Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

A filosofia máxima de um povo


postado em 20/04/2019 05:06

Eu vi o Galo ser pentacampeão em 1982. Meu pai, à época pouco afeito ao futebol, vascaíno não praticante em tempos ainda mais idos, resolveu me levar “no campo”, tarefa até então a cargo de tios, primos e cunhados da minha mãe. Atleticanos comuns, ou seja, fanáticos fundamentalistas para quem o mistério da vida estava resolvido. Doncovim, quencossô, proncovô? Nós somos do Clube Atlético Mineiro, e nossa razão de existir é ver o Galo jogar.

Pois fomos eu e meu pai de cadeira numerada, restrita àquele tempo às imediações das cabines de rádio e TV. À nossa frente, do outro lado do campo, desfraldava-se aquele povaréu com suas centenas, talvez milhares de faixas e bandeiras, um assustador conluio entre milhões de fundamentalistas em sessão de descarrego de igreja evangélica.

Nesses primórdios, a Igreja Universal do Reino do Galo tinha por púlpito principal a Super Força Viva, que ficava bem no meio da arquibancada, animada pela velha Charanga. Do seu lado direito havia os Dragões da FAO, a Falange Atleticana Organizada, cujo lema, do alto dos meus minguados 10 anos, me escapava a compreensão: “Filosofia máxima de um povo”. Ainda assim, submetido desde muito cedo a um intenso processo de catequese, aquilo arrepiava até os meus inexistentes pentelhos. A torcida do Atlético era o espetáculo mais bonito do mundo.

A gente ainda não cantava aquela “Eu não vou de cadeira numerada, vou sentar na arquibancada pra sentir mais emoção”. Meu pai, no entanto, já podia prevê-la, e desejoso apenas de uma emoção mediana, encasquetou de sentar-se nas famigeradas cadeiras. Não previa, nem de longe, aquela Sapucaí em preto e branco, do outro lado do campo, a revelar-se diante de seus olhos espantados. Uma ópera tresloucada, uma devoção de Ramadã jamais vista.

O Atlético precisava de uma vitória simples sobre o Cruzeiro, que saíra na frente com um gol de vantagem. O Galo precisava virar. Em 1982, tudo era esperança, tudo era uma grande virada. O Brasil saía de duas décadas de ditadura, os exilados tinham voltado, um metalúrgico era candidato ao governo de São Paulo, havia um país a se construir. O movimento punk já pisava as rosas de Geraldo Vandré e fazia de Amélia uma mulher qualquer (viva o Clemente!) – e do Aborto Elétrico seria parido o rock de Brasília, a espraiar-se por Rio e São Paulo. A Seleção Brasileira era o melhor time do mundo, e o Galo era o melhor do Brasil.

Distraídos, empatamos. No crepúsculo daquela tarde de domingo, holofotes já acesos, desabou sobre o Mineirão uma chuva avassaladora. Da cobertura de concreto fez-se um véu de noiva a embaçar levemente o povão do outro lado, em sua ensandecida certeza de que valia a pena, o Galo era o time da virada, o Galo era o time do amor, e nada naquela hora podia impedir o inevitável gol do título.

Eu me encontrava sentado no desconforto da cadeira, chapado pela beleza que se descortinava na nossa frente. 100 mil, 500 mil pessoas. Estaria toda a cidade sentada do outro lado do campo? Meu pai, pessoa de pouca fé, olhava aquilo como se tivesse visto Deus. Isso, claro, na minha cabeça de menino – um pequeno fundamentalista prestes a ver o milagre.

Na minha cabeça de menino, houve uma falta entre a meia-lua e o grande círculo central. Uma bomba rasteira, o campo encharcado. A bola estoura no peito do goleiro, o frango escapa, ela sobra oferecida ao artilheiro, o único maior do que Pelé, o gol completamente aberto, o gol feito, a bola a um passo da linha, parada na poça, todos aqueles metros escancarados entre as duas traves, oferecidas.

Quando penso nisso, ouço o mais absoluto silêncio. O mundo parado. A perna direita do Rei na câmera mais lenta que possa imaginar, o som da sua chuteira encostando na bola, sutil, jeitoso. Depois, o mundo vindo abaixo com aquela chuva, o desbunde total, as pessoas desconhecidas que se abraçam e se beijam e se amam. O povão do outro lado, sem VIPs e GNVs, todo mundo igual, a sessão de descarrego, o concreto prestes a rachar. Em alguma daquelas cabines aos nossos pés, Willy Gonzer deve ter falado: “Goool, gol de Rrrrei, gol de Rrrrei!”.

“Qual é o seu ideal de felicidade?”, pergunta o famoso Questionário Proust. Aquele gol. Aquela chuva. Aquele Atlético e Cruzeiro em que a gente precisava de uma vitória simples, e ela veio monumental. Que coisa. Amanhã, “no campo”, estarei eu e o meu filho a perseguir a mesma vitória simples, a mesma virada, o mesmo gol. A filosofia máxima de um povo não tem explicação, só é possível sentir.


Publicidade