Publicidade

Estado de Minas

Família de Adriano diz que não vai sepultá-lo até ter uma perícia independente

Ordem de remoção do corpo de miliciano morto do IML do Rio saiu na manhã desta terça-feira


postado em 18/02/2020 14:54 / atualizado em 18/02/2020 15:38

(foto: Polícia Civil/Divulgação )
(foto: Polícia Civil/Divulgação )
O Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro já liberou o corpo do miliciano Adriano Magalhães de Nóbrega, morto na Bahia no ultimo dia 9, mas a família não irá sepultá-lo com a intenção de fazer uma perícia independente. O pedido já havia sido feito à Justiça do Rio de Janeiro, mas foi negado após juiz entender que a competência é da Justiça baiana. Agora, pedido de conservação de corpo, perícia independente do corpo e de local de crime, foram feitos pela defesa à Bahia. 
A ordem de remoção do corpo saiu na manhã desta terça-feira. O advogado Paulo Emílio Catta Preta disse que o corpo só não foi retirado ainda por questões operacionais do IML, mas que a intenção da família é deixar o corpo lá para fazer nova perícia na presença de peritos do local. "Queremos fazer das formas mais oficiais possíveis", disse, explicando que quer desta forma para evitar que digam que o laudo foi manipulado. 

O pedido de conservação de corpo chegou a ser acatado pela Justiça do Rio, mas não a solicitação de perícia independente. Em seguida, autorização foi revogada sob a justificativa de que a competência é da Justiça baiana. Caso o corpo seja retirado do IML, a intenção é conservá-lo em uma funerária. 


Publicidade