Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Gringos comandam goleada no Horto

Com Chará e Cazares inspirados, Atlético vence o CSA por 4 a 0, no Horto, e placar só não foi mais dilatado porque duas bolas pararam na trave. Quinta, é o Santos, pela Copa do Brasil


postado em 03/06/2019 04:13

Em uma de suas melhores partidas com a camisa alvinegra, colombiano Chará ditou o ritmo do time, acertou a trave e fez um belo gol(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
Em uma de suas melhores partidas com a camisa alvinegra, colombiano Chará ditou o ritmo do time, acertou a trave e fez um belo gol (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)



O Atlético continua na cola da liderança do Campeonato Brasileiro depois de golear o CSA por 4 a 0, ontem à noite, no Independência, pela sétima rodada, em grande atuação dos “gringos” Cazares e Chará. O alvinegro permanece um ponto atrás do Palmeiras, que derrotou a Chapecoense por 2 a 1, fora de casa.

Agora, o Galo volta as atenções para a Copa do Brasil, na qual faz o segundo jogo das oitavas de final, contra o Santos, quinta-feira, em São Paulo. No primeiro duelo em Belo Horizonte, houve empate sem gols, o que dará a vaga a quem vencer a partida de volta – em caso de nova igualdade a definição será na disputa de pênaltis.

“Temos sempre de procurar propor os jogos desde o começo, como fizemos contra o CSA. Mesmo fora de casa, temos de tentar fazer isso também. Esperamos muitas dificuldades na quinta-feira, mas queremos levar um pouquinho do que fizemos hoje (ontem) para São Paulo”, afirma o zagueiro Réver, capitão da equipe.

Em que pese a pouca qualidade do adversário, o Atlético fez o que se esperava dele: foi para cima e não arrefeceu nem mesmo depois de ter aberto 2 a 0 no placar, ainda no primeiro tempo. Os gols foram marcados por Fábio Santos, convertendo pênalti sofrido por Alerrandro, aos 19min; e por Cazares, em cobrança de falta com perfeição, três minutos mais tarde.

Uma das poucas investidas do CSA foi aos 35min, quando Maranhão cruzou da direita e Patrick Fabiano cabeceou por cima. Mas quem voltou a marcar foi o Atlético, com Chará, já aos 4min do segundo tempo, driblando o marcador dentro da área antes de executar o goleiro. O colombiano, que atuou num ritmo alucinante, já havia acertado a trave esquerda na etapa inicial.

Diante de um adversário entregue, o Galo não diminuiu o apetite. Aos 22min, Geuvânio fez lançamento na medida para Alerrandro, que deu cavadinha, mas a bola caprichosamente bateu na trave direita. Aos 30, porém, Adilson não desperdiçou – depois de Patric entrar pedalando na área e tocar rasteiro, Alerrandro escorou e o volante tocou no canto direito.

“A gente estava preocupado com o nível de concentração do time para este jogo. E vimos que o grupo está muito comprometido. Nosso time teve mobilidade e conseguiu furar o bloqueio do adversário”, afirmou o técnico Rodrigo Santana.

Ontem, ele colocou Adilson no lugar de Zé Welison, mas adiantou que o ex-jogador do Bahia voltará a ser titular contra o Santos. “O jogo deste domingo pedia qualidade na saída de bola. O Zé Welison vinha desgastado e a gente sabe que o Santos vai exigir muito fisicamente. E também por entender que precisávamos quebrar as linhas do CSA, optamos pelo Adilson, cujo passe é muito bom. Felizmente, deu certo e ele foi premiado com um belíssimo gol”, argumentou o treinador, que acredita que na quinta-feira o jogo exigirá mais força na marcação, até pela qualidade do adversário.

DESFALQUES Para o confronto  pela Copa do Brasil, Rodrigo Santana não poderá contar mais uma vez com o zagueiro Leonardo Silva, que sofreu lesão muscular. Já o atacante Ricardo Oliveira, que também não entrou em campo ontem por sentir dor no ombro, será reavaliado durante a semana e pode atuar. O lateral-direito Guga, por sua vez, continua com a Seleção Brasileira olímpica na França.

As ausências na zaga e na lateral não preocupam. Afinal, Réver foi bem, mesmo jogando com máscara para proteger o nariz fraturado, e Patric vem dando conta do recado – ontem, até teve o nome gritado pela torcida em diversos momentos. “O reconhecimento é bom. Contra o Flamengo, o Rodrigo foi eleito o melhor em campo e compartilhou com todo mundo. Faço o mesmo. Nosso time está de parabéns, todo mundo correu junto, buscou fazer o melhor”, disse Patric.


Atlético
Victor; Patrick, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Adilson, Elias (Bruninho 40 do 2º), Chará (Geuvânio 18 do 2º), Cazares e Luan (Vinícius 17 do 2º); Alerrandro
Técnico: Rodrigo Santana

CSA
Jordi; Apodi (Celsinho 35 do 2º), Gérson, Luciano Castán e Carlinhos; Naldo, Dawhan, Matheus Sávio e Didira (Cassiano 11 do 2º); Maranhão (Victor Paraíba 23 do 2º) e Patrick Fabiano
Técnico: Marcelo Cabo

7ª rodada do Campeonato Brasileiro
Estádio: Independência
Gols: Fábio Santos 19 e Cazares 22 do 1º; Chará 4 e Adilson 30 do 2º
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Assistentes: Alessandro Rocha de Matos e Jucimar dos Santos Dias (BA)
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Cartão amarelo: Gérson, Apodi, Naldo,
Público: 14.116
Renda: R$ 213.575
Próximos jogos: Santos (f), São Paulo (c) e Chapecoense (f)


Publicidade