Publicidade

Estado de Minas

Chance de ouro


postado em 27/07/2019 04:14

Bruno Fratus, nadador do Minas, disputa os 50m livre no Mundial da Coreia do Sul(foto: OLI SCARFF/AFP)
Bruno Fratus, nadador do Minas, disputa os 50m livre no Mundial da Coreia do Sul (foto: OLI SCARFF/AFP)


A natação do Brasil vem colhendo resultados expressivos no Mundial de Esportes Aquáticos disputado em Gwangju, na Coreia do Sul. A equipe do revezamento 4x200m livre garantiu a classificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio’2020, ao bater o recorde sul-americano da prova, e hoje, às 8h (SporTV), o país tem chance de medalha de ouro com Bruno Fratus, nadador do Minas, na prova mais rápida das piscinas, os 50m livre.

O revezamento do 4x200m garantiu a classificação olímpica com o quarteto formado por Luiz Altamir, Breno Correia, João de Lucca e Fernando Scheffer, que marcou o tempo de 7min07s12, nas eliminatórias – foi o sexto melhor –, representando ainda a quebra do recorde sul-americano para a prova. A marca anterior também pertencia ao Brasil, 7min09s71, em 2009.

Na final, no entanto, o time brasileiro não esteve bem, terminando na sétima colocação, à frente apenas da Alemanha, 7min07s65. A medalha de ouro ficou com a Austrália, que cravou 7min00s85. A prata foi para a Rússia (7min01s81), e o bronze para os EUA (7min.01s98).

Bruno Fratus se destacou ontem nas semifinais dos 50m livre ao avançar à final com o segundo melhor tempo (21s53), atrás apenas do norte-americano Caeleb Dressel, que completou a distância em 21s18, a melhor marca do ano.

Fratus venceu sua bateria com performance superior à da eliminatória, quando registrou 21s71. Na mesma série, Marcelo Chierighini terminou em 8º e último, com 22s19. Assim, piorou sua marca, que era de 22s03 na eliminatória, e não conseguiu avançar para a disputa de medalha.

Fratus chegou ao Mundial com o então melhor tempo do ano, mas terá dificuldades em superar Dressel hoje. Atual campeão mundial desta prova, o norte-americano é o grande destaque individual deste campeonato. Ele já faturou quatro medalhas na Coreia do Sul, três delas de ouro. E também bateu o recorde mundial dos 100m borboleta, ainda na semifinal.



Publicidade