Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Praia tenta repetir feito

Equipe do Triângulo precisa reeditar reviravolta conseguida no ano passado e vencer segundo jogo da final para manter chance de título


postado em 25/04/2019 05:04

Líbero Suelen (D), que busca o bi com o Praia, acertou a renovação de contrato para mais uma temporada, sua terceira no clube(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Líbero Suelen (D), que busca o bi com o Praia, acertou a renovação de contrato para mais uma temporada, sua terceira no clube (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


Na história das competições nacionais femininas de vôlei (que começaram em 1961), das 16 edições em que a final foi disputada em playoffs, apenas em duas o time derrotado no primeiro jogo inverteu a situação. Um dos que conseguiram tal façanha foi justamente o Praia, que no ano passado saiu em desvantagem na decisão contra o Rio de Janeiro, conseguiu reagir e terminou com a taça. Na sexta-feira, a equipe do Triângulo tentará repetir o feito diante do Minas, no ginásio do Sabiazinho.

Como perdeu a primeira partida da final da Superliga de Vôlei 2018/2019, por 3 a 2, domingo, no Mineirinho, o Praia precisa ganhar o próximo duelo para forçar o terceiro confronto. Se vencer em Uberlândia, o Minas, por sua vez, conquistará o título.

A primeira vez que um time reverteu situação adversa em decisão foi em 1984, quando Supergasbras e Bradesco-Atlântica disputaram o troféu também em melhor de três. Todos os jogos foram no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro. O Super saiu na frente: 3 a 2. O Bradesco virou, ganhando as duas partidas seguintes por 3 a 2.

No ano passado, a final foi em melhor de dois jogos e igualdade de vitórias levaria ao set extra, chamado de golden set. Foi o que acabou ocorrendo. O Praia foi derrotado pelo Rio de Janeiro, na capital fluminense, por 3 a 1. Em Uberlândia, ganhou por 3 a 2. No golden set, venceu por 25/18.

Praia e Minas estão entre os melhores times de vôlei do país em todos os tempos. Enquanto a equipe de Uberlândia luta pelo bicampeonato consecutivo, o Minas busca sua terceira taça da competição e tenta dar fim a um jejum de 17 anos – conquistou a primeira em 1993, derrotando o São Caetano, e a segunda em 2002, contra o Osasco.

CONTRATOS Depois da oposta Fawcett e da ponteira Fernanda Garay, o Praia oficializou a permanência da líbero Suelen para a temporada 2019/2020. A jogadora, de 31 anos, defenderá a equipe pela terceira temporada consecutiva. Natural de Belo Horizonte, Suelen começou no Mackenzie e também já defendeu o Minas. Ela foi campeã da Superliga’2018, da Supercopa’2018 e integrou as últimas convocações do técnico Zé Roberto Guimarães para a Seleção Brasileira.


ENQUANTO ISSO...
...Serginho vai para a Suíça

Recordista de títulos na Superliga Masculina – nove ao todo – e do Campeonato Mineiro (16), o líbero Serginho está de malas prontas para a Suíça. O jogador se despede do Cruzeiro depois de nove anos atuando pela equipe. Para seu lugar, o clube está contratando Lukinha, que disputou a Superliga pelo Campinas. Os números de Serginho, que começou a carreira no Minas, impressionam, afinal, são 42 títulos, sendo três mundiais, sete sul-americanos (seis com o Cruzeiro e um com o MTC), três Supercopas do Brasil, nove Superligas (seis com o Cruzeiro e três com o Minas), três Copas do Brasil, um gaúcho e 16 mineiros (nove com o time do Barro Preto e sete com o do Bairro Santo Antônio). (ID)


Publicidade