Publicidade

Estado de Minas

Aposta no DNA

Atlético tenta reeditar nesta tarde, diante do Fortaleza, no Horto, intensidade do clássico contra o Cruzeiro para permanecer no G-4


postado em 21/07/2019 04:16

Velocidade de Cazares será essencial para ditar o ritmo do Galo contra os cearenses, no Independência(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Velocidade de Cazares será essencial para ditar o ritmo do Galo contra os cearenses, no Independência (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Intensidade no ataque, dinâmica no passe e marcação sob pressão têm sido conceitos exigidos no dia a dia do Atlético desde que Rodrigo Santana assumiu como treinador. A vitória diante do Cruzeiro por 2 a 0, quarta-feira – insuficiente para a classificação às semifinais da Copa do Brasil – foi uma amostra do que o treinador deseja do time até o fim do ano, resgatando o DNA alvinegro, baseado no estilo “Galo Doido”. Hoje, contra o Fortaleza, às 16h, no Independência, pela 11ª rodada do Campeonato Brasileiro, o desafio é justamente fazer a equipe imprimir essa ousadia diante da torcida, ainda que sem a motivação natural de um clássico ou de uma decisão de mata-mata.

Para dar uma resposta ao torcedor, que ficou chateado com a eliminação para o maior rival, Santana escala o Galo com força máxima e pede total comprometimento do grupo. Diferentemente de outros clubes, que claramente vão priorizar determinada competição, o Galo promete levar o Brasileiro e a Copa Sul-Americana com a mesma seriedade.

O treinador afirma que os atletas mais dinâmicos estarão em vantagem na luta pela titularidade: “Nossa ideia é criar um time de alta intensidade. É o que vou cobrar daqui pra frente. Tivemos tempo para treinar isso na pausa do Brasileiro. Espero que o grupo todo entenda que essa intensidade vai ser exigida. Até os que não são intensos vão precisar disso para estar jogando”.

Diante do Cruzeiro, ele optou pela entrada do volante Jair no lugar de Zé Welison e do armador Otero na vaga de Luan para desestabilizar as linhas de defesa do adversário. A dupla foi essencial para tirar a posse de bola celeste e dar mobilidade ao setor ofensivo alvinegro. Nesta tarde, contudo, Rodrigo Santana não garante os dois no time titular, por causa de desgaste físico, pois eles não vinham atuando com frequência – o volante foi reserva na maioria dos jogos desta temporada e o armador estava no futebol árabe, onde o ritmo é menos intenso, e ficou quase um mês de férias.

Dessa forma, um dos que podem começar a partida contra os nordestinos é o armador Geuvânio, que entrou no segundo tempo do clássico e foi elogiado por Santana. Geuvânio reforça o discurso da comissão técnica e avisa que é preciso dar intensidade à equipe em todos os jogos: “A expectativa está la em cima. Estou muito tranquilo, entrando nos jogos e tentando mostrar meu futebol para aproveitar as oportunidades. Independentemente se é clássico ou não, temos que entrar ligados para buscar a vitória sempre”.

A tarde será de homenagens ao ex-volante Adilson, que anunciou a aposentadoria dos gramados depois de detectar problema sério no coração. Ele entrará em campo com os jogadores e dará o pontapé inicial na partida, além de receber placa especial da diretoria. Os integrantes da comissão técnica usarão uma camisa com o número 21, o mesmo do ex-jogador no período em que atuou pelo Galo. Em 99 jogos pela equipe, Adilson marcou dois gols e foi campeão mineiro de 2017.

SUL-AMERICANA NA MIRA A campanha do Fortaleza na Série A surpreende até dirigentes e torcedores do clube. Embalado pelas vitórias em casa sobre Cruzeiro (2 a 1), antes da pausa para a Copa América, e Avaí (2 a 0), na rodada passada, o time de Rogério Ceni pode entrar na zona da Sul-Americana nesta tarde. Ele terá pelo menos dois desfalques: os atacantes Edinho (que pertence ao Galo e não joga por cláusula contratual) e Osvaldo (machucado).

Atlético
Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Zé Welison, Elias, Cazares, Luan (Geuvânio) e Chará; Alerrandro
Técnico: Rodrigo Santana

Fortaleza
Felipe Alves; Gabriel Dias, Quintero, Roger Carvalho e Carlinhos; Juninho, Araruna e Marlon; Romarinho, Wellington Paulista e André Luís
Técnico: Rogério Ceni

11ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Independência
Horário: 16h
Árbitro: Edina Alves Batista (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Neuza Inês Back (SP)
VAR: Paulo Robero Alves Júnior (PR)
Atleticanos pendurados: Zé Welison e Patric
TV: Globo

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade