Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Operação policial apimenta o clássico

Polícia Civil cumpre 16 mandados de busca e apreensão atrás de provas dos supostos crimes praticados pela cúpula do Cruzeiro, que lamentou tal ação a dois dias do jogo contra o Galo


postado em 10/07/2019 04:09

Cerca de 100 policiais civis participaram da operação Primeiro Tempo e vasculharam a sede administrativa do Cruzeiro, entre outros locais, na busca de provas que ajudem na investigação(foto: Fotos: Jair Amaral/EM/D.A Press)
Cerca de 100 policiais civis participaram da operação Primeiro Tempo e vasculharam a sede administrativa do Cruzeiro, entre outros locais, na busca de provas que ajudem na investigação (foto: Fotos: Jair Amaral/EM/D.A Press)


As campanhas de Cruzeiro e Atlético no primeiro semestre ficaram para trás e as equipes parecem ter trocado de lugar às vésperas de voltar a competir na temporada, justamente com um clássico que começa a disputa por vaga nas quartas de final da Copa do Brasil, nesta quinta-feira, às 20h, no Mineirão. Campeão mineiro em cima do maior rival, dono da segunda melhor campanha na fase de grupos da Copa Libertadores e tendo a defesa mais sólida do país, a Raposa caiu absurdamente de rendimento em campo ao mesmo tempo em que atravessa turbulência fora dele. Ontem, o Departamento Estadual de Investigação de Fraudes da Polícia Civil cumpriu mandados de busca e apreensão nas casas do presidente Wagner Pires de Sá, do vice-presidente de futebol Itair Machado e do diretor-geral Sérgio Nonato e também na sede administrativa da Rua Timbiras e nas Tocas da Raposa I e II. Já o Galo, mesmo eliminado de forma vexatória na competição continental e tendo perdido o Estadual, conseguiu se reinventar, faz boa campanha no Campeonato Brasileiro e navega em mares bem mais calmos.

Tudo isso certamente terá influência no desempenho das duas equipes no jogo de amanhã. Resta saber se será suficiente para determinar o vencedor – o jogo de volta está marcado para quarta-feira que vem, às 19h15, no Independência. Quem vencer o primeiro embate jogará pelo empate no segundo. Em caso de dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols, a vaga será decidida nos pênaltis.

Dos dois lados, porém, o discurso é de confiança, mas também de respeito. Até porque todos garantem que não haverá interferência do extracampo. “Não vai interferir nem um pouco, pois a gente está com pensamento no Atlético desde o sorteio (em junho). Estamos mobilizados. O torcedor está com a gente. O dia (de ontem) foi difícil, mas o torcedor quer saber é de quinta-feira. E os dois jogos são mais importantes do que o que está ocorrendo no clube”, diz o armador cruzeirense Thiago Neves, que revelou que o atraso de salários faz parte do passado – os vencimentos de junho foram quitados na segunda-feira – e que o momento é de pensar só no jogo. “Em clássico você faz preparação especial, sempre fiz. Em 10 dias de folga fiz sete de treinos seguidos. Estou no auge da minha forma e quando me sinto assim fico muito confiante. Por tudo que fizemos nos treinamentos, estamos prontos (para vencer o rival).”

Pelo lado do Atlético a opinião é a mesma. “Sinceramente, não acho que isso (o caos administrativo no Cruzeiro) interfira em nada para quem vai jogar. Eles vão entrar com a força máxima deles, querendo o resultado positivo. Isso (a crise) está fora do campo e eles vão se concentrar apenas na partida”, afirma o zagueiro Igor Rabello, que garante que o Galo também está pronto para fazer o melhor amanhã. “Estamos muito motivados, classificados na Copa do Brasil, na Sul-Americana e bem no Brasileiro. O grupo tem esse espírito de união. É um jogo importante em que precisamos estar concentrados, porque nosso objetivo é sair com a vitória.”
 
  
POLICIAIS VASCULHAM SEDE DE ORGANIZADA

A investida das autoridades sobre dirigentes do Cruzeiro e empresários que têm ou tiveram negócios com o clube faz parte da Operação Primeiro Tempo, deflagrada pela Divisão Especializada de Investigação de Fraudes da Polícia Civil, com a participação de cerca de 100 policiais, entre delegados, investigadores, escrivães e peritos, que utilizaram 30 viaturas. Ela é sequência da investigação para apurar denúncias de que a administração do clube cometeu crimes como falsificação de documentos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro, feitas pela Rede Globo em 26 de maio.

Segundo nota oficial publicada pela Polícia Civil, foram apreendidos diversos documentos, computadores, celulares e outros equipamentos nos locais visitados – além das sedes do clube, das casas do presidente, do vice-presidente e do diretor-geral, a polícia foi à sede da torcida organizada Máfia Azul.

A denúncia mais grave sobre os dirigentes celestes é sobre empréstimo de R$ 2 milhões feito pelo empresário Cristiano Richard dos Santos Machado – cuja residência também foi vistoriada pelos policiais –, sócio de firmas que atuam na locação de veículos e de equipamentos de proteção. Como garantia do débito, o clube teria incluído parte de direitos de jogadores, incluindo um de apenas 12 anos, que, pelas leis trabalhistas, só poderá assinar vínculo laboral a partir dos 16. Assim, o clube pode ser punido na esfera desportiva pela Fifa e pela CBF, inclusive com rebaixamento.

Também através de nota, a diretoria celeste garantiu que “entregou às autoridades toda a documentação solicitada para a investigação” e que “continuará à disposição das autoridades competentes para quaisquer tipos de outros esclarecimentos necessários”. Porém, lamentou que a operação “esteja acontecendo exatamente às vésperas de uma decisão importante na Copa do Brasil”.


À espera do apito final 
A operação Primeiro Tempo, deflagrada ontem pela Polícia Civil de Minas Gerais em busca de provas sobre as suspeitas de falsificação de documentos, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro realizadas por dirigentes do Cruzeiro, era esperada por todos que querem que a verdade venha à tona desde quando as denúncias foram feitas pelo programa Fantástico, da Rede Globo, em 26 de maio. A investigação já estava em curso na data em que a matéria foi ao ar e, somente agora, 44 dias depois, cerca de 100 policiais apreenderam documentos e computadores nas casas dos membros da cúpula celeste, em todas as sedes do clube e no prédio da Torcida Organizada Máfia Azul. Fica a torcida para que essas apreensões ainda sejam de grande valia para a investigação.


Publicidade