Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Levir em busca de soluções


postado em 14/03/2019 05:05

"Os números dizem que a equipe caiu (...) Se o Levir quiser mudar de novo, estaremos à disposição. Precisamos fazer essa autocrítica" Elias, volante alvinegro (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press - 20/1/19)

 


A segunda derrota em dois jogos na Copa Libertadores, diante do Nacional-URU (1 a 0), em Montevidéu, traz à tona os pontos negativos do Atlético na temporada e aumenta a pressão sobre o técnico Levir Culpi. Se antes o treinador tinha prestígio de sobra com a torcida, agora a situação se inverteu: ele vive a obrigação de solucionar as questões táticas e voltar a fazer o Galo ter novo encaixe na temporada.

O próximo jogo do Galo pela Libertadores é somente em 3 de abril, contra o Zamora-VEN, em Belo Horizonte. Até lá, o treinador usará os jogos do Campeonato Mineiro para testar formações diferentes das usadas até agora. O esquema com três volantes não teve o êxito esperado nos jogos pela competição internacional: o time alvinegro não marcou gol nas três partidas com a nova formação – foram duas derrotas e um empate, contra o Defensor-URU.

Mesmo com a queda de rendimento alvinegra, Levir não pensa em mudar radicalmente a equipe nos próximos jogos, mas fala em vários ajustes para melhorar o rendimento: “A falta de gols me preocupa, porque você perdeu a linha dos números. Não mexemos muitas coisas assim. Temos que repetir as coisas que fizemos acertadamente. Se a cada momento ruim eu começar a mexer no time, nunca vai dar certo”.

Curiosamente, o treinador chegou aos 15 jogos dirigindo o Atlético na Libertadores – é o comandante alvinegro que mais esteve no banco de reservas pela competição –, mas tem um número negativo: tem o pior aproveitamento entre os técnicos na competição nesta década, com 42,2% de aproveitamento (foram 5 vitórias, 4 empates e 6 derrotas). Seu desempenho é inferior aos de Cuca (69%), Diego Aguirre (66,7%), Roger Machado (61,9%), Paulo Autuori (57,1%) e Rogério Micale (50%).

A formação tática será um dos pontos que Levir vai discutir com o restante da comissão técnica com vistas ao clássico com o América, domingo, às 16h, no Mineirão, pela 10ª rodada do Mineiro. Ele deve colocar novamente o time titular em campo. Consciente de que a equipe está devendo melhor futebol, o volante Elias reforça a necessidade de mudança de postura e se coloca à disposição do treinador para novo estilo de jogo: “Os números dizem que a equipe caiu. Como falei da outra vez, não dá para ter tudo. Se você marca mais, vai acabar criando menos chances de gol. É continuar trabalhando. Se o Levir quiser mudar de novo, estaremos à disposição. Precisamos fazer essa autocrítica”.

O jogador de 33 anos foi um dos mais sacrificados pelo treinador na nova formação, já que teve que fazer a recomposição pelo lado esquerdo, algo que nunca fez na carreira. Com a obrigação de seguir os laterais adversários de perto, ele praticamente abdicou de sua principal característica nas três partidas anteriores: a chegada com força para finalizar ao gol adversário.

Libertadores
Ontem, pelo Grupo E, em Assunção, no Paraguai, o Cerro Porteño venceu o Zamora-VEN por 2 a 1 e se igualou ao Nacional, com seis pontos ganhos. Atlético e Zamora ainda não pontuaram depois de duas rodadas.


Publicidade