Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

13 vezes Galo?

Na terceira maior série do Estadual e a segunda no Brasil atualmente, Atlético contabiliza 12 presenças consecutivas na final e tenta emplacar mais uma. Para isso, bastará o empate


postado em 06/04/2019 05:09

Recuperado da dor no joelho direito que o tirou dos últimos jogos, volante Adilson voltará à equipe alvinegra amanhã(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
Recuperado da dor no joelho direito que o tirou dos últimos jogos, volante Adilson voltará à equipe alvinegra amanhã (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)


Nas 12 edições anteriores do Campeonato Mineiro, houve uma certeza: a presença do Atlético na final. Amanhã, o time alvinegro encara o Boa, às 16h, no Mineirão, na luta pela vaga na decisão mais uma vez. Se avançar, o Galo se garantirá entre os dois melhores do Estadual pela 13ª vez consecutiva, na terceira maior sequência da história da competição. De 2007 para cá, quando iniciou a série, a equipe atleticana acrescentou seis  taças à sua galeria.

“Não tinha esse número. É impressionante. Isso é de parabenizar o clube, a força do clube. E nisso entram torcedores e diretoria, que valorizam o campeonato regional, além das comissões técnicas e dos atletas. Há um envolvimento, acho muito bacana”, disse o técnico Levir Culpi.

Para chegar à decisão pela 13ª vez, ao Galo basta o empate. O primeiro duelo, em Varginha, terminou sem gols e, como teve melhor campanha na fase de classificação (foi o primeiro colocado), o alvinegro tem a vantagem da igualdade no saldo de gols.

Apenas duas vezes houve marcas superiores à atual sequência do Atlético. Entre 1965 e 1990, o Cruzeiro emendou 26 campanhas de título ou vice-campeonato. Saiu campeão em metade delas. Em seguida, aparece o próprio Galo, com a série registrada entre 1974 e 1991. Na época, foram 12 conquistas.

De 1974 a 1990, Atlético e Cruzeiro foram soberanos nas duas primeiras posições do Mineiro. O alvinegro levou a melhor nesse período: foram 11 taças, contra seis do arquirrival.

Atualmente, o Galo é dono da segunda maior sequência em vigor nos 27 campeonatos estaduais pelo Brasil. Apenas o Rio Branco tem marca superior. O time acreano é campeão ou vice da competição local desde 2000. São 19 edições seguidas – número que pode aumentar em 2019.

Quatro times dividem a terceira posição desse “ranking” particular, vindo de oito presenças em final consecutivamente: CRB (Alagoano), Bahia (Baiano), Goiás (Goiano) e São Raimundo (Roraimense).

FORÇA MÁXIMA O Atlético terá sua melhor escalação em campo na semifinal do Mineiro. Quem garante isso é Levir Culpi, que, além de confirmar força máxima para o duelo, indicou o retorno do volante Adilson, recuperado de dor no joelho direito. “Estudamos agora o time para jogar. A gente quer fazer o melhor, e sempre há algum jogador com problema. Mas a ideia é colocar a força maior que temos”, garantiu.

A maior novidade estará no meio-campo: “O Adilson foi poupado do jogo anterior (vitória por 3 a 2 sobre o Zamora, quarta-feira, no Mineirão, pela Copa Libertadores). Ele participou dos treinamentos, mas o tiramos do jogo justamente para poder utilizá-lo contra o Boa”, disse o técnico, que não contará com os volantes José Welison e Jair, que vão cumprir suspensão.

Para Levir Culpi, a diferença em investimento faz com que o Atlético entre em campo com a obrigação de superar o Boa e se classificar para a decisão: “O Atlético é um time de investimento muito maior, assim como jogadores de alta qualidade, e tem a obrigação de conseguir um resultado positivo sobre o Boa. Agora, se eu estivesse no Boa, ficaria feliz da vida por jogar contra um time dessa maneira, com a possibilidade de fazer também o melhor. É uma questão de respeito e necessidade”.
 
  
Maior sequência dos três da capital*

10
América (de 1916 a 1925)

18
Atlético (de 1974 a 1991)

26
Cruzeiro (de 1965 a 1990)
*No Estadual

INGRESSOS
37.211
torcedores garantiram, até o fim da tarde de ontem, presença na partida de amanhã. Com ingressos a R$ 13 para sócios Galo na Veia Prata e gratuidade para crianças até 12 anos (condicionada à retirada de ingressos), a venda de ingressos para o jogo de volta da semifinal continua hoje, pela internet e nos postos de venda.


Boa busca façanha inédita
O Boa pode alcançar um feito inédito no Campeonato Mineiro caso vença o Atlético amanhã, às 16h, no Mineirão. O empate sem gols no primeiro jogo da semifinal, faz com que o clube do interior precise de triunfo por qualquer placar sobre o alvinegro para chegar pela primeira vez em sua história à final do Estadual. Em 14 participações no Estadual, o Boa fez sua melhor campanha em 2009, quando ainda se chamava Ituiutaba, sendo eliminado para o Cruzeiro na semifinal. O técnico Cesinha deve ter força máxima no confronto. Ele poderá escalar o mesmo time que enfrentou o Atlético no domingo, em Varginha, com Renan Rocha; Chiquinho Alagoano, Fernando Fonseca, Ferreira e Tsunami; César Sampaio, Claudeci e Edenilso; Jayme, Kaio Cristian e Gustavo Henrique.


Publicidade