Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Doze pontos em 18 é uma ótima campanha

Se mantiver essa média até o fim da competição, poderá disputar o caneco ou, no mínimo, conseguir uma vaga na Libertadores


postado em 27/05/2019 04:08

O Galo foi derrotado pelo Grêmio ontem, em Porto Alegre, por 1 a 0. Resultado absolutamente normal, como também seria normal o Atlético vencer no Independência. São duas grandes equipes do futebol brasileiro, embora tenha o Grêmio, ao lado de Cruzeiro, Palmeiras e Flamengo, os melhores times e grupos. O Galo, sou insistente em dizer, é igual a outras 15 equipes que também disputam o Brasileirão. Porém, hoje, em 18 pontos disputados, o alvinegro conseguiu 12, o que é uma boa média para uma equipe que pensa em disputar a taça. O Galo venceu o Flamengo, derrotou Vasco, Avaí e Ceará. Perdeu para Palmeiras e Grêmio. Se mantiver essa média até o fim da competição, poderá disputar o caneco ou, no mínimo, conseguir uma vaga na Libertadores. O problema do time mineiro é que ele tem um grupo pouco qualificado e reduzido. Se conseguir contratar jogadores de qualidade durante a pausa para a Copa América, que cheguem para ser titulares, poderá até surpreender. Ricardo Oliveira, que começou o ano voando, fazendo gols contra equipes de qualidade duvidosa, passou em branco até aqui. Nunca devemos nos iludir com artilheiros que só marcam contra equipes pequenas. É o mesmo caso de Fred, do Cruzeiro, que tinha excepcional média até o Brasileiro começar. É uma irresponsabilidade dos dirigentes pagar fortunas a artilheiros do passado, que hoje são facilmente marcados por zagueiros competentes. Contra o “Bambala e Arimatéia” fica fácil fazer gols. Já no Brasileirão, contra equipes mais fortes, a realidade é outra.

Prisão


O ex-atacante Roni, que se destacou no Fluminense e jogou no Galo, quando este estava na Série B, foi preso em Brasília acusado de falcatruas no borderô do Estádio Mané Garrincha nos jogos em que as equipes do Brasileirão vendem seus mandos de campo para o Distrito Federal. Além dele, o presidente da Federação Brasiliense de Futebol também foi detido e, segundo a polícia, participa do esquema, com a caracterização de formação de quadrilha. Uma vergonha para o esporte, que luta por dignidade e lisura. É uma pena ver um ídolo do futebol ficar preso por ganância e manipulação. Que todos os fatos sejam esclarecidos e que os responsáveis paguem por seus erros, sejam ídolos ou não.

Barca no Barça

O poderoso Barcelona está prometendo uma barca para mandar ao mercado na janela do meio do ano. Entre os jogadores que deverão ser negociados, Philippe Coutinho e Dembelê deverão puxar a fila. São duas decepções e contratações caras que não deram o menor retorno. Embora o presidente Bartomeu diga que pretende recuperar Coutinho, o próprio jogador parece interessado em mudar de ares. O Liverpool, seu ex-clube, não se interessa mais por ele. Na temporada, o Barça faturou apenas o Campeonato Espanhol, perdendo a chance de ir à final da Liga dos Campeões, com a derrota de 4 a 0 para o Liverpool, e sendo derrotado pelo Sevilha na Copa do Rei por 2 a 1, no sábado, perdendo a taça. Mesmo sendo Messi de outro planeta, sozinho ele é muito pouco para ganhar tudo. O Barça já está no mercado contratando jogadores, principalmente do futebol holandês.


Hamilton

O piloto inglês continua dando as cartas na F-1, indo em busca do hexacampeonato mundial. Faturou mais uma corrida ontem, em Mônaco, mesmo com os pneus desgastados. Homenageou o ex-piloto e ex-diretor de Marcedes, Niki Lauda, morto na semana passada. Lauda é uma lenda da Fórmula 1 e será lembrado como um dos mais arrojados pilotos da história. Duro é ouvir Wilson Fittipaldi, que sempre foi um piloto modesto, dizer que Lauda não era arrojado e que vencera muito mais pela frieza do que pela direção agressiva. Wilsinho Fittipaldi perdeu a chance de ficar calado, pois falou bobagem.


Publicidade