Publicidade

Estado de Minas

Sueca no comando da Seleção


postado em 25/07/2019 04:08

Sundhage deve ser anunciada hoje pela CBF como substituta do demitido Vadão(foto: André Ringuette/AFP - 20/6/15)
Sundhage deve ser anunciada hoje pela CBF como substituta do demitido Vadão (foto: André Ringuette/AFP - 20/6/15)


A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) deve anunciar hoje a sueca Pia Sundhage, de 59 anos, como a nova treinadora da Seleção Brasileira feminina, em substituição ao demitido Vadão. Bicampeã olímpica com os EUA, ela estava dirigindo a categoria Sub-16 de seu país.

Segundo a repórter Gabriela Moreira, do site globoesporte.com, Sundhage vai ter atuação abrangente, com ascendência também sobre as categorias de base brasileira. A aproximação entre a sueca e o presidente da CBF, Rogério Caboclo, teve início em abril, quando ela esteve no Rio participando de seminário sobre futebol feminino na sede da entidade. Na ocasião, Sundhage demonstrou interesse em comandar, futuramente, a Seleção, pois seu vínculo com a Associação Sueca de Futebol ia até o fim do ano. De toda forma, deixou a porta aberta e, após a eliminação do Brasil nas oitavas de final da Copa da França, foi procurada para abrir negociação.

A treinadora deve assinar contrato de longa duração com a CBF, para promover uma reformulação no futebol feminino do país. Ela é uma das referências no setor, já que além das duas medalhas de ouro olímpicas com a Seleção Norte-Americana (Pequim’2008 e Londres’2012) tem uma prata com a Suécia nos Jogos do Rio’2016, quando perdeu a final para a Alemanha – foi a responsável por eliminar o Brasil nas semifinais, vencendo por 4 a 3 nos pênaltis depois de 0 a 0 no tempo regulamentar.

CARREIRA Ex-jogadora, Pia Sundhage atuou por seis clubes na carreira e pela Seleção da Suécia. Fez parte do grupo que terminou em terceiro lugar na Copa do Mundo de 1991, a primeira organizada pela Fifa. Marcou 71 gols em 146 jogos.

Ganhou projeção ao assumir como treinadora dos EUA em 2008. Em 107 partidas no comando das norte-americanas, somou 91 vitórias, 10 empates e apenas seis derrotas. Saiu em 2012 para assumir a Seleção Sueca.



Publicidade