Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Ídolo com marca cinquentenária


postado em 19/05/2019 04:08

Em 1969, o goleiro Raul bateu recorde mundial sem ser vazado na Raposa: 1.016 minutos (foto: Arquivo EM/D.A Press - 23/12/1976)
Em 1969, o goleiro Raul bateu recorde mundial sem ser vazado na Raposa: 1.016 minutos (foto: Arquivo EM/D.A Press - 23/12/1976)


Um dos principais ídolos do Cruzeiro, o goleiro Raul Plassmann, de 74 anos, tem uma trajetória de conquistas e feitos históricos alcançados pelo clube. E ontem completaram-se 50 anos que o jogador estabeleceu um recorde mundial: o cruzeirense chegou a 1.016 minutos sem ser vazado, um total de 11 partidas completas e parte de um 12º confronto.

Em entrevista ao Superesportes, Raul relembrou detalhes de quando alcançou a marca, em 1969. Ela durou até o início de 1971, quando Jorge Reis, do Rio Branco-ES, o superou. O capixaba, atualmente o terceiro na lista de goleiros com maior tempo sem sofrer gol, ficou 1.604 minutos sem ser vazado.

“Cinquenta anos se passaram. Me lembro vagamente do jogo com o Democrata-SL. Foi um gol no segundo tempo, no gol da Lagoa, no Mineirão. O recorde foi muito importante para a época. O futebol era muito ofensivo, todos os placares dilatados. Hoje, o futebol é muito mais de marcação, voltado para o setor defensivo. Na época, era muito complicado você chegar a uma marca como essa. Foi bacana. Muito bom. Um momento especial”, destacou.

O ex-goleiro lembrou também a repercussão de seu feito. Na ocasião, o Estado de Minas dedicou páginas ao assunto. O gol que quebrou a invencibilidade foi marcado por Evanir, do Democrata-SL. “O mundo era menor sem internet (risos). Se o recorde fosse hoje, seria algo bem maior. Na época não tínhamos internet, sem comunicação rápida e instantânea como se tem hoje. É claro que houve o conhecimento em todo esse globo aqui, mas de uma forma bem amena. Não chegou a ser um acontecimento. Hoje seria”.

Na época, Raul Plassmann ficou 11 partidas sem sofrer um gol sequer, em 10 duelos pelo Campeonato Mineiro e um amistoso. E se engana quem pensa que a Raposa disputou apenas jogos fáceis. Naquela série invicta, o clube celeste superou, por exemplo, os rivais Villa Nova, América e Atlético. O clube alvinegro contava com o faro de gols do atacante Dadá Maravilha. O goleador atleticano terminou o ano com 58 gols, temporada em que mais vezes balançou as redes.

“Isso tudo valoriza mais ainda a conquista, a marca. Isso valoriza sempre. Não foi jogando contra ninguém. Isso coloca um valor muito grande em cima dessa marca. Eu conquistei uma marca que é expressiva, porque os adversários eram bem qualificados. Então, valoriza muito o feito”, disse Raul.

Ele superou então o goleiro Roma, do Racing, que ficou 781 minutos sem sofrer gol. Uma semana após alcançar o recorde, em 18 de maio, o goleiro sofreu o gol que estabeleceu o feito em 1.016 minutos. O responsável foi o atacante Evanir, do Democrata-SL, aos 42 minutos do segundo tempo. Na partida, que terminou com vitória celeste por 3 a 1, Raul ainda defendeu um pênalti cobrado por Valdoci. O feito de Raul colaborou para o triunfo invicto do Campeonato Mineiro pelo Cruzeiro.

* Estagiário sob supervisão do subeditor Eduardo Murta







Publicidade