Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Kelen Cristina: Hora de ficar em cima do muro

Normalmente, se diz que, independentemente do momento dos times, confrontos desta natureza são marcados pelo equilíbrio e pela imprevisibilidade. Desta vez, porém, os números estão aí para embasar essa tese


postado em 15/02/2019 05:07


>> tirolivre.mg@diariosassociados.com.br

Um clássico, por si só, tem ingredientes suficientes para motivar de forma especial o torcedor. Quando velhas rivalidades entram em campo, qualquer lance ganha tempero extra – as defesas são mais espetaculares, os gols, festejados de forma mais efusiva. No América x Cruzeiro de domingo, no Independência, contudo, há componentes adicionais para tornar o confronto ainda mais diferenciado. As equipes são as únicas que ainda não perderam no Campeonato Mineiro e, em jogo, estará a liderança da competição, atualmente com o Coelho. Moral da história: a derrota, além de amarga, será azeda.

Normalmente, se diz que, independentemente do momento dos times, confrontos desta natureza são marcados pelo equilíbrio e pela imprevisibilidade. Desta vez, porém, os números estão aí para embasar essa tese e mostrar que a partida tem tudo para ser mesmo bem parelha. Isso se evidencia pela semelhança na campanha das equipes – não por acaso, elas estão empatadas em número de pontos (14) na classificação. Fator determinante para a liderança, o ataque americano, o mais eficiente do Estadual, já balançou as redes 14 vezes. Mas o celeste não fica muito atrás: foram 13 gols em seis partidas. O artilheiro do Coelho no campeonato, Júnior Viçosa, marcou três. Na Raposa, o principal goleador é Fred, com quatro.

O América é dono da segunda melhor defesa da competição, com três gols sofridos – desempenho superado apenas pelo Atlético, que levou um a menos. A defesa cruzeirense, por sua vez, embora tenha sido criticada pela irregularidade nos primeiros jogos, também tem números positivos, tendo levado somente quatro gols.

A grande superioridade dos times da capital em relação aos do interior ajuda a explicar bem toda essa estatística. Não é exagero dizer que o Cruzeiro será o primeiro grande teste do time de Givanildo Oliveira neste ano. Pelo menos tecnicamente falando. O Coelho começou sua caminhada empatando com a Caldense, no Ronaldo Junqueira (1 a 1). Na sequência, fez duas partidas em casa e aproveitou para alimentar o saldo de gols que lhe garante a ponta do Mineiro a esta altura: 3 a 0 sobre o Villa Nova e 5 a 0 sobre o Tupi. Foi a Tombos e venceu os donos da casa por 2 a 1. Pegou mais estrada e foi a Patrocínio, onde ficou no 0 a 0 com a equipe anfitriã. De volta ao Horto, derrotou a URT por 3 a 1.

Já o Cruzeiro estreou com o tranquilo triunfo sobre o Guarani (3 a 1), em Divinópolis. Como o Coelho, encontrou certa dificuldade diante do Patrocinense, conseguindo a magra vitória por 1 a 0, mesmo o duelo sendo no Mineirão. De novo no Gigante da Pampulha, empatou com o Atlético por 1 a 1. Na rodada seguinte, mais uma igualdade: 2 a 2 com o Boa, em Varginha. Aproveitou-se da fase ruim do Villa Nova, que ainda não tinha vencido, e goleou por 3 a 0 no Castor Cifuentes. Na rodada passada, outro 3 a 0 fácil, desta vez em cima do Tombense.

Há dois fatores que podem pesar no domingo a favor do time de Mano Menezes. A sintonia é a primeira delas, já que é praticamente a mesma base do ano passado e, por isso, atua quase que no automático. Como a estreia na Copa Libertadores será somente em 7 de março, não há motivo evidente para que o treinador celeste não leve força máxima a campo. A única baixa é o armador Thiago Neves, machucado. A incógnita recai em Fred, que, nos últimos dois dias, não foi a campo, ficou fazendo trabalhos físicos em academia na Toca da Raposa. Mas, via assessoria, o clube afirma não ser problema de lesão. Se ele não jogar, entra o perigoso Raniel. A experiência daria lugar à vitalidade. Vantagem nenhuma para o América.

Já o Coelho tem muitas mudanças em relação à formação que disputou o Campeonato Brasileiro do ano passado. Pior: perdeu peças importantes, como o goleiro João Ricardo e o zagueiro Messias, entre outros, e vem se moldando ao longo do Estadual. Até agora foi suficiente para vencer. Mas, como eu já disse, terá seu teste de fogo no domingo. Será a primeira vez que as ideias colocadas por Givanildo terão um desafio à altura, para mostrar se o caminho está correto mesmo.

Fato é que há muito tempo América e Cruzeiro não chegam tão equivalentes a um clássico. Qualquer resultado terá de ser encarado com naturalidade. Evitar apostar em um dos lados agora não é mero jogo de cena ou receio de ferir sentimentos. Aquele famoso clichê “não existe favorito” faz todo o sentido. Embora muita gente abomine isso, é hora de ser bem mineiro e ficar em cima do muro. E cá estou.


Publicidade