UAI
Publicidade

Estado de Minas ATAQUES

Bolsonaro atacou jornalistas e imprensa em 86% das lives feitas em 2021

Pesquisa feita pela Agência Lupa mostrou que o presidente fez ataques em 42 das 49 lives do ano


22/12/2021 08:41

Jair Bolsonaro (PL) fala em microfone
(foto: Reprodução / Tv Brasil)
Ao longo de 2021, o presidente Jair Bolsonaro (PL) ocupou manchetes e virou assunto nas redes sociais por conta dos seguidos ataques contra jornalistas e a imprensa. Para deixar ainda mais clara a aversão do chefe do executivo contra os profissionais e veículos, a Agência Lupa fez um levantamento em que localizou, ao menos, 78 vezes em que desacatos foram proferidos durante as lives semanais na internet.

A pesquisa mostrou que Jair Bolsonaro atacou a imprensa em 86% transmitidas em 2021. Isso corresponde a 42, do total de 49, transmissões feitas ao longo do ano. No geral as declarações desvalorizam o trabalho da imprensa e insinuam que as reportagens veiculadas espalham mentiras. Entre uma das falas polêmicas do presidente, ele parabenizou os jornalistas no dia 1º de abril, data conhecida como o Dia da Mentira.

De todos os 78 ataques, o relatório apontou que 49 citavam algum veículo específico. Dentre esses, os mais mencionados foram da Rede Globo, 26 vezes incluindo a rede de televisão e o jornal O Globo; a Folha de S. Paulo, 17 vezes e o Estado de S.Paulo, 13.

Em raras vezes em que Bolsonaro elogiou o trabalho jornalístico, foi em favor de veículos que são apoiadores do mandato do atual presidente. Por exemplo, o programa Pingo nos Is, da Jovem Pan, na opinião de Jair, reporta "a verdade, diferente da Globo".

Outro relatório


Não é a primeira vez que um levantamento mostrando os ataques do presidente contra a imprensa é divulgado. A Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) publicou, em outubro de 2020, um relatório que denuncia os sucessivos ataques que Bolsonaro comete contra membros da imprensa.

Segundo a pesquisa, chamada Monitoramento de discursos, entrevistas e postagens em redes sociais, foram 299 ataques entre janeiro e setembro de 2020, o que corresponde a mais de uma declaração hostil aos veículos de comunicação por dia.

No Twitter, Bolsonaro debochou do levantamento. Ele postou uma matéria do site de O Globo com o título: "Em nove meses, Bolsonaro cometeu 299 ataques ao jornalismo, diz relatório". Acima da matéria, escreveu: "'Ataque' n° 300: Perderam a boquinha!"

Liberdade de imprensa


Essas ofensas resultaram na entrada de Bolsonaro na lista de "predadores da liberdade de imprensa", elaborada pela Repórteres Sem Fronteiras (RSF). A edição de 2021 foi divulgada em julho, e é composta por 37 chefes de Estado ou governo que impõem uma repressão massiva à liberdade de imprensa.

A edição descreveu que Bolsonaro usa "insulto, humilhação e ameaças vulgares" como "modo de predação". De acordo com a publicação, desde que Bolsonaro assumiu a presidência tornou muito mais difícil o trabalho da imprensa. "Sua marca registrada? Insultar, estigmatizar e humilhar jornalistas muito críticos", disse a ONG.

Na lista estão outros chefes de estado como o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, o presidente de Cuba, Miguel Diaz-Canel, presidente da Rússia, Vladimir Putin, e o presidente da China, Xi Jinping.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade