Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Tite testa os jovens. É o que importa!


postado em 24/03/2019 05:06


Porto – O Brasil empatou com o Panamá por 1 a 1, ontem, no Estádio do Dragão, no Porto, gols de Paquetá e Machado. Dirão os torcedores que isso é uma vergonha. Não acho, partindo do pressuposto de que tenho pedido renovação na Seleção, visando à Copa do Catar. Tite pôs um time jovem em campo, que jamais havia atuado junto, e, para quebrar o gelo e o peso da camisa, achei que os garotos se saíram bem. Resultados em amistosos não me interessam, e sim ver o Brasil montar uma Seleção forte para ganhar o hexa em 2022.

No treino de sexta, véspera de jogo, Tite pediu que os jornalistas saíssem, para treinar cobranças de faltas. Saímos, mas ele se esqueceu de combinar com os panamenhos. Na primeira jogada, o ensaio foi ridículo. Esse tipo de situação eu não entendo e não vou entender jamais. Por isso, sou fã dos saudosos Telê Santana e Carlos Alberto Silva, de Zagallo, Parreira e Vanderlei Luxemburgo. Eles jamais fecharam treinos da Seleção, pois confiavam no taco. Telê e Carlos Alberto Silva anunciavam o time uma semana antes, não havia mistério.
|
Gostei de ver Tite dar chance aos jovens. É com eles que vai contar para 2022, não com Thiago Silva, Daniel Alves, Fernandinho, Paulinho, Renato Augusto e Miranda. Aliás, não havia a menor necessidade de escalar Miranda com o nariz fraturado, usando uma máscara.

Na coletiva de sexta, afirmei a Tite que, independentemente do resultado na Copa América, ele não será demitido, e que por isso mesmo seria importante pôr o maior número de jovens em campo na competição, para lhes dar experiência e maturidade para a Copa do Catar. Ele disse que esse é o objetivo. Vamos ver se vai esquecer a geração perdedora e apostar nos talentos. Porém, muita calma. A maioria ainda não se firmou na Europa. São promessas!

Gostei de dois bons chutes de Arthur e da atuação de Paquetá. A defesa do Panamá era forte, espécie de “boca de bode”. Estava difícil penetrar. As jogadas tinham que sair pelas extremas do campo, mas o Brasil não era competente no setor. Aos 26min, ainda estava 0 a 0. Em outros tempos, estaria uns 3 a 0 para o Brasil. Aí, um jogador panamenho errou uma bola e cometeu falta na meia-lua. Chance de ouro que Philippe Coutinho bateu mal, por cima do gol. Nada acontecia. O desentrosamento era total. Mas é preciso ter paciência. Casemiro fez belo lançamento e encontrou Paquetá na área. Ele bateu de primeira, vencendo o goleiro e fazendo Brasil 1 a 0. A vantagem não durou muito. Os panamenhos, sim, tinham uma bela jogada em cobrança de falta, ensaiada. A bola foi levantada e Machado, por trás da zaga brasileira, cabeceou, encobrindo Ederson. 1 a 1. E o primeiro tempo foi assim.

É bom lembrar que quando a gente pede renovação tem que ter um pouco de paciência com a garotada. Eles precisam ganhar experiência, quebrar o gelo do peso da camisa. Tite fez bem em não mexer no intervalo. Os laterais precisavam se soltar mais. O Panamá assustou com um chute da entrada da área. Ederson fez boa defesa. Bastou Fagner apoiar uma vez, para cruzar e Richarlison acertar o travessão panamenho. Everton entrou no lugar de Paquetá, e Gabriel Jesus na vaga de Firmino. Jesus é aquele que não fez nenhum gol na Copa.

O público foi de 39.410 pagantes. Richarlison se soltou no segundo tempo, com grandes jogadas. Casemiro cabeceou no travessão. Outro jovem foi testado, Felipe Anderson. Tite estava certo em testar a garotada, independentemente do resultado. Há que se levar em conta o desentrosamento dos garotos, que nunca atuaram juntos, e o nervosismo pela estreia na Seleção. Os amistosos servem justamente para isso. Terça-feira a parada será contra a República Tcheca, em Praga, que levou de 5 a 0 da Inglaterra na sexta-feira.


Publicidade