Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tabu paraguaio

Com apenas uma vitória no Paraguai na história, Atlético tenta mudar a escrita de 37 anos e manter sonho de classificação. No Cruzeiro, ordem é concentração total no Huracán


postado em 09/04/2019 05:07

Leonardo Silva, zagueiro alvinegro:
Leonardo Silva, zagueiro alvinegro: "Precisamos da vitória, isso é fato. Mas o importante é trazer pontos de lá" (foto: Bruno Cantini/Atlético)


Se vencer o Cerro Porteño amanhã, no Estádio General Pablo Rojas, em Assunção, o Atlético quebrará um jejum de quase 38 anos sem triunfar em terras paraguaias. A última vitória foi em 1981. E os três pontos serão importantíssimos para o alvinegro seguir vivo na Copa Libertadores.

A última – e única – vez que o Atlético venceu no Paraguai foi na Copa Libertadores de 1981. Naquela edição, o Galo estava no mesmo grupo que Flamengo, Olimpia-PAR e Cerro Porteño. Adversário desta quarta, o Ciclón perdeu para o alvinegro por 1 a 0. O gol foi marcado por Éder Aleixo, membro da comissão técnica do técnico Levir Culpi no time mineiro.

O retrospecto é negativo. Além do triunfo em 1981, são quatro empates e quatro derrotas. Nas nove partidas disputadas, são cinco gols marcados e nove sofridos.

E nesta quarta, o Atlético tentará melhorar esses números. Com apenas uma vitória nos três primeiros jogos do Grupo E da Copa Libertadores, o Galo precisa vencer para manter o sonho de classificação. Para o zagueiro Leonardo Silva, que volta ao time no lugar do suspenso Réver, o time necessita voltar com pontos do Paraguai.

“É um jogo decisivo, mas precisamos da vitória, isso é fato. Mas o importante é trazer pontos de lá (Paraguai). Perdendo, fica um pouco mais complicado. Temos que fazer um jogo seguro, uma situação onde a equipe está pressionada e está tentando lidar com essa situação da melhor maneira possível para não interferir no nosso rendimento em campo. Unindo-se, fechando, trabalhando cada vez mais forte para ir em busca da vitória. É cada um conversar e se sentir seguro com a presença do companheiro e daquilo que a gente pode fazer em campo para que consigamos um grande resultado lá”, disse.

Título em Assunção O longo jejum não evitou a comemoração do Atlético em solo paraguaio. Em 1992, o Galo conquistou a Copa Conmebol em Assunção. Depois de vencer o Olimpia no Mineirão por 2 a 0 – dois gols de Negrini –, o alvinegro foi derrotado no Estádio Manuel Ferreira por 1 a 0 e levantou a taça.

Em 2013, o Atlético voltou a disputar uma decisão contra o Olimpia. Desta vez, a primeira partida da final da Copa Libertadores aconteceu no Paraguai, com vitória dos donos da casa por 2 a 0. No Mineirão, o Galo devolveu o placar e conquistou o título inédito na disputa por pênaltis.


Publicidade