Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Fogo na rivalidade

Atlético e Cruzeiro disputarão um dos mata-matas das quartas de final da Copa do Brasil, em julho. Times terão bom tempo para colocar as equipes em ponto de bala para os duelos


postado em 11/06/2019 04:08

Galo e Raposa fizeram a final em 2014, com vantagem para o alvinegro: jogadores e comissão técnica apontam equilíbrio(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A PRESS - 26/11/14)
Galo e Raposa fizeram a final em 2014, com vantagem para o alvinegro: jogadores e comissão técnica apontam equilíbrio (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A PRESS - 26/11/14)


Rivais históricos, Atlético e Cruzeiro terão mais uma disputa que vai botar fogo na rivalidade. Sorteio das quartas de final da Copa do Brasil colocou as equipes cara a cara num dos mata-matas. O clássico virou assunto principal entre os torcedores, ainda que ambos tenham compromissos nesta semana pela nona rodada do Campeonato Brasileiro – a Raposa visita o Fortaleza, amanhã, às 21h, enquanto o Galo recebe o São Paulo, quinta-feira, às 20h. Os times terão bastante tempo para se preparar para mais esses embates, programados para julho.

Será a quarta vez que os tradicionais rivais mineiros se encontrarão num mata-mata. E o time alvinegro tenta sustenta o tabu de nunca ter sido eliminado pelo adversário. Eles se enfrentaram nas quartas de final do Campeonato Brasileiro de 1986 e de 1999 e na própria decisão da Copa do Brasil de 2014.

Como há cinco anos, os celestes mandarão o primeiro jogo no Mineirão, provavelmente em 10 de julho. A volta, sete dias depois, será confirmada para o Independência pelo mandante, o Atlético. Pela participação nesta próxima fase, ambos já garantiram a premiação de R$ 3,15 milhões. Quem avançar à semifinal, além de eliminar o rival, embolsará mais R$ 6,7 milhões. Na final, o campeão arrecadará R$ 52 milhões, e o vice, R$ 21 milhões.

Se a expectativa dos torcedores é de que mais uma vez o Galo leve vantagem, o clube mantém a cautela e aponta confrontos parelhos do mês que vem: “Não dá para falar nada por enquanto. É um grande clássico que movimenta a cidade. O equilíbrio é que dita o ritmo desse grande clássico. A gente espera que seja dessa forma, sempre decidido no detalhe”, afirma o diretor de futebol Marques, representante do Galo no sorteio na CBF.

Ele salienta que o objetivo é que a equipe volte da intertemporada em alto nível para levar vantagem sobre o Cruzeiro e chegar numa semifinal de Copa do Brasil depois de três anos: “Temos uma parada importante para a Copa América, em que vamos preparar o time para retornar bem e encarar bem o retorno da Copa do Brasil”.

Pelo lado cruzeirense, o duelo é visto com respeito, mas também com confiança. Afinal, nos dois últimos anos o time foi campeão mineiro enfrentando o maior oponente na decisão. “Competição mata-mata você não escolhe adversário, ainda mais nas fases mais à frente, quando ela vai afunilando, onde estão as melhores equipes. Então, todo adversário que vier será de alta qualidade, difíceis de ser batidos. Vamos para buscar nosso objetivo maior, que é passar de fase”, afirmou o volante Henrique, capitão da Raposa. “Vamos para cima, porque o Cruzeiro sempre pensa em objetivos maiores. É o adversário que temos e vamos encará-los para vencer.”

Até o confronto, porém, há muito tempo para as comissões técnicas trabalharem os atletas. Depois de dar 10 dias de folga em função da Copa América, os profissionais chegam descansados e em condições de corrigir os problemas que ambos vêm apresentando.

No caso do Atlético, o time vem fazendo boa campanha no Brasileiro, mas foi eliminado precocemente na Copa Libertadores. Também disputa a Copa Sul-Americana (pega o Botafogo nas oitavas de final, que começam no mês que vem). Já o Cruzeiro está em mau momento, há oito jogos sem vitória, perigosamente perto da zona de rebaixamento do Nacional, mas fez excelente campanha na fase de grupos da Libertadores, pela qual enfrentará o River Plate nas oitavas de final.

INÉDITO Dos oito classificados, apenas o Bahia disputou esta Copa do Brasil desde a primeira fase. Os demais, por estarem na Copa Libertadores, entraram diretamente nas oitavas de final.

O time baiano e o Athletico são os únicos que buscam o título inédito. O Cruzeiro é o recordista, com seis taças, seguido pelo Grêmio, com cinco. Flamengo e Palmeiras – cujo classificado pegará o vencedor entre Galo e Raposa numa eventual semifinal – são tricampeões. Atlético e Internacional conquistaram a Copa do Brasil uma vez.

A MARATONA DOS RIVAIS

ATLÉTICO
10/7 Copa do Brasil Cruzeiro (F)
14/7 Brasileiro Chapecoense (F)
17/7 Copa do Brasil Cruzeiro (C)
20/7 Brasileiro Fortaleza (C)
24/7 Sul-Americana Botafogo (F)
28/7 Brasileiro Goiás (F)
31/7 Sul-Americana Botafogo (C)
4/8 Brasileiro Cruzeiro (C)

CRUZEIRO
10/7 Copa do Brasil Atlético (C)
14/7 Brasileiro Botafogo (C)
17/7 Copa do Brasil Atlético (F)
20/7 Brasileiro Bahia (F)
23/7 Libertadores River Plate (F)
27/7 Brasileiro Athletico (C)
30/7 Libertadores River Plate (C)
4/8   Brasileiro Atlético (F)


TEMPO PARA MELHORAR
ATLÉTICO
Precisa de mais segurança na bola aérea defensiva
Necessita ser menos dependente de Cazares
Equilibrar performance no primeiro e segundo tempos
Time pode apostar em variação de esquema de jogo
Ricardo Oliveira tem de voltar à boa forma

CRUZEIRO
Defesa precisa voltar a ser o ponto forte
Equipe busca recuperar poderio ofensivo
Fred necessita acabar com jejum de gols
Armador Rodriguinho pode se recuperar da dor lombar
Mano Menezes terá chance de buscar alternativas táticas


Publicidade