Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas Doces e sobremesas

Bolo de abóbora

Receita fornecida por Vera Lúcia Vasconcelos, de Uberlândia: (34) 32353261


postado em 21/04/2017 09:30

Ingredientes:

- 4 ovos

- 2 xícaras (chá) de açúcar refinado

- 1 pitada de sal

- 2 colheres (sopa) de margarina

- 1 abóbora-moranga média, cozida e picada em cubos pequenos

- 3 xícaras (chá) de farinha de trigo

- Meio pacote de coco ralado

- 1 colher (sopa) de fermento em pó

- Meia garrafa de 100 ml de leite de coco

Doce mel:

- A produção de mel silvestre garante sabores que fazem fama nas casas dos uberlandenses. Mel composto, pólen desidratado, geleia real e própolis, tudo vai direto das fazendas da região para as prateleiras do Apiário Girassol, no Centro da cidade. Contato: (34) 3236-1922.

Modo de Preparo:

Separar as gemas e bater as claras em neve. Reservar. Na batedeira, pôr as gemas, o açúcar refinado, a pitada de sal e a margarina. Bater até obter um creme. Junta esse creme à abóbora picada em cubos e já cozida. Acrescentar farinha, coco ralado, fermento em pó. Misturar com uma colher, delicadamente, para não amassar os pedaços inteiros de abóbora, amolecendo a mistura com leite de coco. Por fim, acrescentar, delicadamente, as claras em neve.

Assar em forno pré-aquecido (180 graus). A sugestão é cobrir o bolo com cocada.



Aroma de carinho e amor

Na Praça Cícero Macedo, uma das mais antigas de Uberlândia, há uma casa muito especial, que exala o aroma inconfundível de açúcar no tacho. Só pode ser casa de doceira. O cheiro é indício de que na cidade há espaço para mãos habilidosas, que encantam com a produção artesanal de doces. Há 20 anos, Líbia Vilela Marquêz ganha a vida como doceira, uma profissão de família, herdada da avó, que criou os filhos fazendo quitandas para vender.

Líbia aprendeu com a mãe a preparar as frutas em compota, doces cristalizados e docinhos para festa. O resultado aparece em uma cozinha bem grande, cheia de potes com figo, abacaxi, ameixinha de queijo, mamão e laranja-da-terra, tudo mergulhado em calda melada. É de dar água na boca! Líbia chega a fazer até 50 quilos de doce por dia e gosta de escolher bem as frutas que usa. Faz questão de que a matéria-prima seja do Triângulo.

Só assim os doces podem ter a mesma naturalidade da doceira. "Sou de Uberlândia, sempre", afirma, com orgulho. Ela diz ter visto na TV que o uso do tacho seria proibido, mas não deu bola para isso. Ainda o usa e continuará usando, porque, segundo ela, não há doce de qualidade se não for feito assim. Palavra de quem entende do assunto.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade