Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas

Saldo positivo nos negócios

Se dentro de campo o balanço não foi dos melhores, na área financeira o Galo conseguiu bons resultados em vendas de jogadores para o exterior, cerca de R$ 65 milhões, o que ajudou a amenizar os problemas


postado em 05/12/2018 05:04

R$ 27 milhões: Pagou o Torino para ter o zagueiro Bremer(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 22/5/18)
R$ 27 milhões: Pagou o Torino para ter o zagueiro Bremer (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 22/5/18)



A temporada de 2018 foi de readequação financeira para o Atlético, que se viu obrigado a reduzir a folha salarial dos jogadores e a negociar dívidas que vinham se arrastando há algum tempo. Entretanto, em relação às negociações de atletas para o exterior, o clube não tem do que reclamar: o Galo conseguiu arrecadar bons valores nas transações que envolveram o zagueiro Bremer, o volante Yago, o meia-atacante Otero e o atacante Róger Guedes. Juntos, os quatro atletas conseguiram movimentar quase R$ 65 milhões para os cofres alvinegros.

Dois deles se aventuraram pelo futebol da Arábia Saudita, onde poderão obter salários astronômicos em relativo curto tempo de vínculo. O primeiro que deixou o Atlético foi o venezuelano Otero, no fim de maio, quando foi emprestado ao Al-Wehda por incríveis 5 milhões de euros – R$ 21,5 milhões na cotação atual. Pela equipe, ele marcou dois gols em nove partidas e tem sido elogiado pelos dirigentes. Tanto é que o Galo vai negociá-lo em definitivo com os árabes, recebendo outros 5 milhões de euros.

Quem também foi emprestado foi o volante Yago, que deixou o Galo em julho rumo ao Al-Qadisiyah, também da Arábia Saudita. Os mineiros não divulgaram os valores do contrato, mas especula-se que tenham recebido cerca de R$ 3,5 milhões na transação. Ele atuou apenas sete vezes pelo novo clube e não marcou gol. No meio do ano que vem, o Al-Qadisiyah terá direito de comprar os direitos econômicos do jogador de 23 anos, revelado nas categorias de base alvinegra.

Depois de proposta do chinês Shandong Luneng, o Atlético se desfez do atacante Róger Guedes, então artilheiro do Campeonato Brasileiro, com nove gols. O jogador de 21 anos pertencia ao Palmeiras, mas o Galo recebeu 40% dos 9,5 milhões de euros (em torno de R$ 12,5 milhões) que o clube oriental desembolsou no negócio. Ele estava emprestado ao Galo até o dia 31 e viveu altos e baixos em Minas. Depois de ficar na reserva, foi cogitado a ser emprestado novamente ao Bahia, mas recuperou a posição de titular e ganhou prestígio com a torcida ao marcar gols importantes nas rodadas iniciais do Brasileiro.

 

 

No mesmo período, o Atlético também negociou o zagueiro Bremer com o Torino por 6 milhões de euros (R$ 27 milhões). O defensor rapidamente ganhou espaço no Galo. Ele chegou no ano passado à base do time mineiro, depois de passar pelo São Paulo, e tinha compromisso até o fim de 2021. Atualmente, no time de Turim, o jogador é reserva, tendo feito apenas dois jogos pelo Campeonato Italiano.

ACERTO FRUSTRADO
O Atlético estava prestes a negociar o equatoriano Cazares com o futebol árabe nos mesmos moldes de Otero. Depois da parada para a Copa do Mundo da Rússia, o camisa 10 foi afastado das atividades para bater o martelo com o Al-Ahli, mas os clubes tiveram divergências em termos do contrato e não houve acordo – a transferência do gringo renderia ao alvinegro cerca de R$ 7 milhões. Com isso, o jogador foi reintegrado ao grupo, sendo decisivo na conquista da vaga na Copa Libertadores de 2019.

Para 2019, o conselho deliberativo do Atlético aprovou o orçamento com previsão de receita de R$ 70 milhões em venda de jogadores – é a segunda maior fonte de recursos prevista para 2019, sendo menor apenas que a cota de TV.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade