Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Mesmo pressionado, Wagner mantém Itair

Presidente do Cruzeiro recua de decisão tomada em reunião e mantém vice-presidente de futebol. Em ofício, mandatário muda status de alguns cargos e promete rever altos salários, que antes dizia ser "dentro da realidade do futebol brasileiro"


postado em 04/06/2019 04:10

Itair Machado cumprimenta Wagner Pires de Sá no dia da eleição, em outubro de 2017. Um ano e meio depois de tomar posse, dupla enfrenta pressão após várias denúncias, mas se mantém no cargo(foto: Ramon Lisboa/EM/D;A Press - 2/10/17)
Itair Machado cumprimenta Wagner Pires de Sá no dia da eleição, em outubro de 2017. Um ano e meio depois de tomar posse, dupla enfrenta pressão após várias denúncias, mas se mantém no cargo (foto: Ramon Lisboa/EM/D;A Press - 2/10/17)


O presidente do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá, não parece ciente do tamanho das denúncias que o clube vem enfrentando. Ou, se sabe, não vem tomando as medidas necessárias para esclarecer todos os pontos que atingem sua administração, preferindo paliativos à cura, ainda que o remédio seja amargo.

Segundo informações apuradas pelo Superesportes, Pires de Sá chegou a aceitar, durante reunião com Perrella e outros conselheiros que são desembargadores, que a demissão de Itair seria necessária. Segundo o acordo, a decisão seria comunicada ontem, mas o presidente voltou atrás e não cumpriu o que foi acordado.

Prova disso foi o ofício expedido ontem, no qual anuncia a extinção de todos os cargos de vice-presidente “que não forem amparados pela legislação estatutária vigente”. Assim, Fabiano Oliveira Costa e Flávio Pena perdem o status de vice, mas continuam no clube, agora como diretores jurídico e financeiro, respectivamente.

Itair Machado, por outro lado, seguirá como vice-presidente executivo de futebol, cargo que ocupa desde a posse da atual diretoria, em 1º de fevereiro de 2018. Ele é o braço direito de Wagner Pires de Sá e está no centro das irregularidades apresentadas pela Rede Globo no programa Fantástico, há nove dias.

O clube está sendo investigado pela Polícia Civil por lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e falsidade ideológica. Entre as irregularidades apontadas está dar parte de direitos econômicos como garantia de pagamento de empréstimo de R$ 2 milhões feito por um empresário, o que é vetado tanto pela CBF quanto pela Fifa, podendo render punições esportivas ao Cruzeiro. Como um dos atletas citados no contrato tem apenas 12 anos e não pode assinar contrato, estaria ferindo também o Estatuto da Criança e do Adolescente, de abrangência nacional.

Outro ponto em que o mandatário promete fazer mudanças é nas finanças. Se antes dizia que os diretores, principalmente o vice Itair Machado, tinham “vencimentos dentro da realidade do futebol brasileiro”, agora promete rever alguns salários de membros da estrutura administrativa – segundo o Fantástico, o vice de futebol amealhou cerca de R$ 275 mil por mês na Raposa.

Para isso, nomeou os vice-presidentes eleitos, Hermínio Lemos e Ronaldo Granata, ambos não remunerados, para apresentar “em uma semana plano de cargos e salários condizentes com as respectivas funções exercidas pelos mesmos”. Quem deve ser atingido pela decisão é o diretor geral Sérgio Nonato.

RESISTÊNCIA Desde quarta-feira, Itair Machado tem deixado claro que não pretende deixar o clube espontaneamente. Se demitido antes de 31 de dezembro, tem direito a multa rescisória de R$ 2 milhões.

Isso faz crescer a insatisfação de parte de membros do Conselho Deliberativo do Cruzeiro. Na semana passada, 117 deles assinaram manifesto pedindo não só mais transparência na administração, mas também a saída do vice de futebol e o afastamento de Wagner Pires de Sá e Sérgio Nonato, ao menos até que todas as denúncias estejam esclarecidas.

O presidente do órgão consultivo, Zezé Perrella, determinou a criação de uma comissão de sindicância para apurar as denúncias. O grupo formado pelos conselheiros Marcio Antonio Camillozzi Marra, Jarbas Matias dos Reis e Walter Cardinali Junior terá 30 dias para finalizar os trabalhos e deve receber ainda esta semana toda a documentação solicitada e que foi negada ao Conselho Fiscal, que, por esse motivo, pediu renúncia. 
(Com Bruno Furtado e Tiago Mattar)


Cronologia da crise

26/5 – A denúncia
O programa Fantástico, da Rede Globo, aponta uma série de irregularidades cometidas pela administração do Cruzeiro e diz que o clube está sendo investigado pela Polícia Civil por  lavagem de dinheiro, falsificação de documentos e falsidade ideológica

27/5 – Defesa em dupla
O presidente Wagner Pires de Sá e o vice-presidente executivo de futebol Itair Machado rebatem, em entrevista coletiva, na Toca da Raposa II, as acusações. Porém, revelam ter feito novo contrato no caso de empréstimo de R$ 2 milhões feito com empresário, que recebeu como garantia parte dos direitos econômicos de 10 atletas, inclusive um de 12 anos. Dois últimos membros do Conselho Fiscal renunciam

28/5 – Reação do Conselho
Wagner Pires de Sá toma conhecimento, na Polícia Civil, das investigações em andamento. São feitos contato com outros diretores e os conselheiros começam a se mobilizar pedindo providências para preservar a imagem do clube. Presidente do Conselho Deliberativo, Zezé Perrella lamenta que o nome do clube seja exposto e promete sindicância para apurar denúncias

29/5 – Multa pesada
Wagner Pires de Sá se reúne, na Sede Administrativa, com Itair Machado e outros diretores. Pela primeira vez teria sido aventada a saída do vice-presidente, que, no entanto, teria de ser ressarcido em R$ 2 milhões caso demitido antes de 31 de dezembro. Documento assinado por 111 conselheiros pede transparência no clube

30/5 – Busca de apoio
Wagner Pires de Sá procura conselheiros em busca de apoio. Em áudio enviado a membros do Conselho Deliberativo, Zezé Perrella diz que “quem tiver culpa vai pagar”.

31/5 – Pedido de afastamento
Zezé Perrella anuncia o nome dos três conselheiros que vão integrar comissão de sindicância. Justiça bloqueia 30% do salário de Itair Machado por conta de dívida contraída quando ele era presidente do Ipatinga e do Betim. Em carta, grupo de 117 conselheiros pedem o afastamento do vice de futebol

1/6 – Decisão tomada
Documentos obtidos pelo Superesportes mostram que Zezé Perrella arquivou, em agosto de 2018, representação de associados pedindo o afastamento de Itair Machado. Wagner Pires de Sá é convencido, em reunião com Perrella e quatro conselheiros que são desembargadores, que o melhor para a paz no clube é a saída do vice de futebol

3/6 – Recuo de Wagner
Presidente do clube volta atrás na decisão de demitir o braço direito. Porém, anuncia extinção “de todos os cargos de vice-presidente que não forem amparados pela legislação estatutária vigente no clube”, afetando diretamente os vices jurídico e financeiro, Fabiano de Oliveira Costa e Flávio Pena, que terão novos cargos. Itair Machado, porém, segue como vice de futebol no organograma do Cruzeiro. No ofício divulgado, diz que alguns salários serão revistos


Publicidade