Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Vantagem ampliada em tarde de Fred

Cruzeiro vence o América por 3 a 2 no primeiro duelo das semifinais e fica ainda mais perto da decisão do Mineiro. Centroavante brilha, faz três e assume artilharia estadual


postado em 01/04/2019 05:04

Numa partida iluminada, Fred desequilibrou o duelo com o Coelho:
Numa partida iluminada, Fred desequilibrou o duelo com o Coelho: "Estava precisando de uma atuação como essa. Além do mais, é especial por ser num clássico" (foto: Fotos: JUAREZ RODRIGUES/EM/D.A PRESS)


Em jogo de posturas opostas, o Cruzeiro venceu o clássico contra o América, 3 a 2, e ampliou a vantagem na série semifinal do Campeonato Mineiro. No segundo duelo, no sábado, o time celeste poderá garantir vaga na final mesmo se for derrotado por um gol de diferença no Mineirão. Foi uma tarde especial do atacante Fred, que marcou os três gols celestes e assumiu a artilharia da competição, com 10, superando o atleticano Alerrandro, com oito. Foi seu sexto hat-trick pela Raposa. Além disso, o Cruzeiro aumentou o tabu sobre o América. Agora são 11 partidas sem perder para o rival.

Desde o início, a proposta tática de ambas as equipes ficou bem desenhada. O Cruzeiro tinha uma formação ofensiva, em que muitas vezes até com quatro atacando: Rafinha, Marquinhos Gabriel, Fred e Rafinha. Já o Coelho era todo defesa.

No duelo de esquemas, destaque para o centroavante Fred, cada vez mais decisivo em nova função. Como se fosse um pivô de futebol de salão, ele saía da área, desvencilhando-se da marcação de Paulão e Jussani, e dava assistências aos companheiros. Isso foi planejado pelo técnico Mano Menezes, que anunciou sua intenção depois da vitória sobre o Patrocinense nas quartas de final. Ontem, o treinador comemorou o acerto. “Fui buscar alternativas para que a equipe pudesse tirar proveito de um centroavante como Fred. Quando você tem um jogador com essa característica, o time tem que jogar para ele.”

E isso acabou criando dificuldades adicionais para a defesa americana. Foi assim que saiu o primeiro gol. Rafinha lançou Egídio, que cruzou para a outra extremidade da pequena área. Fred, numa finta sobre os marcadores, ameaçou sair, passou por trás dos zagueiros e ficou sozinho para mandar de cabeça para as redes. Os outros dois gols foram típicos de centroavante, com posicionamento privilegiado na área para receber os passes e apenas empurrar para a meta.

Mas a história do jogo iria além disso. Ganharia emoção, pois cinco minutos depois do segundo gol celeste, Diego Jussani diminuiu. O Cruzeiro voltaria a marcar, mas Jonatas Belusso descontaria. O ensaio de reação americana mostrou que nem tudo era perfeito na Raposa, vazada ambas as vezes de cabeça, com os adversários livres, indicando problema de marcação defensiva.

Havia também expectativa de uma disputa especial para dois jogadores, Fred e Paulão, respectivamente, ex-atletas alviverde e celeste. Paulão admitiu que seu time não esteve bem. “Sabíamos que seria um jogo muito difícil. Mas nós erramos. Os gols que sofremos foram por falha nossa. Mas conseguimos fazer dois, o que nos mantém vivos para a segunda partida.”

Para Fred, o herói da partida, os três gols foram um alívio. “Até que enfim. Estava precisando de uma atuação como essa. Além do mais, é especial por ser num clássico. E o mais importante foi que ampliamos a nossa vantagem.”

PUBLICO DECEPCIONA
O público do clássico foi pequeno – não chegou a 7 mil presentes –, o que trouxe de volta a discussão sobre jogos com limitação de torcida visitante. Igor Martins Silva, de 38 anos, cruzeirense, se irritou. “Olha só como o estádio está vazio. Fica muito feio. Foram pouco mais de 2 mil ingressos para a torcida do Cruzeiro. Ficam com bobagem, pois se vendessem de maneira livre, estaria lotado. Estão perdendo dinheiro”. Ele criticou os vetos da Polícia Militar. “Não tem de ficar brecando torcidas e indo contra o fato de estádio dividido. Estão ajudando a afastar o torcedor do campo.”

Pelo lado do América, houve quem defendesse a restrição. “O mando é do América. Portanto, está certo que haja um limite para a torcida adversária. Já pensou jogar com ingresso livre? Isso aqui ficaria muito pior para o Coelho, pois a torcida do Cruzeiro iria invadir”, analisou Ronaldo Alfredo Lister, de 52 anos.


Os hat-tricks dele pela Raposa

Ontem         América 2x3 Cruzeiro          Mineiro
18/5/2005    Cruzeiro 5x0 Baraúnas       Copa do Brasil
12/3/2005    Valério 1x5 Cruzeiro          Mineiro
27/2/2005    América 0x4 Cruzeiro         Mineiro
16/2/2005    Cruzeiro 7x0 Sergipe         Copa do Brasil (4 gols)
2/10/2004    Cruzeiro 5x0 Ponte Preta    Brasileiro


Sem interferências

A estreia do Assistente de árbitro de vídeo (VAR) no Independência foi na base do improviso. O sistema, adotado por exigência do regulamento do Campeonato Mineiro, foi instalado na sala de exame antidoping do estádio, dividida ao meio. Não houve nenhuma interferência capital em lances do clássico. Segundo o presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Mineira de Futebol (FMF), Giuliano Bozzano, o modelo usado é mais veloz que o em operação no Rio de Janeiro e em São Paulo. “O sistema é o joy stick e não o touch screen, o que possibilita maior agilidade caso acionado”, diz Bozzano.


FICHA TÉCNICA
América 2 X 3 Cruzeiro

América: Fernando Leal; Ronaldo, Paulão, Diego Jussani e João Paulo; Zé Ricardo, Christian e Matheusinho (França 24 do 2º); Marcelo Toscano (Jonatas Belusso 32 do 2º), Júnior Viçosa e Felipe Azevedo (Neto Berola, no intervalo)
Técnico: Givanildo Oliveira
Cruzeiro: Fábio; Orejuela, Dedé, Léo e Egídio; Lucas Romero, Henrique e Robinho; Rafinha (Vinicius Popó 39 do 2º), Fred (Sassá 36 do 2º) e Marquinhos Gabriel (Jadson 33 do 2º)
Técnico: Mano Menezes
Jogo de ida das semifinais do Campeonato Mineiro
Estádio: Independência
Gols: Fred 19 do 1º; Fred 7 e 26, Diego Jussani 12 e Jonatas Beluzzo 39 do 2º
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique
Assistentes: Bruno Boschilia e Felipe Alan Costa de Oliveira
Var: Wagner do Nascimento Magalhães
Assistente do Var: Carlos Berkembrock
Cartão amarelo: Robinho, Egídio, Orejuela, França
Público: 6.746 torcedores
Renda: R$ 99.035



ENQUANTO ISSO...
Triunfo rubro-negro

Com uma formação reserva, o Flamengo venceu ontem o Vasco por 3 a 1 nos pênaltis, depois de empate em 1 a 1 no tempo normal, e conquistou a Taça Rio. O gol que levou a partida às penalidades foi feito no minuto final, de cabeça, por De Arrascaeta, ex-Cruzeiro. Agora, o rubro-negro e o Fluminense farão uma das semifinais do Campeonato Carioca, enquanto o cruzmaltino e o Bangu se enfrentam no outro duelo do fim de semana. Pelo Paulista, o Corinthians bateu o Santos por 2 a 1 no primeiro confronto das semifinais, garantindo vantagem do empate na próxima segunda-feira, no Pacaembu, para ir à final contra Palmeiras ou São Paulo, que no sábado ficaram no 0 a 0. Pelo Gaúcho, o Inter saiu na frente do Caxias, ganhando por 2 a 1 fora de casa. No sábado, empate no Beira-Rio leva a equipe à decisão. Já o Grêmio ficou no 0 a 0 com o São Luiz. Próxima partida será domingo, na Arena Grêmio.


Publicidade