Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Messi vai ao ataque

Irritado com reação dura por passagens apagadas e instabilidade da Seleção Argentina, craque desabafa, acusa críticos de disseminarem mentiras e revela drama até da família


postado em 30/03/2019 05:08

Alvo na derrota em amistoso para venezuelanos e com contusão colocada em xeque, Messi diz que quer continuar atuando com a camisa do país(foto: PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP)
Alvo na derrota em amistoso para venezuelanos e com contusão colocada em xeque, Messi diz que quer continuar atuando com a camisa do país (foto: PIERRE-PHILIPPE MARCOU/AFP)


Lionel Messi resolveu desabafar. Depois de uma chuva de críticas após a derrota da Argentina em amistoso para a Venezuela, em Madri, há uma semana, e também por ter alegado uma contusão para não enfrentar o Marrocos, quatro dias depois, o 10 do Barcelona decidiu falar. Em entrevista à rádio argentina Club Octubre, reclamou das provocações feitas contra ele, que atingem até mesmo familiares.

“Uma vez, meu filho, Thiago, de 6 anos, me perguntou: ‘Por que te matam (de críticas) na Argentina, papai?’. Eu respondi que são algumas pessoas, nada mais. Ele sabe que há muitas pessoas que gostam de mim também”, afirmou Messi, que respondeu até sobre a crítica de que não canta o hino antes dos jogos. “Eu demonstro meu carinho pela seleção de outras maneiras e a quem diz o contrário eu não dou bola. Não tenho que demonstrar nada a ninguém”.

Messi revelou que está muito chateado com tudo o que se fala dele na Argentina. “Muitas mentiras e coisas inventadas e isso me deixa com raiva porque as pessoas acreditam no que é dito. Tornou-se costume dizer coisas sobre mim, inventar quando não estou lá. A realidade é que eu venho com uma pubalgia de antes da parada de dezembro”. E emendou, furioso: “Eu tenho amigos, irmãos que sofrem por causa das mentiras que dizem. Qualquer um diz qualquer coisa. As pessoas compram isso. Depois eu sou o filho da p...”.

Ele afirmou que mantém o orgulho de vestir a camisa do país. “Quero ganhar algo com a seleção, estar com a equipe e vou jogar todas as coisas importantes que tiver que jogar. Mesmo com muita gente sendo contra o fato de eu estar na seleção”, reforçou.

Messi sublinhou a sua dor após a eliminação para a França nas oitavas de final da Copa do Mundo da Rússia’2018, e sua breve ‘aposentadoria’. “Pensei em me fechar, fazer o luto só com a minha família e esquecer de tudo o que vivi. Tentei me exilar de tudo um pouco. Afastar-me  da seleção”. Apesar das críticas, ele está confirmado para a Copa América, que será disputada entre junho e julho no Brasil.

Ele abordou também rivalidades em clubes, mas fez questão de exaltar Cristiano Ronaldo, com quem rivalizava antes que o português trocasse o Real Madrid pela Juventus. “Era lindo ter Cristiano no Campeonato Espanhol”, admitiu. “Sofremos ao vê-lo levantar tantas taças, deu raiva. Mas ele dava muito prestígio à liga.” Questionado sobre os melhores do mundo, incluiu Neymar: “Cristiano deixo de fora comigo, não conto, mas Mbappé, Ney (Neymar), Hazard, Suárez e Kun (Agüero)”.

CONTUSÃO Ontem, o técnico do Barcelona, Ernesto Valverde, confirmou que o craque argentino, camisa 10 do Barça, tem lesão no púbis que o atormenta há pouco mais de três meses e que esse foi o motivo de ter deixado a seleção de seu país logo após a derrota por 3 a 1 para a Venezuela.

Por causa da contusão, Valverde afirmou que tem dúvida se escalará o jogador contra o Espanyol, hoje, pela 29ª rodada do Campeonato Espanhol. Com 66 pontos, o Barcelona lidera, com 10 a mais que o segundo colocado, o Atlético de Madrid. O Real Madrid é o terceiro, com 54.

O argentino talvez comece na reserva, já pensando na semana de jogos que podem garantir o título nacional – contra Villarreal, na terça-feira, e Atlético de Madrid, no próximo sábado – e na rodada de ida das quartas de final da Liga dos Campeões da Europa contra o Manchester United, em 10 de abril.


Publicidade