Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Lições do passado

Cruzeiro relembra virada na decisão de 2018 e prega a cautela para a partida de volta, no Independência. Atlético não joga a toalha e aposta em reviravolta diante da torcida


postado em 15/04/2019 05:05

Marquinhos Gabriel celebrou primeira vitória e o primeiro gol marcado no principal clássico de Minas Gerais(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Marquinhos Gabriel celebrou primeira vitória e o primeiro gol marcado no principal clássico de Minas Gerais (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

A cautela foi a marca do Cruzeiro após o jogo de ontem, apesar da vitória por 2 a 1 sobre o Atlético, que lhe permite jogar pelo empate no sábado, no Independência. O discurso partiu do técnico Mano Menezes, que fez questão de ressaltar isso na conversa com os jogadores no vestiário. “No ano passado, chegamos ao segundo jogo com desvantagem de 3 a 1, mas tivemos a capacidade de reverter a diferença e ficamos com o título. Tivemos esse ensinamento e precisamos tirar proveito. Acredito que no sábado o Atlético virá com tudo para cima da gente, porque só um resultado interessa a eles. É assim que vamos trabalhar a semana”, diz o técnico cruzeirense.

Mano afirmou estar satisfeito com o resultado do duelo que abriu as finais do Mineiro: “Foi o primeiro passo para o título. O time não rendeu o que esperava, poderia ter sido melhor. Mas o que importa é que vencemos e agora nós é que temos a vantagem”.

O atacante Fred, que teve um gol anulado pelo auxiliar de vídeo (VAR), reclamou da marcação na saída de campo. “O que importava era vencer. Não pôde ser de três porque o árbitro anulou um gol que, pra mim, foi legítimo. Cabeceei para o gol, a bola não desviou, mas viram mão”, disse o camisa 9, que depois admitiu o toque de mão.  

Mesmo assim, Fred foi apoiado por Mano: “Se fosse um zagueiro que cortasse a bola e ela batesse na mão, mas não desviasse, não se daria o pênalti. Para mim, foi erro de interpretação”.

PODERIA SER MELHOR Um dos melhores do jogo, o atacante Marquinhos Gabriel estava feliz, apesar de ressaltar que seria mais seguro para o Cruzeiro ter vencido por diferença maior de gols: “É uma vantagem, embora pequena, mas poderia ter sido melhor”. Para ele, o confronto entre Cruzeiro e Atlético ocorreu como esperado: “Foi um jogo truncado, com muitas reclamações. Uma partida disputada com espírito de clássico, de grande rivalidade. Estou feliz porque vencemos e marquei um gol”.

Autor do gol que deu a vantagem ao Cruzeiro, o zagueiro Leo também foi precavido sobre o confronto de volta. “A vantagem é importante, mas é perigosa”, destacou.


Publicidade