Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Galo erra muito e amarga empate

Atlético cria bastante, peca no último passe e nas finalizações e deixa o pelotão de elite após o 1 a 1 com o São Paulo no Horto


postado em 14/06/2019 04:07

Alerrandro foi a novidade no ataque, fez o gol alvinegro e ainda deixou companheiros em chance de marcar: oportunidades perdidas custaram caro ao time em casa(foto: RAMON LISBOA/EM/D.A PRESS)
Alerrandro foi a novidade no ataque, fez o gol alvinegro e ainda deixou companheiros em chance de marcar: oportunidades perdidas custaram caro ao time em casa (foto: RAMON LISBOA/EM/D.A PRESS)


A noite parecia que terminaria de forma promissora para o Atlético, mas os torcedores deixaram o Horto com uma ponta de decepção depois do empate por 1 a 1 com o São Paulo, no último compromisso antes da pausa para a Copa América. Numa partida em que os donos da casa mostraram bom volume de jogo e dominaram as ações ofensivas, o resultado tirou o time alvinegro do grupo dos quatro primeiros colocados do Campeonato Brasileiro, sendo superado no saldo de gols pelo Internacional.

Ainda que o placar tenha desapontado os atleticanos, a equipe se mantém viva nas três competições que disputa. Vai encarar o Cruzeiro nas quartas de final da Copa do Brasil e enfrentará o Botafogo pelas oitavas de final da Copa Sul-Americana. Os jogadores terão agora 10 dias de folga.

A atuação de ontem foi destacada pelo grupo, mas o consenso é de que faltou liquidar o duelo no momento certo: “Fizemos um jogo consistente, mas nossa postura no segundo tempo foi omissa até tomarmos o gol. Ficamos controlando e segurando o placar e só conseguimos jogar depois de tomar o gol. Chegamos muitas vezes na área do São Paulo. É preciso procurar o companheiro melhor colocado e finalizar melhor para que possamos vencer”, ressalta o volante Adílson.

O goleiro Victor admitia estar decepcionado: “Apesar de termos jogado contra uma equipe de tradição, o resultado foi frustrante. Dominamos a maior parte do jogo. Na única falha que tivemos, eles fizeram o gol”. O camisa 1, porém, entende que o Galo faz boa campanha: “Esperávamos fechar próximos da ponta da tabela, mas, com todas as dificuldades, acredito que saímos fortalecidos”.

Uma cena incomum chamou a atenção dos torcedores. O experiente Ricardo Oliveira, de 39 anos, começou pela primeira no banco de reservas atleticano, dando lugar ao jovem Alerrandro, de 19. Apesar de ter marcado 13 gols em 2019, o camisa 9 vive má fase e não balança as redes há 10 jogos. Já o substituto foi um dos melhores no confronto. Ele marcou um gol, fez boas jogadas e deixou companheiros cara a cara com o goleiro. Outro que se destacou foi Patric, bem na cobertura e no apoio ofensivo.

Em mais uma polêmica com a arbitragem, o gol que abriu o placar só foi confirmado depois de consulta de mais de cinco minutos ao árbitro de vídeo Jean Pierre Gonçalves Lima. O lance foi confuso: assinalado impedimento e depois reconsiderado. Na jogada, o camisa 44 deu um corte seco no lateral Reinaldo para mandar de pé esquerdo, vencendo o goleiro Tiago Volpi.

FALHAS Alerrandro chegou aos mesmos 13 gols de Ricardo Oliveira, festejou a atuação, mas considerou o resultado injusto. “Fico feliz pela confiança depositada em mim. Poderíamos ter saído com a vitória”. O técnico Rodrigo Santana foi outro se incomodou com o empate: “Tivemos inúmeras chances de gol, volume grande de jogo, mas pecamos na finalização. Ficamos felizes pela entrega. Eu saio chateado, porque a equipe merecia a vitória. Mas agora é trabalhar para melhorar no segundo semestre”.

O pecado do Atlético foi perder muitas chances no segundo tempo, justamente quando tinha maior volume de jogo e chegava com facilidade à meta adversária. Os donos da casa tropeçavam nos erros de finalização ou pecavam no último passe, algo que tem sido ponto fraco no time. Se o alvinegro não liquidou a partida, em contra-ataque o São Paulo calou o Horto: depois de jogada de Nenê, que havia acabado de entrar, Alexandre Pato se antecipou à defesa atleticana e chutou rasteiro, sem chances para Victor. A partir daí, a ansiedade alvinegra foi um adversário a mais. Mesmo com as entradas de Geuvânio, Maicon Bolt e Ricardo Oliveira, dando mais ofensividade à equipe, o empate prevaleceu.

Nos outros jogos da rodada, o Palmeiras, líder isolado, venceu o Avaí por 2 a 0. Já o Goiás bateu o Athletico por 2 a 1. Outros resultados foram ruins para o Cruzeiro: vitória do Vasco por 1 a 0 sobre o Ceará e empate por 1 a 1 entre Chapecoense e Fluminense.


FICHA TÉCNICA
Atlético 1 x 1 São Paulo
Atlético: Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Adílson (Maicon Bolt 40 do 2º), Elias, Luan, Cazares (Ricardo Oliveira 48 do 2º) e Chará (Geuvânio 26 do 2º); Alerrandro
Técnico: Rodrigo Santana
São Paulo: Tiago Volpi; Igor Vinícius (Igor Gomes, intervalo), Bruno Alves, Anderson Martins e Reinaldo; Luan, Hudson e Hernanes; Calazans (Nenê 20 do 2º), Alexandre Pato e Toró (Éverton Felipe, intervalo)
Técnico: Cuca
9ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Independência
Gols: Alerrandro 43 do 2º; Alexandre Pato 27 do 2º
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Assistentes: Rafael Alves e André Bittencourt (RS)
VAR: Jean Pierre Gonçalves Lima (RS)
Cartão amarelo: Anderson Martins, Hudson, Adilson, Patric, Igor Gomes
Público: 19.761
Renda: R$ 522.795
Próximos jogos: Chapecoense (f); Fortaleza (c); e Goiás (f)



Publicidade