infiltração de Salah.

O Chelsea equilibrou o duelo, em finalizações de Giroud e arremate de Pedro que acertou o travessão. E foi o time londrino que acabou encontrando o caminho do gol aos 35min. Após receber uma bola na intermediária ofensiva, o meia norte-americano Christian Pulisic deu lindo passe entre os defensores do Liverpool e deixou Giroud em ótimas condições para marcar. E, com categoria, o atacante francês tocou no canto esquerdo baixo de Adrián. Embalado, o Chelsea chegou a ampliar em seguida, mas em impedimento flagrado pelo VAR.

Os atuais campeões europeus, porém, buscaram o empate pouco depois do intervalo, aos 3min da etapa final, em uma jogada com participação decisiva de dois brasileiros. Fabinho escorou para Firmino, que deixou Mané livre para apenas completar para as redes: 1 a 1.

PRORROGAÇÃO A decisão do título acabou indo para prorrogação, na qual o Liverpool conseguiu virar o jogo com um gol já aos 4min. De novo assistência de Firmino, desta vez para Mané, que vinha de atrás e bateu de primeira para a bola tocar no travessão e entrar no gol. Ainda na etapa inicial do tempo extra, porém, o Chelsea empatou aos 10min em pênalti convertido pelo brasileiro naturalizado italiano Jorginho.

Nas penalidades após o 2 a 2, Firmino, Fabinho, Origi, Alexander-Arnold e Salah marcaram pelo Liverpool. Jorginho, Barkley, Mount e Emerson balançaram as redes pelo Chelsea, mas Abraham, que havia perdido um gol feito na prorrogação, parou em defesa de Adrián na última cobrança e se tornou o maior vilão desta final.
 

Neymar 'isolado' no PSG 

Brasileiro vem treinando separadamente, mas comissão técnica liga medida à contusão do craque(foto: FRANCK FIFE/AFP)
Brasileiro vem treinando separadamente, mas comissão técnica liga medida à contusão do craque (foto: FRANCK FIFE/AFP)
 
 
Principal astro do Paris Saint-Germain, Neymar, cuja saída do clube agita o mundo do futebol, treinou separadamente ontem. A medida estaria relacionada a seu programa de recuperação da contusão no tornozelo que o afastou das competições durante dois meses, e não teria vínculo com a perspectiva de transferência do jogador, assegurou uma fonte próxima ao clube. Depois de descansar no Sul de Portugal, o brasileiro participou de duas sessões de treinos no campo, mas longe dos demais companheiros.

Seu treinador, o alemão Thomas Tuchel, havia citado no sábado um programa individualizado que vem sendo seguido pelo camisa 10, alternado com exercícios coletivos. Cada gesto de Neymar tem sido acompanhado de perto desde que começou a protagonizar a principal novela do mercado de transações deste verão europeu.

O Paris Saint-Germain admitiu a vontade do atacante de ir embora e negocia para encontrar uma saída que esteja de acordo com a dimensão do atleta mais caro da história, comprado em 2017 por 222 milhões de euros. Segundo a imprensa, Barça e Real Madrid estariam travando um novo duelo nos bastidores para contratá-lo.

O diretor esportivo do PSG, o também brasileiro Leonardo, que está à frente do caso, anunciou no sábado que Neymar não seria escalado para a estreia na Ligue 1 contra o Nîmes (3 a 0), no domingo.

A hostilidade dos torcedores parisienses no Parque dos Príncipes justificou a decisão do dirigente. Insultos e cartazes contra Neymar deixaram claro que há um divórcio entre clube e jogador depois de sucessivos problemas, como as disputas internas com Cavani, o desgaste que levou à demissão do técnico Unai Emery, sucedido por Tuchel, os fracassos na Liga dos Campeões, além dos episódios extracampo, como a agressão a um torcedor rival.


Publicidade