Publicidade

Estado de Minas

Um olho em Lima, outro em Tóquio

Brasil entra na disputa do Pan em busca de recorde de medalhas e com a missão de já garantir um bom número de vagas para a Olimpíada do Japão. País fará também testes


postado em 26/07/2019 04:10

Arthur Zanetti, nas argolas, é uma das esperanças brasileiras nos jogos disputados no Peru: abertura oficial das competições será hoje(foto: THOMAS COEX/AFP - 18/8/16)
Arthur Zanetti, nas argolas, é uma das esperanças brasileiras nos jogos disputados no Peru: abertura oficial das competições será hoje (foto: THOMAS COEX/AFP - 18/8/16)


Com dois objetivos, conquistar o máximo de vagas diretas para os Jogos Olímpicos de Tóquio’2020 e bater o recorde de medalhas (157, na Rio’2007), o Brasil entra confiante na disputa dos Jogos Pan-Americanos de Lima’2019, que começam hoje. A abertura será às 20h30, no Estádio Nacional de Lima.

Há uma mudança muito grande quanto ao objetivo, se comparado a Toronto’2014. Se no Canadá a meta era ficar entre os três maiores medalhistas (e de fato terminou em terceiro), agora os olhos estão voltados também para o futuro, o que significa Tóquio’2020, com 78 vagas em disputa.

“A meta do COB para o Pan é a classificação olímpica. Estamos atrás de vagas para os Jogos em algumas modalidades, de forma direta ou através de benefícios que uma boa colocação no Pan pode trazer”, diz Jorge Bichara, diretor de Esportes do Comitê Olímpico do Brasil (COB).

Dos esportes coletivos, apenas o handebol vale vaga para Tóquio. E o Brasil aparece como favorito, principalmente no feminino, já que a Seleção é pentacampeã e busca o hexa. É ouro consecutivamente desde Winnipeg’99. No masculino, o Brasil é o atual campeão e busca o tetra. Outras duas modalidades chamam a atenção por buscar o hexa: o nado artístico e o revezamento 4x100m livre na natação.

Com isso, modalidades pouco populares ganham maior importância. Futebol, vôlei e o basquete não darão vagas na Olimpíada. 

No vôlei, por exemplo, o Brasil disputará com equipes “B”, priorizando os Torneios Pré-Olímpicos, programados para agosto. O feminino será em Uberlândia, de 1º a 3, quando a Seleção Brasileira terá como adversárias de seu grupo Camarões, Azerbaidjão e República Dominicana. No masculino, de 9 a 11, na Bulgária, o time nacional está numa chave com os donos da casa, Egito e Porto Rico.

No caso do futebol, a incompetência e o regulamento da Conmebol deixaram o Brasil de fora. No masculino, a Seleção Brasileira fracassou na disputa do Sul-Americano Sub-20. O Brasil (ouro em 1963, 1975, 1979 e 1987; prata em 1959 e 1983; e bronze em 1983 e 2015) tinha equipe com jogadores promissores, como Rodrygo (ex-Santos) e Lincoln (Flamengo), mas ficou em quinto lugar no hexagonal final. Equador, Argentina e Uruguai se classificaram.

Se houve fracasso por parte dos homens, no feminino o regulamento da Conmebol tirou Marta, Cristiane e outras jogadoras da competição, já que a Seleção Brasileira fica fora da disputa por já ter vaga na Olimpíada japonesa por ter vencido a Copa América em 2018.

BASQUETE  Já o basquete masculino, medalha de ouro quatro anos atrás, em Toronto, não poderá defender o título graças a uma campanha ruim na Copa América 2017, em que não conseguiu ficar entre os sete primeiros colocados que garantiram presença no torneio.

A equipe feminina, que tem treinador estreante, o experiente José Neto, ex-técnico do Flamengo, tentará voltar ao pódio. Completa o Grupo A, com Canadá, Porto Rico e Paraguai. O Grupo B terá EUA, Colômbia, Argentina e Ilhas Virgens. Na história do Pan, as brasileiras ocupam a segunda posição no quadro de medalhas, com três de ouro, quatro de prata e quatro de bronze.

Nestes Jogos Pan-Americanos o Brasil se espelhará nos Estados Unidos e Canadá, que veem a competição como oportunidade de observar novos talentos, pelo menos em esportes que não valem a classificação para a Olimpíada. (Com agências)

Recorde
487
atletas (251 homens, 236 mulheres) terá o Brasil

49
modalidades eles disputarão
6.690
competidores de 41 países


O dia no pan

Patinação artística
Bruna Wurtz e Gustavo Casado

Rúgbi
10h40 Brasil x Peru (Feminino)
11h30 Brasil x Chile (Masculino)

Vôlei de praia
11h Brasil (Ângela Rebouças/ Carol Horta) x México (Zatan Orellana/Martha Revuelta)
13h Brasil (Oscar Brandão/ Thiago Dealtry) x Cuba (Sergio González/Luis Reyes)

Resultados
Quarta-feira
Handebol feminino
Brasil 29 x 20 Cuba

Vôlei de praia
Masculino
Brasil (Oscar Brandão/Thiago Dealtry) 2 x 0 Costa Rica (Sebastian Valenciano/Victor Alpizar)
Feminino
Brasil (Ângela Rebouças/Carol Horta) 2 x 0 Ilhas Virgens (Melanie Valenciana/Mannika Charles)

Ontem
Boliche
Duplas masculinas
Bruno Costa/Marcelo Suartz (terminaram em 13º na etapa de classificação)

Vôlei de praia
Masculino
Brasil (Oscar Brandão/Thiago Dealtry) 2 x 0 Uruguai (Marco Cairus/Mauricio Vieyto)

Feminino
Brasil (Ângela Rebouças/Carol Horta) 2 x 0 Chile (Maria Rivas/Maria Margones)

Squash
Brasil (Pedro Mometto) 1 x 3 Canadá (Shawn Deliere
Brasil (Diego Gobbi) 2 x 3 Guatemala (Alejandro Franco)


Publicidade