Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Disputa particular

Grandes personagens do primeiro jogo da final do Mineiro, Victor e Fábio estarão frente a frente pela quarta vez na decisão do Estadual. Até aqui, 2 a 1 para o goleiro cruzeirense


postado em 17/04/2019 05:05

Victor Leandro Bagy - 6 anos - 8ª temporada no Atlético - 3 títulos mineiros (2013/15/17) - 30 clássicos contra o Cruzeiro no currículo (12 vitórias, 11 empates e 7 derrotas)(foto: Bruno Cantini/Atlético )
Victor Leandro Bagy - 6 anos - 8ª temporada no Atlético - 3 títulos mineiros (2013/15/17) - 30 clássicos contra o Cruzeiro no currículo (12 vitórias, 11 empates e 7 derrotas) (foto: Bruno Cantini/Atlético )

Se todo bom time começa com um grande goleiro, Atlético e Cruzeiro contarão com a segurança de seus camisa 1 na decisão do título mineiro de 2019, sábado, às 16h30, no Independência. Dois dos mais antigos atletas de suas equipes, os trintões Victor e Fábio estão pela quarta vez frente a frente numa disputa particular para ver quem conquista o troféu estadual. Até agora, o cruzeirense tem vantagem na disputa, ao vencer os títulos de 2014 e 2018 em cima do rival. O atleticano só conseguiu levar a melhor sobre o adversário em 2013.


A finalíssima de sábado será o 28º confronto entre eles em Minas. Ambos acirraram a rivalidade no campo, mas mantiveram boa relação fora das quatro linhas nos últimos anos. Não é por acaso que eles participaram várias vezes juntos de campanhas publicitárias ou mesmo de ações solidárias. Além desta temporada, eles poderão se enfrentar pelo menos mais uma vez na final estadual, já que ambos firmaram novos contratos com seus clubes até dezembro do ano que vem.


Aos 36 anos, Victor viveu recentemente algo incomum desde que chegou ao Atlético ao ser duramente criticado pelos torcedores por causa dos erros na goleada sofrida para o Cerro Porteño por 4 a 1, na semana passada, pela Copa Libertadores. A opinião dos alvinegros era de que o camisa 1 estava distante da melhor fase técnica e de que não estava sendo bem treinado – não faltaram críticas também ao preparador de goleiros, Chiquinho Cersósimo, que trabalha com o goleiro desde 2012.


Mas a resposta veio no primeiro clássico da final mineira, quando Victor evitou derrota mais elástica do Galo com grandes defesas em chutes de Robinho (no primeiro tempo) e de Marquinhos Gabriel (no segundo). Apesar disso, poucas vezes se viu o goleiro tão nervoso. Irritado com os xingamentos de torcedores do Cruzeiro durante o jogo, ele atirou água para o alto em direção à torcida rival na saída para o vestiário. Por causa do incidente, ele pode até ser denunciado pela procuradoria do Tribunal de Justiça de Minas (TJD-MG) com base no artigo 258 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva – que se refere à conduta antidesportiva.

REGULARIDADE A temporada de Fábio é diferente da enfrentada por Victor. O goleiro de 38 anos vive novamente grande momento, com atuações de destaque em sequência e apenas oito gols sofridos em 18 jogos (não foi vazado nas quatro primeiras rodadas da Copa Libertadores). Com 59 clássicos no currículo, o goleiro celeste disputará sua 11ª final estadual e tentará seu sétimo título. Não é por acaso que a diretoria celeste renovou o vínculo por mais uma temporada, expirando no fim de 2020, quando terá completado 40 anos. Com isso, poderá chegar ao número expressivo de 900 jogos pela Raposa ao fim do contrato.


Fábio também teve sólida atuação no último jogo, no Mineirão, evitando que o Atlético pudesse empatar ou mesmo vencer os celestes. Fez bela defesa em chute de longa distância de Luan (no primeiro tempo) e de Ricardo Oliveira (no segundo). Com a inversão da vantagem alvinegra, graças à vitória por 2 a 1 no Mineirão, o papel do camisa 1 na partida de volta será dos mais importantes: se ele não sofrer gol, o Cruzeiro conquistará o título.


Publicidade