Publicidade

Estado de Minas COPA DO BRASIL

Cruzeiro aposta tudo contra o Inter no primeiro duelo das semifinais

Primeiro duelo das semifinais da Copa do Brasil com o Internacional é crucial para o Cruzeiro tentar a volta por cima e se afastar da crise que ameaça o time e o cargo do técnico


postado em 07/08/2019 04:00 / atualizado em 06/08/2019 21:29

Sob pressão, Mano Menezes tem a seu favor a experiência de dois títulos consecutivos pela Raposa na competição: treinador vive Dia D(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 17/7/19)
Sob pressão, Mano Menezes tem a seu favor a experiência de dois títulos consecutivos pela Raposa na competição: treinador vive Dia D (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press - 17/7/19)


Copeiro, cascudo, experiente, frio. O Cruzeiro tentará hoje, às 21h30, no Mineirão, fazer jus mais uma vez a todos esses adjetivos, que também cabem para o técnico Mano Menezes. Nada melhor que alguém nascido no Rio Grande do Sul para encarar o Internacional, adversário nas semifinais da Copa do Brasil – o jogo de volta será em 4 de setembro, em Porto Alegre. O duelo é fundamental para a Raposa, atual bicampeã do torneio, mas que atravessa o pior momento na temporada, tanto dentro quanto fora de campo – uma derrota, ainda que não represente a eliminação, fará aumentar a temperatura no clube, que convive com problemas financeiros, denúncias contra a diretoria e vice-presidente de futebol afastado.

Pode-se dizer que a Raposa se tornou mais “gaúcha” desde a chegada do treinador de Passo do Sobrado, principalmente a partir de 2017, quando pela primeira vez pôde começar a temporada. Em 2015 e quando voltou, em 2016, teve de trabalhar com as peças que tinha e atuar para salvar a equipe do rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

As duas últimas campanhas vitoriosas no mata-mata nacional foram conquistadas com muita raça e também emoção, incluindo disputa de pênaltis. Nas quartas de final de 2017, chegou a abrir 3 a 0 sobre o Palmeiras, em São Paulo, mas cedeu empate. Na volta, perdia por 1 a 0 até 39min do segundo tempo, quando o lateral-esquerdo Diogo Barbosa empatou de cabeça e garantiu a vaga. Nas semifinais, o sofrimento foi ainda maior: precisou das penalidades para eliminar o Grêmio e chegou ao título também sendo mais eficiente nos tiros livres a 11m do gol na final contra o Flamengo.

No ano passado, também precisou da disputa de pênaltis para eliminar o Santos e chegar às semifinais, nas quais sofreu para assegurar empate por 1 a 1 no jogo de volta com o Palmeiras, depois de vitória fora de casa na ida. Ao menos a final foi mais tranquila, com duas vitórias sobre o Corinthians.

Neste ano o panorama não se alterou. Nas oitavas de final, passou pelo Fluminense também nos pênaltis. Já para chegar às semifinais, fez 3 a 0 no jogo de ida contra o Atlético, mas os 2 a 0 na volta deixaram o torcedor de cabelo em pé.

Agora, tenta levar alguma vantagem para o duelo de volta para não sofrer tanto. “Escolhi algumas linhas diferentes e fui criticado por isso. Tem sido custoso marcar gol. E quando isso acontece, você não pode sofrer gol. Estamos preocupados, pois as vitórias têm sido esporádicas, em cima de algumas coisas diferentes que estamos fazendo. Foi assim no primeiro clássico (com o Atlético), mas depois não funcionou”, diz Mano Menezes, que quer a vantagem hoje, “mínima que seja”, até para não ter o cargo ameaçado – a equipe está há sete jogos sem balançar as redes e, para piorar, amarga a zona de rebaixamento no Brasileiro.

VONTADE Os jogadores sabem da pressão e prometem dar a resposta. “Precisamos voltar a vencer e não tem hora melhor que nesta quarta-feira. Vencendo em casa, diante do nosso torcedor, vamos ter uma confiança a mais para a sequência”, declara o atacante Pedro Rocha. “Já entendemos que depois desta quarta-feira as coisas vão melhorar”, argumenta o armador Robinho, que se diz 100% fisicamente, recuperado de dor na panturrilha esquerda.

Algumas novidades podem aparecer na escalação. Uma delas é a entrada de Dodô no lugar de Egídio na lateral esquerda. Já no ataque, Fred pode ficar no banco, com o time mais uma vez jogando sem centroavante ou tendo Sassá como referência.

MANO CONTRA OS CONTERRÂNEOS (*)
20
jogos
 
5
vitórias
 
10
empates
 
5
derrotas
(*) À frente do Cruzeiro contra Grêmio e Internacional


O ADVERSÁRIO
Rival embalado
Entre os primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, pelo qual poupou titulares no fim de semana, e classificado às quartas de final da Copa Libertadores, o Internacional vem a Belo Horizonte em situação oposta à do Cruzeiro. Isso não significa, porém, que o time espere tranquilidade no duelo, principalmente no jogo de hoje. “O Cruzeiro é um clube de tradição, de camisa, que se dispõe, vai lá e faz, se entrega, mostra raça, é futebol de bola no pé. São 11 contra 11. Queremos fazer nossa parte. Sabemos do que o Inter é capaz. Há milhões de colorados que confiam em nós. Daremos nosso melhor”, diz o goleiro Marcelo Lomba. O técnico Odair Hellmann não poderá contar com D’Alessandro, suspenso.


FICHA TÉCNICA
Cruzeiro x Internacional
  • Cruzeiro: Fábio; Orejuela, Dedé, Leo e Egídio (Dodô); Henrique, Ariel Cabral, Robinho, Thiago Neves e Marquinhos Gabriel; Pedro Rocha (Sassá) Técnico: Mano Menezes

  • Internacional: Marcelo Lomba; Bruno, Rodrigo Moledo, Victor Cuesta e Uendel; Rithely, Edenílson, Nico López, Nonato e Patrick; Paolo Guerrero Técnico: Odair Hellmann
  • Jogo de ida das semifinais da Copa do Brasil

  • Estádio: Mineirão

  • Horário: 21h30

  • Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)

  • Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis (SP)

  • VAR: Bráulio da Silva Machado (SC)

  • TV: Globo, SporTV e pay-per-view

  • Cruzeirenses pendurados: Egídio e Robinho
 
 


Publicidade