Publicidade

Estado de Minas

No G-4, mas faltou caprichar

Mesmo criando oportunidades claras num jogo morno, Atlético esbarra nas falhas de finalização e fica no empate com o Goiás. Técnico alvinegro cobra eficiência ofensiva


postado em 29/07/2019 04:08

Substituto de Ricardo Oliveira, Alerrandro mandou uma bola no travessão, mas voltou a ter atuação apagada(foto: BRUNO CANTINI/ATLÉTICO/DIVULGAÇÃO)
Substituto de Ricardo Oliveira, Alerrandro mandou uma bola no travessão, mas voltou a ter atuação apagada (foto: BRUNO CANTINI/ATLÉTICO/DIVULGAÇÃO)


A chance do Atlético de chegar a três vitórias seguidas como visitante no Brasileiro parou ontem no travessão e na falta de capricho nas finalizações. A equipe do técnico Rodrigo Santana chegou a criar chances, mas não conseguiu sair do empate sem gols com o Goiás, no Serra Dourada, pela 12ª rodada do Brasileiro. Com o resultado, o Galo não perdeu a quarta colocação, com 21 pontos, mas viu alguns rivais, como São Paulo e Internacional, se aproximarem, além de ficar mais distante do novo líder, Santos, que abriu oito pontos de vantagem.

Agora, o Atlético se prepara para três jogos seguidos no Independência. Quarta-feira, às 21h30, o Galo tenta confirmar a classificação contra o Botafogo, pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Na ida, os mineiros venceram por 1 a 0 e se classificam com vitória ou empate. Pelo Brasileiro, tem pela frente o clássico contra o Cruzeiro domingo, às 19h, e duelo com o Fluminense, em 10 de agosto, ambos no Horto.

“Tivemos a vantagem do gol fora de casa, mas o resultado está aberto. Em decisão, a margem de erro tem que ser pequena. E no fim de semana tem mais um clássico. Não tem jogo fácil, pressão jogo a jogo. Mas, primeiro, preciso pensar no Botafogo”, afirmou o técnico Rodrigo Santana.

Ontem, mesmo com duelo decisivo contra os cariocas pela frente, o treinador não poupou seus principais jogadores. As mudanças foram as entradas do paraguaio Ramón Martínez na vaga de Jair e de Alerrandro, substituindo Ricardo Oliveira. Em campo, o Atlético demorou a se encontrar e só ameaçou o gol de Tadeu na reta final do primeiro tempo. Aos 32min, Chará chutou cruzado, com perigo. Na sequência, o Goiás respondeu com Daniel Guedes, em chute forte de fora da área, que também foi para fora.

A falta de pontaria e de criatividade dos dois times deixou a partida morna. Até os 20min do segundo tempo, anfitrião e visitante haviam dado apenas um chute no gol – defendido por Cleiton, no início da etapa final. Rodrigo Santana tentou mudar o setor criativo, com a entrada de Geuvânio e Luan. O Galo até evoluiu e perdeu as melhores chances quase em sequência: primeiro aos 18min, com Chará sendo bloqueado por Yago e, aos 26min, com Alerrandro chutando forte da marca do pênalti. A bola explodiu no travessão e em cima da linha da meta. Nos minutos finais, Santana mandou a campo Papagaio. Nos acréscimos, Chará chutou cruzado, mas a bola passou na frente do atacante, que não conseguiu chegar para concluir.

POSITIVO Rodrigo Santana avaliou como positivo o resultado no Serra Dourada, mas alertou para a necessidade de caprichar mais para marcar gols. “No início do jogo, a gente não tinha encaixado a marcação. A partir dos 25 minutos, equilibramos a partida. No segundo tempo, encaixamos marcação e tivemos chances mais claras de gol. Poderia até sair com a vitória pelo segundo tempo”, afirmou. “A gente precisa ser mais agressivo na fase final do jogo. No último terço do campo, a gente precisa ser mais decisivo, escolher as melhores opções para fazer mais gols”, avaliou. Chances desperdiças foram também a tônica do 2 a 2 com o Fortaleza pela rodada anterior.

Sem tempo para descanso, o Atlético treina hoje à tarde na Cidade do Galo para a partida decisiva contra o Botafogo.


FICHA TÉCNICA
GOIÁS 0 X 0 ATLÉTICO
Goiás: Tadeu; Daniel Guedes, Yago, Rafael Vaz e Jefferson; Geovane, Leo Sena (Yago Felipe 23 do 2º) e Marlone (Giovanni Augusto 21 do 2º); Michael, Kayke (Rafael Moura 29 do 2º) e Leandro Barcia
Técnico: Claudinei Oliveira
Atlético: Cleiton; Patric, Igor Rabello, Réver e Fábio Santos; Ramón Martínez; Chará, Elias, Vinícius (Luan 23 do 2º) e Otero (Geuvânio 16 do 2º); Alerrandro (Papagaio 36 do 2º)
Técnico: Rodrigo Santana
12ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Serra Dourada
Árbitro: Luiz Flávio de Oliveira (SP)
Auxiliares: Danilo Manis e Anderson José Coelho (SP)
VAR: Rodrigo Amaral (SP)
Cartão amarelo: Yago
Pagantes: 8.410
Renda: R$ 176.890
Próximos jogos (Brasileiro): Cruzeiro (c), Fluminense (c) e Athetico (f)



Publicidade