Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Jaeci Carvalho: Presidente do Flu deveria ser banido

Quero ver o STJD punir esse irresponsável por suas palavras de incitação à violência


postado em 18/02/2019 05:04



Que vergonha do futebol brasileiro! Sim, do futebol brasileiro. As guerras entre torcidas e o nível técnico ruim é geral, de norte a sul. O que vimos ontem, no Maracanã, é realmente para jogar uma pá de cal no futebol. E não me venham culpar a federação carioca de futebol. O presidente Rubens Lopes fez o possível e o impossível para convencer o presidente do Fluminense a pôr sua torcida no Setor Norte, deixando o Vasco no Sul, como ocorre desde 1950. Pedro Abad, esse péssimo presidente do tricolor, convocou sua torcida para uma “guerra” – palavras dele. Um dirigente despreparado, que está perto da renúncia. Esse cara faz mal ao futebol e deveria ser banido. Nunca deve ter dado um chute na bola.
A mesma juíza que decretou o clássico Vasco x Fluminense sem a presença de torcedores, com os portões fechados, mandou liberar o estádio já no fim do primeiro tempo. Justamente por causa de conflitos entre torcedores dos clubes e do enfrentamento com a polícia. O Maracanã virou uma praça de guerra, em suas imediações, como pediu o presidente tricolor. Quero ver o STJD punir esse irresponsável por suas palavras de incitação à violência.
Vivemos numa sociedade violenta, em que a vida das pessoas de bem está por um fio. Assassinos não são punidos como deveriam. Tivemos a tragédia de Mariana há 3 anos, sem que os culpados fossem punidos. Agora, tivemos outra tragédia, em Brumadinho, e, até o momento, ninguém foi punido também. Mataram 10 crianças no centro de treinamento do Flamengo, o Ninho do Urubu, e 10 dias depois não conseguiram identificar, nem prender ninguém. E o Flamengo descumpre as determinações da Justiça, usando o local da tragédia como se nada tivesse acontecido.
“Que país é esse?”, perguntava o saudoso e genial cantor e compositor Renato Russo. São tragédias recorrentes. A vida ficou banalizada. Confesso que nem me interessei em saber o resultado da decisão da Taça Guanabara. O futebol, a arte, o drible e o gol ficaram em segundo plano diante da falta de sensibilidade dos dirigentes. Leandro Castán estava envergonhado. Ele jogou na Europa e sabe que lá isso jamais ocorreria. Somos chacota mundial. Que pena.
Este espaço deveria ser usado para que eu relatasse as jogadas geniais e a beleza do futebol. Mas, infelizmente, como jornalista, não posso fechar os olhos para essa triste realidade. O Vasco foi o campeão com 1 a 0 em cima do Fluminense. Campeão de fato e de direito, com sete vitórias em sete jogos, porém, ontem, o que marcou mesmo foi o desrespeito ao futebol, principalmente por parte do inexpressivo e venal presidente do Fluminense. Muito triste!

Independência
No Horto, América e Cruzeiro jogaram pelo Campeonato Mineiro. A partida começou com atraso por causas das fortes chuvas em BH. Um primeiro tempo fraquíssimo, com futebol de segunda linha. Já escrevi que não considero clássico Cruzeiro x América, nem Atlético x América. Que me desculpem os americanos, mas não dá para comparar o tamanho dos gigantes da capital com o Coelho. A começar pelas torcidas.
Já disse, e não tenho medo de escrever o que penso, que em Minas Gerais há apenas um clássico: Cruzeiro x Atlético. O América não é um gigante do nosso futebol. É uma equipe pela qual temos carinho, mas há muito deixou de representar Minas Gerais com a força que teve na época de Jair Bala, por exemplo. Ali sim, era clássico.
Um grande time é feito por sua grande torcida, e o Coelho, infelizmente, não tem mais aquela torcida de outrora. São torcedores tímidos, que, na maioria das vezes, nem ao estádio vão.
Independentemente do resultado, não dá para tirar do Cruzeiro a preocupação apenas com a Copa Libertadores, que vai começar em março. O Estadual pode ser importante para América, Caldense, Tupi, Villa Nova e por aí afora. Para Galo e Raposa, significa apenas cumprir a tabela.
No fim, 0 a 0, e o Galo assumindo a liderança isolada do Mineiro. Aliás, o Galo está preocupado com a terceira fase da Libertadores. O objetivo é claro: avançar e entrar na fase de grupos da competição. Dessa forma, teremos outra vez Galo e Raposa na principal competição sul-americana.


Publicidade