Publicidade

Estado de Minas

"Fazer um jogo intenso"

Invicto com o Cruzeiro na competição, armador Marquinhos Gabriel promete postura agressiva, mas de olho no equilíbrio. Com desgaste muscular, Robinho deve ficar no banco


postado em 30/07/2019 04:12

Marquinhos Gabriel projeta um time mais ofensivo no Gigante da Pampulha, sem descuidar da defesa(foto: GLADYSTON RODRIGUES/EM/D.A PRESS - 6/6/19)
Marquinhos Gabriel projeta um time mais ofensivo no Gigante da Pampulha, sem descuidar da defesa (foto: GLADYSTON RODRIGUES/EM/D.A PRESS - 6/6/19)


Um dos setores que mais vêm preocupando no Cruzeiro, o ataque tem o desafio de acabar com sequência ruim hoje para que a equipe não dependa das defesas de Fábio na disputa de pênaltis para avançar às quartas de final da Copa Libertadores contra o River Plate. O time celeste não balança as redes há cinco jogos. Depois da retomada das disputas pós-Copa América, só marcou três vezes, todas na goleada sobre o Atlético, no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

A série é igual aos piores jejuns de sua história, repetindo os anos de 1921, 1939 e 1992. Para não superar a incômoda marca, a promessa é de um time mais ofensivo, ainda que cerebral, e que consiga aproveitar as chances que surgirem.

Conhecido por gostar que suas equipes se preocupem primeiro em defender, o técnico Mano Menezes chegou a brincar com a situação na semana passada. “Vou contar uma piada para vocês, pois estou de aniversário: na terça-feira nós vamos atacar os caras”, disse ele, quando completou três anos ininterruptos à frente da Raposa, em vídeo divulgado na internet e gravado para uma emissora de rádio de Belo Horizonte.

Os jogadores também apostam na postura ofensiva hoje. Mas alertam para a necessidade de ser equilibrado, não se descuidando da defesa. “Cada jogo tem sua característica. No primeiro, lá na Argentina, a equipe deles teve de propor mais o jogo, foi um pouco mais agressiva, e a gente fez um bom jogo defensivamente. Precisávamos segurar o ímpeto deles. Agora, é fazer nossa parte aqui. Vamos procurar fazer um jogo intenso, agressivo no ataque, para a gente conseguir essa classificação. Sabemos que sofremos um pouquinho lá no primeiro tempo, mas no segundo a gente encaixou melhor a marcação, saímos em alguns contra-ataques, mas aqui vamos trabalhar para adiantar a equipe e tentar fazer um gol”, disse o armador Marquinhos Gabriel.

Ele soma seis partidas na Copa Libertadores. E o Cruzeiro não foi derrotado em nenhuma delas: são cinco vitórias, todas na fase de grupo, e o empate na ida das oitavas de final, contra o River Plate.

O jogador, porém, evita se considerar sortudo ou mesmo amuleto. “Não acredito muito nisso, prefiro acreditar em trabalho. Tem gente que fala que é sorte, mas, na verdade, é trabalho, ele é que dá sustentação dentro de campo”, argumenta o camisa 20, que soma quatro gols com a camisa celeste, todos no Campeonato Mineiro.

DÚVIDA Se Marquinhos Gabriel tem escalação garantida, o técnico Mano Menezes só deve revelar o restante da formação no Mineirão. Ele ainda não pode contar com o lateral-direito Edílson, liberado ontem para trabalhar a parte física depois de se recuperar de estiramento na panturrilha direita, nem com o armador Rodriguinho, que fez cirurgia na região lombar e iniciou a fisioterapia.

A maior dúvida é se Robinho, com desgaste muscular, terá condições de jogo. O mais provável é que ele comece no banco de reservas.


Publicidade