Publicidade

Estado de Minas

Ouro inédito

Brasil festeja primeiro lugar no cavalo com alça, mas se frustra com prata nas argolas, já que Zanetti era favorito. Handebol feminino vira em cima da Argentina e fatura hexacampeonato


postado em 31/07/2019 04:09

"Meu sonho era ter uma medalha individual e veio esta recompensa com esta medalha histórica" Chico Barretto, ginasta (foto: LUIZ ACOSTA/AFP)


A ginástica artística continua rendendo medalhas históricas para o Brasil no Pan-Americano de Lima. Ontem, com bela exibição no cavalo com alça, Chico Barretto ficou com o primeiro ouro do país no aparelho em todos os tempos nos Jogos. Já Arthur Zanetti não repetiu a apresentação perfeita nas argolas, acabou com a prata – atrás do mexicano Fabián de Luna – e não escondeu a decepção.

Hoje, o Brasil tem chance de voltar ao pódio de novo na modalidade, já que disputa individualmente em vários aparelhos. Flávia Saraiva, por exemplo, estará na final do solo, que é a especialidade dela. Chico Barretto estará na dsputa nas barras paralelas e na barra fixa.

“Meu sonho era ter uma medalha individual e veio esta recompensa com esta medalha histórica. O melhor resultado antes era um bronze no cavalo. Agora vou para as provas de barra fixa e paralelas, e isso tira 50% do peso. Se a medalha vier novamente, será reconhecimento ao esforço”, comenta Chico.

Já Zanetti parecia não se perdoar pelos pequenos erros cometidos em sua apresentação: “Um dever foi cumprido, que era o dever da equipe. Mas o dever pessoal não. Não tenho motivo para ficar satisfeito”.

Noite de brlho também no levantamento de peso, com o tricampeonato pan-americano de Fernando Saraiva Reis, na categoria acima de 109kg.

IMBATÍVEIS  A Seleção Brasileira Feminina de Handebol mostrou, mais uma vez, não ter adversárias à altura no continente americano. No melhor jogo da modalidade em Lima, como era esperado, venceu a Argentina de virada, por 30 a 21, e conquistou a medalha de ouro.

Foi o sexto título pan-americano consecutivo da equipe feminina do Brasil, que não perde, nos Jogos, há 24 anos. Com o resultado, a Seleção garantiu também vaga na Olimpíada de Tóquio’2020. 

O Poliesportivo 1 estava lotado, com muitos atletas brasileiros de outras modalidades na arquibancada. O destaque do time brasileiro foi a goleira Renata, de 20 anos.

Bronzes O Brasil encerrou a sua participação no vôlei de praia com uma medalha de bronze. Na disputa pelo terceiro lugar da chave feminina, Ângela e Carol Horta derrotaram as cubanas Maylen Delís e Leila Martínez por 2 a 0 – 21/19 e 21/18. 

Com uma campanha perfeita até a classificação às semifinais (quatro vitórias e nenhum set perdido), Ângela e Carol falharam na busca pela vaga na decisão, quando perderam para as norte-americanas Karisse Cook e Jace Pardon por 2 a 0. 

Pois elas conseguiram se recuperar para, pelo menos, garantir o bronze. Com a medalha de Ângela e Carol Horta, o Brasil passa a somar 12 pódios no vôlei de praia no Pan, sendo cinco de ouro, três de prata e quatro de bronze.

Ainda ontem, o brasileiro Roberto Schmits ficou com o bronze no tiro, pela fossa olímpica masculina, superado pelos americanos Derek Haldeman (ouro) e Brian Burrows (prata). Foi a segunda vez que ele terminou em terceiro lugar em Pan-Americanos.


BRASIL NO PAN

Hoje

Ginástica artística
15h Salto masculino – final (Luís Porto)
15h Trave de equilíbrio – final (Flávia Saraiva)
16h20 Barras paralelas – final (Chico Barretto e Caio Souza)
16h20 Solo feminino – final (Flávia Saraiva e Thaís Santos)
17h10 Barra fixa – final (Arthur Nory e Chico Barretto)

Hipismo
11h Adestramento – final

Nado artístico
14h Rotina livre(dueto) – final
22h30 Rotina livre (equipe) – final

Tênis
16h Duplas feminino – oitavas de final (Carolina Meligeni/Luisa Stefani)
21h Duplas mistas – oitavas de final (João Menezes/Luisa Stefani)

Vôlei masculino
22h30 Brasil x México


Publicidade