Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Derrota e vaias na volta do Galo ao Mineirão

Mesmo com o apoio de quase 40 mil torcedores, Atlético perde para o Cerro Porteño em sua estreia na fase de grupos da Libertadores. Terça-feira, terá de buscar a reação no Uruguai


postado em 07/03/2019 05:04

Paraguaios aproveitaram furada de Réver e indecisão de Victor para chegar à vitória, em lance em que Churín estava impedido. Galo teve um gol anulado no primeiro tempo (abaixo) e outro no segundo(foto: Fotos: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Paraguaios aproveitaram furada de Réver e indecisão de Victor para chegar à vitória, em lance em que Churín estava impedido. Galo teve um gol anulado no primeiro tempo (abaixo) e outro no segundo (foto: Fotos: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)


A estreia do Atlético na fase de grupos da Copa Libertadores nem de longe foi a esperada. Além da derrota por 1 a 0 para o Cerro Porteño, ontem à noite, preocupou a falta de inspiração da equipe alvinegra, que não conseguiu se impor praticamente em nenhum momento, mesmo empurrada por quase 39 mil pessoas no Mineirão. No fim, a torcida reagiu com vaias ao time.

O Galo tentará a reabilitação na terça-feira, às 21h30, quando visitará o Nacional, em Montevidéu – onde venceu um jogo e empatou outro nas fases preliminares desta edição da competição continental. Nessa partida, não poderá contar com o volante Adílson, que recebeu o terceiro cartão amarelo ontem. Ele, porém, poderá ajudar a equipe a defender a liderança do Campeonato Mineiro no sábado, contra o Patrocinense.

Os próprios atletas reconhecem que estiveram abaixo da média ontem. “Faltou um pouco mais de todo o time. Sentimos a derrota, não queríamos isso, mas às vezes acontece. Tentamos bastante, eu acertei a trave. Mas vamos trabalhar mais, ainda temos muitos jogos pela frente”, disse o armador Cazares, o mais lúcido do Atlético e que não acredita haver motivo para desespero. “A gente jogou bem. Falhamos no lance do gol, mas vamos reverter isso.”

Ontem, o Atlético entrou em campo com três volantes, Adílson, Jair e Elias, em vez de três armadores. Com isso, foi até bem na marcação, mas deixou a desejar na armação, com Cazares ficando isolado para municiar o atacante Ricardo Oliveira.

Mesmo assim, com dois minutos de bola rolando as duas equipes tiveram boas chances. Primeiro, os donos da casa, que desperdiçaram com Elias. Na sequência, os paraguaios, com Valdez batendo para fora.

Aos 7min, o Atlético conseguiu colocar a bola na rede em cobrança de falta de Cazares, porém, a arbitragem anulou, pois a cobrança deveria ser em dois lances. Três minutos depois, o equatoriano acertou a trave e no rebote Ricardo Oliveira carimbou a marcação.

O Cerro Porteño só voltou a ameaçar aos 36min, em erro de Jair na saída de bola. Para sorte dele, e dos atleticanos, Valdez errou ao tentar toque por cobertura. A resposta veio aos 40min, em chute de Cazares da entrada da área, que assustou o goleiro paraguaio.

CASTIGO Com dificuldade para criar jogadas, o Galo dependeu muito do talento de Cazares. E foi ele que quase marcou aos 16min do segundo tempo, em chute da entrada da área depois de belo corte em adversário. Três minutos depois, os atleticanos finalmente tramaram boa jogada, com Patric cruzando com perfeição para Ricardo Oliveira, que cabeceou rente à trave.

Como quem não faz, leva, o Atlético acabou ficando em desvantagem aos 32min, quando Churín aproveitou cruzamento da esquerda e marcou com uma joelhada na bola – o paraguaio estava um pouco adiantado, mas o gol foi validado.

Mais na base da vontade que da tática, até por ter sido bem desfigurado pelas alterações, o Galo tentou o empate e quase conseguiu aos 41min, quando Fábio Santos ganhou dividida, invadiu a área e bateu forte, para grande defesa de Juan Carrizo. Já nos acréscimos Chará cruzou da direita e Ricardo Oliveira colocou na rede, mas estava impedido.


FICHA TÉCNICA
Atlético 0 x 1 Cerro Porteño-PAR

Atlético: Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Adílson (Vinícius 39 do 2º), Jair (Nathan 29 do 2º), Elias (Chará 14 do 2º), Luan e Cazares; Ricardo Oliveira
Técnico: Levir Culpi
Cerro Porteño-PAR: Juan Carrizo; Candía, Juan Escobar, Amorebieta e Arzamendía; Villasanti, Aguilar, Ruiz e Federico Carrizo (Espínola 47 do 2º); Haedo Valdez (Churín 10 do 2º) e Larrivey (Novick 28 do 2º)
Técnico: Fernando Jubero
Primeira rodada do Grupo E da Libertadores
Estádio: Mineirão
Gols: Churín 32 do 2º
Árbitro: Mauro Vigliano (ARG)
Assistentes: Hernan Maidana e Gabriel Chade (ARG)
Cartão amarelo: Réver e Adílson *
Pagantes: 38.736
Renda: R$ 1.738.540
Próximo jogos: Nacional-URU (F), Zamora-VEN (C) e Cerro Porteño-PAR (F)
*Suspenso


ENQUANTO ISSO...
Triunfo uruguaio na Venezuela

O Nacional, do Uruguai, derrotou o venezuelano Zamora por 1 a 0, ontem à noite, fora de casa, e divide a liderança do Grupo E com o paraguaio Cerro Porteño. O único gol da partida, disputada no estádio La Carolina, na cidade de Barinas (VEN), saiu aos 24min do primeiro tempo, marcado por Gonzalo Bergessio, de canhota, chutando do meio da área. A partida chegou a ficar paralisada por sete minutos por causa de queda de energia na arena. Na quarta-feira, Cerro Porteño e Zamora se enfrentam, às 19h15 (de Brasília), em Assunção, no Paraguai, no encerramento da segunda rodada.


Publicidade