Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÃO

Candidato à Prefeitura de Contagem diz ser vítima de perseguição política

Polícia investiga desvios de mais de R$ 4 milhões do Bolsa Moradia na cidade, e Ivayr Soalheiro é um dos investigados. Ele nega envolvimento nas denúncias


28/10/2020 17:36 - atualizado 28/10/2020 20:22

Coletiva de imprensa desta quarta-feira (foto: Instagram/Reprodução)
Coletiva de imprensa desta quarta-feira (foto: Instagram/Reprodução)
O candidato à Prefeitura de Contagem (Grande BH) pelo PDT, Ivayr Soalheiro, fez uma live, na tarde desta quarta-feira (28), depois de ter seu nome envolvido como suspeito de integrar o esquema de desvio de verbas do Bolsa Família na cidade. Ele afirmou não ter envolvimento com as denúncias e afirmou ser vítima de perseguição política. 

A investigação mira desvios de R$ 4 milhões em recursos públicos do programa. O benefício no valor de R$ 700 é pago a famílias com casas afetadas por fenômenos naturais, como deslizamentos de terra, ou obras públicas.

A operação Aluga-se, deflagrada nesta quarta pela Polícia Civil (PCMG) e pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), cumpriu 31 mandados de busca e apreensão e quatro de prisão temporária em Belo Horizonte e seis municípios da Região Metropolitana – Contagem, Oliveira, Baldim, Jaboticatubas, Lagoa Santa e Ribeirão das Neves. 

"Hora nenhuma fui chamado pra ser ouvido pelo Ministério Público de Minas Gerais. Queria agradecer à Policia civil que está investigando. Tem que prender este criminoso e qualquer um estiver envolvido", disse o candidato, nesta tarde.

"Por que me envolveram? Faltam 18 dias para a eleição, e meu partido só tem a mim contra muitos poderosos. (...) Estamos em segundo lugar na pesquisa, pesquisa com muita gente poderosa disputando. Se houvesse algo errado na minha, estariam me convocando para me ouvir", acrescentou.

Ivayr Soalheiro ainda afirmou não ter nenhum processo administrativo ou judicial. 

Em nota, assessoria de imprensa informou que a vida dele sempre foi pautada pela "honestidade e transparência": "Assim como qualquer cidadão de bem, Ivayr está profundamente indignado com a fraude ocorrida no Programa Bolsa Moradia, supostamente realizada por um ex-servidor da sub-secretaria de Habitação da Prefeitura de Contagem, que funcionava de forma autônoma, em prédio distinto".

Assista ao vídeo completo:



Ao ser questionado sobre a identidade dos investigados em coletiva também concedida nesta quarta, o coordenador-geral do Gaeco, promotor de Justiça Fabrício José da Fonseca Pinto, informou: "Não vamos divulgar os nomes por razão da legislação em vigor. Os nomes vão ser divulgados com ajuizamento das ações penais". 

Três pessoas foram presas e um suspeito deve se entregar ainda nesta quarta. 

A suspeita é que o esquema integrava políticos e funcionários públicos. O chefe do grupo seria um ex-diretor do Bolsa Moradia. Ele teria transferido R$ 1 milhão para o próprio filho. 

"Eu estive com ele três vezes. Hoje, me perguntaram sobre, e eu tive até dúvida sobre o nome correto. Só sei o primeiro nome", comentou Ivayr Soalheiro. 


CPI apura desvios


Soalheiro assumiu a Secretaria de Desenvolvimento Urbano no final de 2017, sendo que a Secretaria-adjunta de Habitação foi incorporada à mesma em maio de 2018, decorrente da reforma administrativa realizada pela Prefeitura de Contagem.


Ele afirma que foi um dos primeiros a apoiar a petição para instalação da CPI que investiga, na Câmara Municipal de Contagem, os desvios e compreende que os envolvidos devem ser "exemplarmente punidos". Em 11 de agosto, a Câmara iniciou os trâmites para abertura da CPI para investigar desvios no Bolsa Moradia.

"Eu assumi a câmara em março deste ano e fui o primeiro assinar para fazer a investigação ter transparência. Fiz requerimento e pedi para ser ouvido, para entregar as informações que tinha ao Ministério Publico", acrescentou o candidato. 

Na ocasião, a Controladoria-Geral calculava que o rombo aos cofres públicos totalizava R$ 4.045.768,09. Segundo o órgão de monitoramento, os desvios começaram em julho de 2018, mas tiveram seu ‘ápice’ em março deste ano.

"Entreguei meu telefone com senha liberada. Disponibilizando tudo, estou à disposição", afirmou Soalheiro.

Por fim, Ivayr Soalheiro lamenta que a operação ocorra em período eleitoral e diz que tem sido vítima de ataques permanentes de fake news nas redes sociais.

Segundo a assessoria do candidato, seu comitê foi alvo de vandalismo na semana passada e ontem as bandeiras foram quebradas.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade