Publicidade

Estado de Minas CRUZEIRO

Seca celeste

Time cruzeirense tenta dar, hoje, fim ao jejum de triunfos e de gols que o aterroriza. Já são oito jogos sem vitória e sem balançar as redes. No relógio, 12 horas e 36 minutos


postado em 11/08/2019 04:00


A última comemoração celeste foi de Robinho, que fechou a goleada por 3 a 0 sobre o Atlético, pela Copa do Brasil. De lá para cá, nada mais(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
A última comemoração celeste foi de Robinho, que fechou a goleada por 3 a 0 sobre o Atlético, pela Copa do Brasil. De lá para cá, nada mais (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
O Cruzeiro precisa voltar a vencer na temporada para acabar com jejum de oito partidas e começar a espantar a má fase. Para isso, terá de fazer, contra o Avaí, hoje, às 16h, em Florianópolis, algo que não consegue há mais de 12 horas: gol. A última vez que balançou a rede foi aos 9min do segundo tempo do clássico contra o Atlético, em 11 de julho, no Mineirão, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Na ocasião, Robinho marcou, depois de duas tentativas, fechando a goleada que acabou sendo fundamental para a classificação às semifinais do mata-mata – na partida de volta, no Independência, a Raposa foi muito pressionada e acabou derrotada por 2 a 0.

Desde então, amarga seca de 12h36min no ataque, fora os acréscimos. Nesse período somou quatro empates, quatro derrotas e sofreu sete gols. Mesmo em disputa de pênaltis teve dificuldades de marcar: no duelo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores, no Mineirão, foi derrotado pelo River Plate por 4 a 2, com Henrique e David parando no goleiro Armani, enquanto Fred e Robinho converteram as cobranças.

As explicações são muitas. O time não tem conseguido penetrar na área adversária, em parte devido à falta de inspiração dos armadores, em parte pelo desarranjo tático nas últimas partidas – em alguns casos, a falta de entrosamento entre os atletas ficou evidente. Assim, acaba por finalizar pouco: com 137 em 13 jogos, é o quarto que menos arremata no Brasileiro, ao lado de Ceará e Corinthians. E, quando conclui, a pontaria não tem sido boa. A equipe celeste é a 19ª no quesito chutes/cabeçadas necessários para marcar um gol: 15.

O jejum ofensivo obviamente incomoda os cruzeirenses. Afinal, só marcando gol será possível reagir no Nacional e também tentar a classificação à decisão da Copa do Brasil, diante do Internacional, contra o qual faz o confronto de volta em 4 de setembro, no Beira-Rio, depois de perder por 1 a 0 no Mineirão, quarta-feira, resultado que provocou a saída do técnico Mano Menezes depois de três anos à frente do time.

EXPLICAÇÕES “Se eu soubesse a resposta (para a falta de gols), teríamos conseguido fazer em todos os jogos. Mas também não consegui chegar à conclusão. Claro que está faltando um pouco mais de criação dos meias e um pouco mais de finalizações dos atacantes. Não só dos atacantes, da gente (armadores) também. Precisamos criar mais e ajudar mais os atacantes. Está na hora para voltarmos a fazer gols”, destaca o armador Robinho.

Capitão celeste, o volante Henrique prefere partir para a prática: “A gente não pode mais ficar aqui falando bonito, iludindo as pessoas com frases, tentando apaziguar. Temos de ter atitude, o campo tem de falar. É com resultados, jogando o futebol que a torcida está acostumada, marcando gols, que vamos mudar nossa situação. Às vezes, vai faltar aqui e ali, mas o grupo tem de estar focado”.

No jogo desta tarde, o Cruzeiro será comandado interinamente pelo técnico do Sub-20, Ricardo Resende. Ele não terá o armador Thiago Neves e o atacante Fred, suspensos, além do armador Rodriguinho, que passou por cirurgia na coluna.

ADVERSÁRIO Se a situação dos mineiros é ruim, a dos catarinenses é pior. Ainda sem vencer, o Avaí é o último colocado do Brasileiro, com apenas cinco pontos. Também tem o segundo pior ataque da competição, com apenas cinco gols marcados. A defesa, porém, não é mais vazada que a do Cruzeiro: são 18 gols sofridos, contra 20 da Raposa.

O técnico Alberto Valentim não poderá contar com o lateral-esquerdo Igor Fernandes, suspenso, que será substituído por Paulinho. Na zaga, Kunde pode ganhar a vaga de Marquinhos Silva, enquanto o atacante Brenner deve entrar no lugar de Ferrareis.


Avaí
Vladimir; Leo, Betão, Kunde (Marquinhos Silva) e Paulinho; Richard Franco, Pedro Castro e João Paulo; Lourenço, Bruno Sávio e Brenner (Ferrareis)
Técnico: Alberto Valentim

Cruzeiro
Fábio; Orejuela, Dedé, Leo e Egídio; Henrique, Ariel Cabral, Marquinhos Gabriel, Robinho e David (Sassá); Pedro Rocha
Técnico: Ricardo Resende (interino)

14ª rodada do Campeonato Brasileiro

Estádio: Ressacada
Horário: 16h
Árbitro: Paulo Roberto Alves Júnior (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (PR)
VAR: Adriano Milczvski (PR)
TV: Globo e pay-per-view
Cruzeirenses pendurados: Ariel Cabral e Rodriguinho

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade