Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

O reencontro depois da tempestade

Cruzeiro e América voltam a se enfrentar depois do empate na 1ª fase, em jogo marcado por forte chuva. A Raposa chega com 90,4% de aproveitamento, contra 55,5% do Coelho


postado em 30/03/2019 05:09

"Temos de fazer um resultado positivo neste primeiro jogo, quando jogaremos em casa (...) Se vencermos amanhã, teremos uma vantagem psicológica" Zé Ricardo, volante alviverde (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 24/1/19)


Passados 42 dias, América e Cruzeiro voltam a se enfrentar amanhã, às 16h, novamente no Independência, agora pelo jogo de ida das semifinais do Campeonato Mineiro. No último embate, em 17 de fevereiro, pela primeira fase do Estadual, os tradicionais rivais, que tinham desempenho semelhante na temporada, ficaram no 0 a 0, em jogo marcado por forte chuva, que provocou atraso de 32 minutos no apito inicial.

Desde então, Coelho e Raposa trilharam caminhos bem diferentes. O que não os impede de chegar hoje sonhando com a vitória para ficar mais perto da decisão do Estadual. Por ter feito melhor campanha, o time celeste joga por dois empates ou vitória e derrota pela mesma diferença de gols.

O América espera repetir 2016 e 2012, quando eliminou o rival para chegar à final. E com isso, melhorar o desempenho, pois desde o último clássico não teve muito o que comemorar. Foi eliminado na segunda fase da Copa do Brasil ao ser derrotado pelo Juventude por 2 a 1, perdendo a invencibilidade na temporada, e perdeu o clássico para o Atlético por 3 a 2, em jogo pela 10ª rodada do Estadual.

Também tomou alguns sustos, como o empate com o Guarani, em casa, pela última rodada. Assim, o desempenho caiu de 71,42% para 55,5%.

Com 23 anos, vencer o Cruzeiro, em especial numa semifinal, é o sonho do volante Zé Ricardo, que enfrenta a Raposa desde a base, mas nunca conseguiu vencer o rival como profissional. “Eu tinha 16 anos e jogava no Metaluzina. Sonhava com a Seleção Brasileira e em jogar na Europa, quando o América me chamou. Aí, meu sonho passou a ser campeão com o América. E vencer clássicos faz parte desse sonho.”

E para alcançar o objetivo, o volante americano diz que alguns aspectos têm de ser observados, por ele e seus companheiros. “Tínhamos um objetivo, que era estar entre os quatro semifinalistas. Agora, queremos a final. Nós estamos numa crescente, embora tenhamos tido alguns resultados inesperados, como o empate com o Guarani. Nossa defesa está muito bem. O ataque também tem funcionado. O entrosamento está cada vez melhor, com o ataque ajudando a defesa.”

Para ele, a vitória hoje é fundamental. “Temos de fazer um resultado positivo neste primeiro jogo, quando jogaremos em casa. Nosso time sempre vai bem no Independência e, se vencermos amanhã, teremos uma vantagem psicológica.”

FEITO Por outro lado, o time celeste conseguiu arrancada incrível desde aquele 17 de fevereiro, com seis vitórias e um empate em sete jogos. Isso fez o aproveitamento de 77,7% saltar para 90,47%.

Para completar, o time vem de seis vitórias seguidas e segue como o único invicto entre os times da Séries A e B do Campeonato Brasileiro. E não teve a defesa vazada em seis oportunidades seguidas, igualando feito de 1997, ano em que conquistou o segundo título da Copa Libertadores.

Entre os jogadores celestes, o discurso é de respeito, apesar da vantagem dada pelo regulamento e do bom momento. “A gente chega muito forte nestas semifinais, mas o América também está bem. Então, tem tudo para ser uma partida espetacular. Tomara que a gente saia vencedor”, afirma o armador Robinho, líder em assistências na temporada passada, com 11, e que este ano continua como o melhor no quesito, com quatro.

Jogador com mais tempo de Cruzeiro no grupo e acostumado a clássicos, o goleiro Fábio segue o mesmo raciocínio. “Serão dois jogos e temos de ter o controle para chegar à decisão. É clássico e esperamos dois jogos bem difíceis, mas estamos confiantes.”

O clássico de volta já tem data marcada: no próximo sábado, às 19h, no Mineirão. Como nesta semana, o Coelho terá tempo livre para treinar, enquanto a Raposa terá de dividir atenções com a Libertadores, pela qual enfrenta o Emelec-EQU, quarta-feira, em Guayaquil, pela terceira rodada do Grupo B.


AMERICANAS...
MATHEUSINHO DE VOLTA

Depois de ser poupado nos treinos de quarta e quinta-feira, o armador Matheusinho voltou a treinar com os companheiros. Segundo o técnico Givanildo Oliveira, “chega uma hora em que temos de dar um descanso a quem está precisando”.

JUNINHO AINDA É DÚVIDA
O volante Juninho permanece no Departamento Médico e sua escalação no clássico contra o Cruzeiro ainda não é certa. Tudo vai depender de sua participação no treino de hoje de manhã, quando o treinador definirá o time que começará a partida. No treino, Christian foi seu substituto.

CORRIGINDO POSIÇÕES
No treino de ontem, o grupo foi dividido em dois e Givanildo trocou o coletivo por movimentações táticas e também corrigindo posicionamento dos defensores. (ID)


ESTRELADAS...
MUDANçaS À VISTA

O técnico Mano Menezes não confirma o Cruzeiro que começará jogando amanhã. Porém, é quase certo que faça mudanças em relação ao time que venceu o Deportivo Lara-VEN quarta-feira, no Mineirão, pela Libertadores. O lateral-direito Edílson pode ficar fora por conta de desgaste físico e ontem à tarde nem participou do treino em campo. Se ele não puder mesmo atuar entra Orejuela.

O que ele disse...

“Acredito que na sequência de jogos até o Huracán, alguns jogadores vão entrar e vão sair. Tem jogos que força máxima não é o jogador que jogou o jogo anterior (...) É muito cedo para priorizar qualquer jogo”
Mano Menezes, treinador celeste, afirmando que descansará alguns jogadores na sequência até o confronto com o Huracán, mas deixando claro que não será a equipe toda. (PG)


Publicidade