Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Início promissor, fim desolador

Seleção Brasileira começa arrasadora na final da Liga das Nações contra os EUA, mas comete erros em excesso nos três sets restantes e não resiste à pressão das rivais


postado em 08/07/2019 04:06

Brasileiras chegaram a abrir 2 a 0 sobre as norte-americanas e caíram de produção a partir da saída de Natália, contundida(foto: CBV/DIVULGAÇÃO)
Brasileiras chegaram a abrir 2 a 0 sobre as norte-americanas e caíram de produção a partir da saída de Natália, contundida (foto: CBV/DIVULGAÇÃO)


A Seleção Brasileira Feminina de Vôlei lutou bastante, esteve perto da inédita conquista da Liga das Nações, mas após abrir 2 sets a 0 acabou parando em uma forte virada dos Estados Unidos. As norte-americanas fecharam a final por 3 sets a 2, com parciais de 25/20, 25/22, 15/25, 21/25 e 15/13, e faturaram o bicampeonato, em Nanquim, na China.

O Brasil buscava sua primeira conquista na competição, que substituiu o Grand Prix no ano passado. As comandadas do técnico José Roberto Guimarães foram superiores nas duas primeiras parciais, porém, abusaram dos erros nos últimos três sets, culminando em um toque de mão na antena que definiu o ponto decisivo da partida, no tie-break.

Para a decisão, Zé Roberto fez apenas uma mudança. Trocou Paula por Lorenne, que foi um dos destaques do time nos dois primeiros sets. As brasileiras começaram a partida com Mara, Natália, que se contundiu e deixou o jogo, Macris, Bia, Lorenne, Gabi e a líbero Leia. Ao longo da final, o treinador colocou em quadra Paula, Tainara, Roberta e Amanda.

Com esta formação, o Brasil começou bem, mas viu as norte-americanas abrirem ligeira vantagem em 14/10 no set inicial. A virada brasileira aconteceu em 17/16. Com uma defesa sólida, a equipe nacional brilhava no bloqueio, surpreendendo as adversárias.

A mesma fórmula deu certo na segunda parcial, com roteiro semelhante. Os Estados Unidos saíram na frente e chegaram a fazer 16/13. O Brasil não se abalou e buscou novamente a igualdade, em 18/18. A virada veio em 22/21 em mais um bloqueio decisivo, antes do fechamento do set.

Com a boa folga conquistada no placar, a Seleção Brasileira perdeu ritmo no início do terceiro set e permitiu ao time americano se arrumar em quadra. Elas abriram 10/7, depois 18/13 e fecharam a parcial com a maior vantagem do jogo: 25/15. Desta vez, foram as brasileiras que pararam no bloqueio.

Depois do susto, o Brasil voltou a atuar com mais atenção no quarto set. Começou na frente e manteve diferença de dois pontos até 11/9. As americanas empataram em 12/12 e passaram a pressionar as jogadas com Gabi, que era a principal aposta ofensiva do Brasil. A tática fez efeito e as brasileiras começaram a cometer erros bobos, por falta de experiência.

Por alguns minutos, o time nacional ficou perdido em quadra, enquanto as americanas abriam vantagem com certa facilidade. Somente na reta final do set o Brasil voltou a se organizar no jogo e diminuiu a vantagem da parcial, fechada pelos EUA.

O inesperado empate forçou a disputa do tie-break. Diante da nova postura dos EUA, mais atentos à estratégia brasileira, Zé Roberto colocou Tainara em quadra. O Brasil abriu dois pontos de vantagem no começo e as americanas responderam com uma virada em 5/4.

Como ocorreu na parcial anterior, o time dos EUA cresceu e passou a ditar o ritmo. Abriu 10/7 e até permitiu breve reação brasileira, em 10/9. Mas falhas infantis e precipatações deixaram as americanas abrir maior vantagem até o match point, definido no desafio eletrônico. No lance, o Brasil tinha a chance de empatar em 14/14. Mas um toque na antena acabou decidindo o jogo e o título.

DIFERENÇA Zé Roberto admitiu que a baixa da ponteira Natália fez a diferença. A experiente jogadora sentiu dor na perna esquerda e deixou a partida ao fim do segundo set. Sem ela, a Seleção perdeu outra importante opção no ataque e acabou sobrecarregando Gabi.

Apesar da derrota, o treinador valorizou a postura da destacou a nova geração como uma das marcas nesta Liga das Nações. “Fico feliz pelas jogadoras jovens que se apresentaram bem. Vamos seguir lutando e trabalhando para os próximos desafios”, projetou Zé Roberto.


Publicidade