Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Fim do 5º ciclo de Givanildo

Depois de início ruim na Série B, com duas derrotas consecutivas para times que subiram da Série C, diretoria demite o treinador


postado em 02/05/2019 05:11

Em sua quinta passagem pelo América, Givanildo Oliveira dirigiu o time em 23 jogos: nove vitórias, cinco empates e nove derrotas(foto: Mourão Panda/América)
Em sua quinta passagem pelo América, Givanildo Oliveira dirigiu o time em 23 jogos: nove vitórias, cinco empates e nove derrotas (foto: Mourão Panda/América)


O América está à procura de um novo treinador. Depois de duas derrotas nas duas primeiras rodadas da Série B do Campeonato Brasileiro, a diretoria demitiu Givanildo Oliveira. Na estreia, perdeu de 1 a 0 para o Operário-PR. Na terça-feira, dia em que o clube comemorou 107 anos, o time caiu frente ao Botafogo-SP pelo mesmo placar. Tanto a equipe paranaense quanto a paulista subiram da Série C. Além do péssimo início no Nacional, o Coelho foi desclassificado da Copa do Brasil e parou nas semifinais do Mineiro.

O clube divulgou uma nota oficial comunicando o desligamento. Givanildo estava à frente do Coelho desde novembro de 2018, em sua quinta passagem pelo clube. Ao todo, ele já dirigiu o América em 258 jogos, com 123 vitórias, 68 empates e 67 derrotas.

Este ano, Givanildo esteve à frente do time em 18 jogos, sendo sete vitórias, cinco empates e seis derrotas, nas disputas do Mineiro, Série B e Copa do Brasil. No total, em sua última passagem no clube, foram 23 jogos, com nove vitórias, cinco empates e nove derrotas.

A volta de Givanildo ao América foi anunciada em 11 de novembro do ano passado, na reta final do Brasileirão. Ele assumiu a vaga do demitido Adílson Batista, que teve seu desligamento anunciado no dia anterior, após uma derrota para o Paraná por 1 a 0, no Independência.

Givanildo estreou perdendo para o Internacional por 2 a 0. Na sequência, venceu o Santos (2 a 1), perdeu para o Palmeiras (4 a 0), venceu o Bahia (1 a 0) e fechou a participação na Série A na fatídica derrota para o Fluminense, no Maracanã, por 1 a 0, quando Luan teve a chance de marcar para o Coelho, mas desperdiçou um pênalti. O resultado decretou o rebaixamento do time.

Em sua passagem anterior pelo Coelho, de setembro de 2014 a julho de 2016, Givanildo subiu o time da Série B para a A, em 2015, e conquistou o Estadual em 2016.

No final do comunicado, o Coelho agradeceu ao treinador. “O América agradece a Givanildo por todo o profissionalismo e os serviços prestados pelo clube e deseja sucesso em sua trajetória.”

Histórico O último treinador demitido pelo América no decorrer da Série B foi Moacir Júnior.  Ele foi desligado do clube em setembro de 2014, depois de uma derrota do Coelho para o Boa Esporte por 2 a 0, pela 22ª rodada.

Moacir foi substituído justamente por Givanildo Oliveira, que permaneceu no clube durante todo o ano de 2015. Ao final da Série B daquele ano, o Coelho conseguiu o acesso à Primeira Divisão, ficando em quarto lugar na tabela, atrás de Botafogo (campeão), Santa Cruz (vice) e Vitória.

Naquela ocasião, Givanildo permaneceu no clube até junho de 2016, quando acabou demitido após o péssimo início do Brasileiro – dois empates e três derrotas. O português Sérgio Vieira foi o escolhido para substituí-lo. Ele ficou somente nove jogos no clube (duas vitórias e sete derrotas).

Enderson Moreira assumiu em julho de 2016 e ficou no clube até o meio de 2018. Ele, inclusive, levou o time ao título da Segundona de 2017, classificando a equipe para a Série A de 2018. No entanto, durante a parada para a Copa do Mundo, no meio do ano, Enderson pediu demissão e acertou com o Bahia.

Ricardo Drubscky, então diretor de futebol, assumiu o posto, ficando somente dois jogos à frente do time (duas derrotas, para o Cruzeiro por 3 a 1 e para o Paraná por 1 a 0), quando deixou o cargo, voltou a ser dirigente e Adílson Batista assumiu.


Publicidade