Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Preços para lá de salgados


postado em 17/06/2019 04:07

Se o público pequeno acabou favorecendo o fator mobilidade no acesso ao Mineirão, torcedores sofreram com os preços praticados no estádio. Houve reajustes de até 80% em comparação a valores cobrados na Copa do Mundo'2014. Apenas 16 dos cerca de 60 bares estavam abertos. Segundo a organização, a opção se deu justamente pelo baixo fluxo de torcedores.


Os preços também foram inflacionados em relação aos praticados em 2014. O sanduíche pulou de R$ 10 para R$ 18 (reajuste de 80%). O tropeiro, vendido a R$ 15 na Copa'2014, foi oferecido a R$ 20 (aumento de 33,3%). A cerveja, que custava R$ 10 há cinco anos, foi comercializada a R$ 12 (20% a mais), e a que era R$ 13 passou para R$ 14 (7,8% de acréscimo). Os preços dos refrigerantes de 350ml (R$ 8) e a água 500ml (R$ 6) não sofreram alteração.


Em dias de partidas de Cruzeiro e Atlético no Gigante da Pampulha, os preços dos produtos são menores. A água (500ml) é vendida por R$ 5, a cerveja (350ml) por R$ 7 ou R$ 8, e os refrigerantes (350ml) por R$ 6. Já pelo tradicional tropeiro são cobrados R$ 10. O estudante Humberto Dutra reclamou dos preços. "Realmente, é um pouco abusivo. Foge do que a gente está acostumado no Mineirão".

Sem ambulantes

 

Ao contrário do que ocorreu no Mundial, ontem o comércio em volta do estádio funcionou normalmente. Os bares venderam as comidas típicas dos dias de futebol, como tropeiro, churrasquinho, cerveja e refrigerante, mas funcionários da Prefeitura impediram a ação de ambulantes.
(com RD)


Publicidade