Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tricampeão e 'trigoleador'

Autor do gol que garantiu a taça ao Cruzeiro, atacante sagra-se campeão do Estadual pelo terceiro ano consecutivo e termina, também pela terceira vez, como principal artilheiro


postado em 21/04/2019 05:06

Fred, que tem 3 milhões de seguidores no Instagram, registra com seu telefone celular a festa cruzeirense no gramado do Independência e celebra as marcas pessoais que alcançou com a conquista(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Fred, que tem 3 milhões de seguidores no Instagram, registra com seu telefone celular a festa cruzeirense no gramado do Independência e celebra as marcas pessoais que alcançou com a conquista (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

Enquanto jogadores, comissão técnica e torcedores do Cruzeiro comemoravam o bicampeonato, um veterano de 35 anos, mais uma vez decisivo, era o único no gramado a festejar o terceiro título do Campeonato Mineiro consecutivamente. Depois de uma temporada difícil em 2018, recuperando-se de lesão, Fred deu a volta por cima e acrescentou ontem mais um troféu ao seu currículo. De quebra, terminou o Estadual como principal artilheiro pela terceira vez na carreira – 14 anos depois de ser o principal goleador pela primeira vez, também com a camisa azul.

“O que mudou (de 2005 para 2019)? Menos força, mais posicionamento, mais maturidade, mas os mesmos gols, assistências e, graças a Deus, conseguindo ser decisivo nos jogos importantes. Fico feliz por isso. Minha terceira artilharia em Minas. Sou mineiro de Teófilo Otoni. Então, é um gosto mais que especial”, disse Fred, artilheiro do Mineiro com 12 gols.

Ontem, a bola chegou pouco para o atacante. Muito em função da boa marcação de Elias e Zé Welison, que inviabilizaram a criação da Raposa pelo meio. Mesmo assim, o camisa 9 não deu folga para Leonardo Silva e Igor Rabello, voltando para tentar buscar a bola. Quando o árbitro confirmou o pênalti para o Cruzeiro, coube ao experiente atacante pegar a bola e ficar frente a frente com o ex-companheiro de equipe Victor.

Fred foi muito vaiado pela torcida atleticana, em maioria no estádio, mas, com maturidade, caminhou para a bola e chutou no canto direito de Victor. “É um jogo emocional. Acabei optando por olhar para o Victor, para tentar deslocá-lo. Estas bolas, se você erra, soa como displicente, porque você está olhando para frente. É uma tomada de decisão corajosa que a gente faz e deu certo.”

PENALIDADE Pouco antes da cobrança que sacramentou o 40º título do Cruzeiro, Fred estava perto do lance que originou o pênalti. “Quando o Pedro Rocha deu o tapa (chutou a bola), o Leo foi caindo e bateu no cotovelo dele. Quando a bola saiu, a gente chegou perto (do juiz), ele estava falando com o VAR ‘Eu também vi que bateu na mão’. Aí o VAR chamou e ele deu pênalti. Foi bem claro, ele estava perto”, contou.

Mesmo assim, Fred criticou o tempo de bola parada em função das análises do árbitro de vídeo. “Se for para parar por um lateral, a gente vai ter 25 minutos de jogo só. Não tem como parar. Estava falando com o Leo, com o Elias: Nós, jogadores brasileiros, e eu me incluo, a gente tem esta malandragem de querer tirar vantagem, pressionar, mas não é só culpa nossa”, afirmou Fred.


Publicidade