Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Cerco aos barrabravas


postado em 12/06/2019 04:18

 
 
O Brasil vai impedir a entrada no país de torcedores violentos e vai aplicar tecnologia de reconhecimento facial nos estádios durante a Copa América, que começa na sexta-feira. O país não é nenhum novato na organização de megaeventos esportivos: foi sede da Copa das Confederações 2013, da Copa do Mundo de 2014 e dos Jogos Olímpicos Rio’2016, sem maiores sobressaltos. A competição será disputada até 7 de julho por 10 seleções da região e os convidados Japão e Catar, em cinco cidades: Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre e Salvador.

Além do cuidado especial que requerem as delegações esportivas, as autoridades e os turistas, o foco estará em impedir que os barrabravas (os torcedores violentos) entrem. O primeiro filtro será nos aeroportos, portos e fronteiras terrestres. Aqueles com antecedentes criminais em seus países serão parados no controle migratório. Só a Argentina, que fará um de seus jogos no Mineirão, na próxima quarta-feira, contra o Paraguai, forneceu uma lista de 5 mil nomes.

O segundo filtro estará nos estádios, que vão contar com tecnologia de reconhecimento facial. “Trabalhamos em parceria com os organismos de segurança pública e Interpol para impedir que um indivíduo indesejado, que já tenha causado distúrbios ou possa causá-los, entre nos estádios”, disse Hilario Medeiros, gerente de Segurança do Comitê Organizador Local (COL) da Copa América.

A vigilância nas arenas vai ficar a cargo de 10 mil agentes de segurança privada contratados pelo COL, informou Medeiros. Os entornos serão vigiados pelas polícias de cada estado. Em BH, força-tarefa das polícias Militar e Civil reunirá 1 mil agentes.

A presença de torcedores violentos “será um dos principais desafios”, mas o esquema inclui um estudo cuidadoso dos trajetos dos ônibus de esportistas e torcedores, levando em conta os incidentes registrados durante a final da Libertadores em 2018 em Buenos Aires, quando o comboio que transportava os jogadores do Boca foi apedrejado por torcedores do River e a partida teve que ser suspensa, para ser disputada semanas mais tarde em Madri.

REFORÇO Aeroportos, hotéis, centros de treinamento, estádios, rotas das delegações, pontos turísticos e de aglomeração de público terão a segurança reforçada. Muitas medidas já foram colocadas em prática de forma discreta em partidas do Brasileiro, como no 0 a 0 de sábado entre Cruzeiro e Corinthians. O jogo de abertura entre Brasil e Bolívia, sexta-feira, no Morumbi em São Paulo, terá um efetivo reforçado, devido à possível presença do presidente Jair Bolsonaro.



Publicidade