Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Festa americana de novo

Seleção dos Estados Unidos confirma favoritismo e conquista o tetra na França diante da Holanda. Equipe encerrou a campanha com 100% de aproveitamento em sete partidas


postado em 08/07/2019 04:06

Rapinoe abriu o placar no 2 a 0 diante das holandesas, saiu como artilheira da competição e foi eleita a melhor jogadora(foto: PHILIPPE DESMAZES/AFP)
Rapinoe abriu o placar no 2 a 0 diante das holandesas, saiu como artilheira da competição e foi eleita a melhor jogadora (foto: PHILIPPE DESMAZES/AFP)


Os Estados Unidos confirmaram o favoritismo ontem e derrotaram a Holanda por 2 a 0, em Lyon, no Mundial Feminino da França. O resultado garantiu à equipe norte-americana o inédito tetracampeonato na competição. Os dois gols do título saíram no segundo tempo. Rapinoe, de pênalti, após intervenção do árbitro de vídeo (VAR), e Lavelle marcaram.

As americanas encerram a Copa do Mundo vencendo os sete jogos que disputaram: Tailândia (13 a 0), Chile (3 a 0), Suécia (2 a 0), Espanha (2 a 1), França (2 a 1), Inglaterra (2 a 1) e Holanda (2 a 0).

O quarto título ratifica a hegemonia americana no futebol feminino. Campeões em 1991, 1999, 2015 e, agora em 2019, os EUA ainda acumulam um vice-campeonato (2011), e três terceiros lugares (1995, 2003 e 2007). Ou seja, desde que a modalidade feminina passou a ser disputada, o pior resultado americano nas oito edições foi a medalha de bronze.

Atual campeã da Eurocopa, a Holanda disputou apenas o seu segundo Mundial. Em 2015, no Canadá, o país acabou eliminado pelo Japão, nas oitavas de final.

No duelo em Lyon, as norte-americanas dominaram o primeiro tempo. Com uma postura agressiva e em busca da vantagem no placar desde o começo, transformaram a goleira holandesa Van Veenendaal na principal jogadora em campo, com pelo menos quatro defesas importantes.

Preocupadas em não sofrer o gol logo nos primeiros minutos da final, as holandesas optaram por uma formação mais defensiva, cautelosa, deram a posse de bola às americanas e focaram em preencher os espaços no setor defensivo.

O primeiro grande lance da etapa inicial aconteceu aos 27 minutos. A volante Ertz chutou forte e obrigou Van Veenendaal a praticar uma difícil intervenção. Dez minutos depois, a goleira holandesa faria outras duas boas defesas, após finalizações de Mewis e Morgan. Em seguida, novamente Morgan acertou outro belo chute da entrada da área e Veenendaal se esticou no canto esquerdo para evitar o gol.

No início do segundo tempo, com a intervenção do árbitro de vídeo, os EUA abriram o placar. Aos 12min, Van der Gragt derrubou Morgan dentro da área. A árbitra de campo, Stephanie Frappart (França), que havia marcado apenas escanteio, foi chamada pelo VAR para analisar a imagem na lateral do gramado. Após análise no monitor, marcou pênalti para a Seleção Americana. Na cobrança, Rapinoe abriu o placar.

CONTRA-ATAQUE Em desvantagem, a Holanda deixou a postura defensiva de lado, foi em busca do empate e, no contra-ataque, levou o segundo gol. Aos 23min, Lavelle carregou a bola com liberdade e, da entrada da área, chutou forte no canto esquerdo de Van Veenendaal.

O segundo gol abateu a Seleção da Holanda. Então organizada e disciplinada taticamente, começou a deixar espaços no setor defensivo, permitindo que os EUA chegassem com perigo em busca do terceiro gol, que somente não saiu pelo excessivo capricho americano no momento das finalizações.

Todas as campeãs
Ano  Vices
1991 Estados Unidos Noruega
1995 Noruega Alemanha
1999 Estados Unidos China
2003 Alemanha Suécia
2007 Alemanha Brasil
2011 Japão Estados Unidos
2015 Estados Unidos Japão
2019 Estados Unidos Holanda


Publicidade