Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Veterano com gás de sobra

Aos 44 anos, o atacante Ademílson vai disputar mais um Estadual, agora com a camisa do Tupynambás, que retorna à elite depois de mais de oito décadas. E ele sonha alto


postado em 26/12/2018 05:04

Um cigano em campo: Ademílson já passou por 16 equipes, incluindo times do México e da Bélgica, e disputou as três divisões mineiras(foto: Marcelo Ribeiro/Tribuna de Minas - 9/4/18)
Um cigano em campo: Ademílson já passou por 16 equipes, incluindo times do México e da Bélgica, e disputou as três divisões mineiras (foto: Marcelo Ribeiro/Tribuna de Minas - 9/4/18)


O retorno do Tupynambás à elite do Campeonato Mineiro em 2019 significará também o reaparecimento de um cigano da bola na principal competição do estado. Aos 44 anos e a caminho dos 25 de carreira, o atacante Ademílson será o jogador mais experiente a disputar a próxima edição da elite estadual. Sem pensar em aposentadoria, o atleta já projeta mais um feito pelo clube de Juiz de Fora, da Zona da Mata, cuja última participação na elite do Estadual havia sido em 1934: a classificação às quartas de final e a disputa do título de campeão do interior.

Natural de Itaguaí (RJ), Ademílson termina 2018 com duas façanhas em clubes diferentes. No primeiro semestre, ele levou o Tupynambás ao título do Módulo II, sendo um dos destaques da campanha. Em seguida, obteve o vice-campeonato da Terceirona e conseguiu outro acesso, desta vez à Segunda Divisão nacional, com o Athletic Club, de São João del-Rei, que voltou às atividades depois de 40 anos.

Com passagens por Fluminense e Botafogo e mais de uma dezena de times, o atacante sonha com voos mais altos na próxima temporada: “Espero que 2019 seja tão bom quanto 2018. Preciso manter a sequência para trazer novas conquistas ao clube. Eu me cuido muito e ainda aguento correr atrás da molecada”. O jogador afirma que nem passa por sua cabeça a hora de parar: “Futebol é sonho de muitos. Já que tive essa chance, quero aproveitá-la ao máximo. Enquanto estiver atuando e minhas pernas suportarem, vou dar o melhor de mim”. O atacante teve rápida passagem pelo futebol do México e da Bélgica entre 2003 e 2005, mas voltou ao Brasil.

No Athletic, Ademílson atuava com um grupo cuja maioria dos atletas tinha menos de 21 anos. Agora, ele terá companheiros veteranos como o goleiro Glaysson, de 39, que também jogará no Baeta, apelido da agremiação da Zona da Mata. Sua função será a de líder, procurando ensinar os segredos da bola aos que estão começando: “Sempre procuro ajudar da mesma forma que muitos me ajudavam quando era mais novo. No Athletic, tínhamos garotos bons e talentosos, que em breve terão chances em outros clubes. Nós nos dávamos muito bem”.

Longe da badalação das grandes metrópoles, ele escolheu viver na tranquilidade de Juiz de Fora, onde mora desde 2007. Não é por acaso que foi homenageado pela Câmara Municipal com o título de cidadão honorário. Na cidade, adquiriu o respeito mútuo dos torcedores de Tupi – pelo qual atuou de 2007 a 2010 e de 2011 a 2015 – e Tupynambás. É comum fãs de qualquer uma das torcidas o procurarem para fazer fotos e ganhar autógrafos.

CLÁSSICO Uma das atrações no Estadual do ano que vem é justamente o duelo entre os rivais locais – chamado popularmente de clássico Tu-tu. Numa mostra de cordialidade, algo raro no futebol nacional, dirigentes das equipes prometeram organizar o confronto sem rusgas, com ações conjuntas de marketing e divisão igual da renda. Para Ademílson, a sensação de jogar uma partida como essa é especial: “Tenho um carinho e respeito enorme pelo Tupi e pelos torcedores. Conquistei muitas coisas pelo clube e pude dar minha contribuição em todos esses anos. E agradeço ao Tupynambás por ter aberto as portas e ser minha casa agora. Hoje estou do outro lado e, como profissional, sempre vou jogar para vencer”.


ADEMÍLSON CORRÊA

Nascimento: 10/9/1974, em Itaguaí (RJ)
Altura e peso: 1,73m e 72kg
Clubes na carreira: Ypiranga-RS (1994); Rio Branco-ES (1995-1997); Comercial (1998); Alegrense (2001-2002); Botafogo (2002); Fluminense (2003); Deportivo Iraputo-MEX (2003-2004); Lokeren-BEL (2005); Paysandu (2005); Cianorte-PR (2006); Marília (2006); Tupi (2007-2010); Ipatinga (2010); Uberlândia (2010); Tupi (2011-2015); Tupynambás (2016-2018); Athletic (2018); Tupynambás (2019)
Títulos: Série D do Brasileiro (2011); Taça Minas Gerais (2008); Módulo II do Mineiro (2016)

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade