Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Doces e sobremesas

Doce de pêra em compota

Receita fornecida por Líbia Vilela Marquêz, de Uberlândia: (34) 32345742


postado em 21/04/2017 09:20

(foto: Renato Weil/EM)
(foto: Renato Weil/EM)

Ingredientes:

- 3 litros de água

- 20 peras-portuguesas inteiras (descascadas, sem retirar o cabinho)

- 1 quilo e meio de açúcar

Material:

- Tacho de cobre

Feito à mão:

- Entre os destaques do Mercado Municipal de Uberlândia estão as gamelas e farinheiras de Maria Aparecida de Paula, que encantam turistas e moradores. Mas há muitas outras opções e o cliente recebe atendimento especial. Contato: (34) 3235-0124.

Modo de Preparo:

Pôr a água e o açúcar no tacho de cobre. Levar ao fogo e, quando estiver fervendo, acrescentar as peras. Cozinhar até a calda ficar em ponto de fio (obtido quando escorre da colher como um fio). Deixar esfriar. Pôr em potes.



Que seja no tacho

(foto: Renato Weil/EM)
(foto: Renato Weil/EM)

Na Praça Cícero Macedo, uma das mais antigas de Uberlândia, há uma casa muito especial, que exala o aroma inconfundível de açúcar no tacho. Só pode ser casa de doceira. O cheiro é indício de que na cidade há espaço para mãos habilidosas, que encantam com a produção artesanal de doces. Há 20 anos, Líbia Vilela Marquêz ganha a vida como doceira, uma profissão de família, herdada da avó, que criou os filhos fazendo quitandas para vender.

Líbia aprendeu com a mãe a preparar as frutas em compota, doces cristalizados e docinhos para festa. O resultado aparece em uma cozinha bem grande, cheia de potes com figo, abacaxi, ameixinha de queijo, mamão e laranja-da-terra, tudo mergulhado em calda melada. É de dar água na boca! Líbia chega a fazer até 50 quilos de doce por dia e gosta de escolher bem as frutas que usa. Faz questão de que a matéria-prima seja do Triângulo.

Só assim os doces podem ter a mesma naturalidade da doceira. "Sou de Uberlândia, sempre", afirma, com orgulho. Ela diz ter visto na TV que o uso do tacho seria proibido, mas não deu bola para isso. Ainda o usa e continuará usando, porque, segundo ela, não há doce de qualidade se não for feito assim. Palavra de quem entende do assunto.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade